Educação corporativa no serviço público

Um estudo de caso com enfoque na aprendizagem dialógica

Palavras-chave: educação corporativa, técnico-administrativo em educação, aprendizagem dialógica, capacitação

Resumo

Este artigo apresenta dados de uma pesquisa qualitativa inspirada na Metodologia da Investigação Comunicativa.  Tem como objetivo analisar a percepção dos servidores Técnico-Administrativos em Educação sobre os cursos de capacitação ofertados pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Os dados coletados foram obtidos a partir de entrevista comunicativa em profundidade. As informações resultantes da pesquisa revelam que os servidores Técnico-Administrativos em Educação têm muitas ideias que podem contribuir com o Programa de Capacitação e que a Aprendizagem Dialógica pode trazer melhorias relevantes para a Educação Corporativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natalia Araujo Souza Neves, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Rondonópolis, MT, Brasil.

Mestra em educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Rondonópolis, MT, Brasil.; especialista em Administração de Recursos Humanos pela Universidade Federal do Ceará (UFC), em Fortaleza, CE, Brasil. Graduada em Administração pela Estácio, em Ribeirão Preto, SP, Brasil. Servidora técnica-administrativa em educação da Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), em Rondonópolis, MT, Brasil.

Eglen Sílvia Pipi Rodrigues, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Rondonópolis, MT, Brasil.

Doutora e mestra em Educação, pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em São Carlos, SP, Brasil, com estágio realizado na Espanha (Barcelona), no CREA (União Europeia) – Community of research on excelence for all. Pós-doutora em Educação, pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em São Carlos, SP, Brasil; graduada em Licenciatura Plena em Pedagogia na UFSCar, em São Carlos, SP, Brasil; professora associada II na Universidade Federal de Rondonópolis (UFR), em Rondonópolis, MT, Brasil, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu), em Rondonópolis, MT, Brasil, da mesma instituição. Coordenadora do Grupo de Estudos em Aprendizagem Dialógica (GEAD-UFR), MT, Brasil, e integra os grupos pesquisa Políticas Públicas Educacionais e Práticas Pedagógicas (UFR, MT, Brasil) e Corpo, Educação e Cultura (COEDUC/UFMT), em Cuiabá, MT, Brasil.

Referências

Aubert, A, Flecha, A., García, C., Racionero, S. (2016). Aprendizagem dialógica na sociedade da informação. EdUFSCar.

Amaral, H. K. (2006). Desenvolvimento de competências de servidores na administração pública brasileira. Revista do Serviço Público, 57(4), 549-563. https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/211/216

Comunidade de Aprendizagem. [ca. 2010]. Aprendizagem dialógica. https://www.comunidadedeaprendizagem.com/uploads/materials/3/bbea4bd3004329144308d8efcc1c8061.pdf

Braga, F. M., Gabassa, V., Mello, R. R. (2010). Aprendizagem dialógica: ações e reflexões de uma prática educativa de êxito para todos(as). EdUFSCar.

Braga, F. M., Gabassa, V., Mello, R. R. (2012). Comunidades de Aprendizagem: outra escola é possível. EdUFSCar.

Brasil (2006). Decreto n.º 5.707, de 23 de fevereiro de 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, e regulamenta dispositivos da Lei n.º 8.112, de 11 de dezembro de 1990. (2006). Diário Oficial da União. Casa Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5707.htm

Flecha, R. (1997) Compartiendo palavras: el aprendizaje de las personas adultas a traves del diálogo. Paidós.

Franco, M. C. (2016). Gestão democrática participativa em comunidades de aprendizagem: a perspectiva de profissionais de uma escola pública da rede estadual de ensino em Rondonópolis – MT. [Dissertação Mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso] Freire, P. (2013). À sombra desta mangueira (11. ed.). Paz e Terra.

Freire, P. (2015a). Pedagogia do oprimido (59. ed., rev. e atual.). Paz e Terra.

Freire, P. (2015b). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (52. ed.). Paz e Terra.

Gómez, J. et al. (2006). Metodología comunicativa crítica. El Roure. Goulart, S., Pessoa, E. (2004). Educação corporativa como base da estratégia organizacional. Caso Leader Magazine. In Mundim, A. P., Ricardo, E. J (Orgs.), Educação Corporativa: fundamentos e práticas (pp. 58-71). Qualitimark.

Habermas, J. (2012a). Teoria do agir comunicativo: racionalidade da ação e racionalização social (v. 1). WMF Martins Fontes.

Habermas, J. (2012b). Teoria do agir comunicativo: sobre a crítica da razão funcionalista (v. 2). WMF Martins Fontes.

Libâneo, J. C. (2001). O essencial da didática e o trabalho de professor – em busca de novos caminhos, nov. 2001. http://limaribeiro.net/File/Content/Document/pt-br/didatica-do-ensino-superior-o-essencial-da-didatica.pdf

Marques, R. (2000). Dicionário breve de Pedagogia (2. ed. rev. e aum.). Presença.

Mello, R. R. (2006). Metodologia de investigação comunicativa: contribuições para a pesquisa educacional na construção de uma escola com e para todas e todos. Anais da 29ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu, MG, Brasil, 1, 1-17. https://anped.org.br/biblioteca/item/metodologia-de-investigacao-comunicativa-contribuicoes-para-pesquisa-educacional-0

Moraes, F. C., Eboli, M. (2012). Concepção e modelagem do projeto de educação corporativa. In Eboli, M. et al. (Orgs.), Educação corporativa: fundamentos, evolução e implantação de projetos (pp. 275-296). Atlas.

Nonaka, H. T., Silva, M. M., Rampazo, A. V. (2011). Gestão do conhecimento e educação corporativa: recursos humanos. Pearson Addisson Wesley.

Paludo, A. V. (2012). Administração pública: teoria e questões (2. ed., rev. e atual.). Elsevier.

Ricardo, E. J. (2005). Educação corporativa a distância: algumas reflexões. In Ricardo, J. E. (Org.), Educação corporativa e educação a distância (pp. 18-31). Qualitimark.

Ricardo, E. J. (2012). Educação corporativa e aprendizagem: as práticas pedagógicas na era do conhecimento. Qualitymark.

Rodrigues, A. M. (2012). Metodologias de Ensino-Aprendizagem na Educação Corporativa. In Ramal, A. (Org.), Educação Corporativa: como implementar projetos de aprendizagem nas organizações (pp. 123-157). LTC.

Silva, M. C., Gasparin, J. L. (2006). A teoria da ação comunicativa de Jürgen Habermas e suas influências na educação escolar. UNICAMP. (v. 1). https://livrozilla.com/doc/1499231/vii-semin%C3%A1rio-nacional-de-estudos-e-pesquisas

Universidade federal de Mato Grosso. (2016a). A UFMT. http://www.ufmt.br/ufmt/site/secao/index/Cuiaba/812.

Universidade federal de Mato Grosso. (2016b). Relatório de gestão: 2008-2016. UFMT, Secretaria de Comunicação e Multimeios. http://www.ufmt.br/cuiaba/arquivos/c200d3f1db84fcd29018b33e27a4acc2.pdf.

Universidade federal de Mato Grosso. (2015). Relatório de gestão 2014-2015. Universidade Federal de Mato Grosso. http://www.ufmt.br/cuiaba/arquivos/e5c37b0778fc3f80130b021609763e77.pdf.

Publicado
2021-06-21
Como Citar
Neves, N. A. S., & Rodrigues, E. S. P. (2021). Educação corporativa no serviço público: Um estudo de caso com enfoque na aprendizagem dialógica. Educação, 44(1), e32875. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2021.1.32875
Seção
Outros Temas