Condição humana, mundo comum e educação

Palavras-chave: Condição humana, Educação escolar, Crianças, Tradição.

Resumo

Nós, errantes, espécie aberta e inacabada, obrigada a se ver com a incerteza e a dramaticidade da condição humana, escolhemos e estabelecemos modelos de convivência sempre provisórios, passíveis de modificação e aperfeiçoamento. Pensar a educação das gerações vindouras exige um olhar para aquilo que temos em comum, ou seja, o mundo humano, fruto de nossas interações e criações. O esforço do presente texto consiste em compreender o que compõe a nossa condição humana e, a partir dela, o que a educação escolar e a docência têm a contribuir para a construção de um mundo humano comum. Será na perspectiva teórica da filósofa Hannah Arendt, especialmente a partir de sua obra A Condição Humana, que essas tematizações serão propostas. Tomar o mundo humano comum como base e orientação para educarmos os recém-chegados significa que alimentamos o desejo de que este mundo continue, dure, se eternize.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jose Pedro Boufleuer, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), Ijuí, RS.

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil; professor Adjunto da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI), em Ijuí, RS.

Jenerton Arlan Schütz, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), Ijuí, RS.

Doutorando em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI), em Ijuí, RS, Brasil; professor da Rede Pública Municipal de ensino do município de Santo Ângelo, RS.Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), Ijuí, RS.

Referências

AGUIAR, O. A. (2006) A categoria condição humana em Hannah Arendt. In: CORREIA, Adriano (Org.) Hannah Arendt e a condição humana. Salvador: Quarteto, 35-74.

ARENDT, H. (2010). A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. Revisão e apresentação de Adriano Correia. (11a ed. rev.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

ARENDT, H. (2013). Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa. (7a ed.). São Paulo: Perspectiva.

ARENDT, H. (2017). A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Tradução de Cesar A. R. de Almeida. (6a ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

BÁRCENA, F. (2001). La esfinge muda: el aprendizaje del dolor después de Auschwitz. Rubí (Barcelona): Anthropos: Guadalupe N.I.. (México): Universidad Autónoma de Nuevo León.

BUEB, B. (2008). Elogio à disciplina: um texto polêmico. Tradução de Luciane Leipnitz. Porto Alegre: Artmed.

BOUFLEUER, J. P. (2013) A profissão professor – crise de profissão ou profissão em crise? Linhas Críticas, Brasília, DF, 19(39) mai./ago, 391-408.

BOUFLEUER, J. P. & FENSTERSEIFER, P. E. (2010). A re-configuração da dialética pedagógica com vistas a uma formação emancipadora. Currículo sem Fronteiras, 10(2), 259-267.

CORREIA, A. (2010). Apresentação à nova edição brasileira. In: ARENDT, H. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. Revisão e apresentação de Adriano Correia. (11a ed.). rev. Rio de Janeiro: Forense Universitária, XIII-XLIV.

DALCIN, A. (2007). As atividades humanas e a educação no pensamento de Hannah Arendt. Dissertação (Mestrado) – Unijuí. Ijuí/RS.

FOUCAULT, M. (2006). A hermenêutica do sujeito. Tradução Márcio Alves da Fonseca. Salma Tannus Muchail. (2a ed.). - São Paulo: Martins Fontes.

GADAMER, H.-G. (2002). Verdade e método II: complementos e índice. Tradução de Marcia S. C. Schuback. Petrópolis, RJ: Vozes: Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco.

KANT, I. (1999). Sobre a pedagogia. Tradução de Francisco C. Fontanella. (2a ed.). Piracicaba: Editora Unimep.

LARROSA, J. (2017). Elogio da escola. Tradução de Fernando Coelho. (1a ed.). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

LARROSA, J. & RECHIA, K. (2018). P de professor. São Carlos: Pedro & João Editores.

MASSCHELEIN J. & SIMONS M. (2017). Em defesa da escola: uma questão pública. Tradução de Cristina Antunes. (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

MATTÉI, J. F. (2002). A barbárie interior: ensaio sobre o i-mundo moderno. Tradução de Isabel Maria Loureiro. São Paulo: Editora UNESP.

PETERS, R. S. (1979). Educação como iniciação. In: ARCHAMBAULT, R. D. Educação e análise filosófica. Tradução de Carlos Eduardo Guimarães e Maria da Conceição Guimarães. São Paulo: Saraiva, 101-130.

SAVATER, F. (2012). O valor de educar. Tradução de Monica Stahel. (2a ed.). São Paulo: Planeta.

TUGENDHAT, E. (2007). Antropologia como Filosofia Primeira. In: POMMER, A., FRAGA, P. D. & SCHNEIDER, P. R. (Orgs.). Filosofia e crítica: festschrift dos 50 anos do Curso de Filosofia da Unijuí. Ijuí: Editora Unijuí, 183-199.

Publicado
2020-09-01
Como Citar
Boufleuer, J. P., & Schütz, J. A. (2020). Condição humana, mundo comum e educação. Educação, 43(2), e35803. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2020.2.35803
Seção
Dossiê: Formação em Movimento