Educar pela sombra

Contemporâneo e educação a partir de uma pintura de Jan Lievens

Palavras-chave: comtemporaneidade, filosofia da educação, Jan Lievens, tecnologia educacional

Resumo

Este ensaio analisa uma pintura de Jans Lievens (1607-1674), que retrata um menino em um ateliê, com o objetivo de discutir a “contemporaneidade” – desde a perspectiva de Giorgio Agamben – de uma educação a partir do uso da “sombra” como potência educativa. O ateliê é entendido aqui como um espaço dinâmico e formador marcado por (a) um “uso das coisas”, opondo-se ao consumo das coisas e (b) por uma margem de “sombra” capaz de tencionar a luz como seu contrário. A pintura, concentrando estas características distintivas que são postas em relevo pelos autores, permite conceber um jogo em que “sombra” e “luz” compõem uma relação cooperativa e que, em termos educacionais, conduz à positivação da “marginalidade” – de forma não estigmatizante –, o inacabado e a abertura – à criação – como componentes da formação humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Guilherme Augsburger, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC, Brasil.

Mestre e doutorando em Educação pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), em Florianópolis, SC, Brasil.

Tiago Ribeiro Santos, Université Catholique de l’Ouest (UCO), Angers, França.

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil.

Referências

Agamben, G. (2009). O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Argos.

Agamben, G. (2007). Profanações. Boitempo.

Arendt, H. (2016). Entre o passado e o futuro. Perspectiva.

Arendt, H. (2017). A condição humana. Forense Universitária.

Biesta, G. (2017). Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Autêntica.

Comênio, J. A. (1997). Didática magna. Martins Fontes.

Deleuze, G. (2011). Différence et répéticion. PUF.

Dussel, I. & Caruso, M. (2003). A invenção da sala de aula: uma genealogia das formas de ensinar. Moderna.

Elias, N. (2005). A peregrinação de Watteau à ilha do amor: seguido de seleção de textos de Watteau. Zahar.

Foucault, M. (2011). Vigiar e punir: nascimento da prisão. Vozes.

Gombrich, E. H. (2013). A história da arte. LTC.

Larrosa, J. (2017). Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Autêntica.

Lievens, Jan (1644). Jeune garçon à l’atelier [Pintura]. Louvre, Paris, França. http://cartelfr.louvre.fr/cartelfr/visite?srv=car_not_frame&idNotice=13825

Luckesi, C. C. (2005). Avaliação da aprendizagem: visão geral. http://www.luckesi.com.br/artigosavaliação.htm

Masschelein, J. & Simon, M. (2015). Em defesa da escola: uma questão pública. Autêntica.

Pelbart, P. P. (2016). O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. N-1 edições.

Saviani, D. (1999). Escola e democracia. Autores Associados.

Schérer, R. (2006). Émile perverti ou Des rapports entre l’éducation et la sexualité. Réédition Désordres-Laurence Viallet.

Simondon, G. (2005). L’individuation à la lumière des notions de forme et d’information. Éditions Jérôme Millon.

Valéry, P. (2012). Degas. Dança Desenho. Cosac & Naify.

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Augsburger, L. G., & Santos, T. R. (2021). Educar pela sombra: Contemporâneo e educação a partir de uma pintura de Jan Lievens. Educação, 44(3), e33992. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2021.3.33992
Seção
Outros Temas