Avaliação da aprendizagem

uma prática formativa

  • Karin Donaduce Flores
  • Sônia Maria de Souza Bonelli
Palavras-chave: Avaliação formativa, protagonismo, aprendizagem

Resumo

Este artigo pretende revisitar os pressupostos teóricos que norteiam, qualificam e valorizam o protagonismo dos estudantes dos Anos Iniciais no que se refere ao estudo da avaliação e ao acompanhamento do percurso avaliativo envolvendo as diferentes áreas do conhecimento, como prática formativa. É necessário considerar o papel que cada sujeito desempenha no seu percurso pessoal, acompanhado não apenas pelo seu resultado, mas também pela trajetória construída de forma individual e pelo grupo no processo de aprendizagem. Trata-se de um estudo bibliográfico que reflete a caminhada da escola e aponta caminhos para que a avaliação tenha mais sentido e significado para todos os envolvidos no processo. O artigo pretende colaborar com reflexões e ideias que provoquem a vontade de mudar algumas práticas enraizadas no fazer docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karin Donaduce Flores

Licenciada em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Discente do curso de Especialização em Gestão Curricular Marista da mesma instituição. 

Sônia Maria de Souza Bonelli

Coordenadora do curso de Pedagogia da Escola de Humanidades da PUCRS. Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

AMBECK-MADSEN, P. Attivita precolastica: Reggio Emilia. Itália: non si deve porrelimite all’infanzia. II PrêmioLego, Ygdrasil, 1992.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. O cotidiano do professor. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

KRAMER, Sônia A. A infância e sua singularidade. In: BRASIL. Ministério da Educação. Ensino Fundamental de 9 anos: orientações para a inclusão da criança de 6 anos de idade. Brasília: PNDE, 2006.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Gestão do currículo. Verificação ou avaliação: o que pratica a escola? São Paulo: Cortez, 2011.

MENTGES, Manuir José; MARQUES, Cintia Bueno; SALDANHA, Patrícia (Orgs.). Caderno Marista de Educação. Porto Alegre: CMC, 2015. v. 9.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. |Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

PACHECO, José. Aprender em comunidade. São Paulo: Edições SM, 2014.

PACHECO, José. Dicionário de valores. São Paulo: Edições SM, 2012.

PIAGET, Jean. A representação do mundo na criança. Aparecida: Ideias e Letras, 2005.

PIAGET, Jean. Epistemologia genética. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

PIAGET, Jean. O nascimento da inteligência na criança. Rio de Janeiro: LTC, 1987.

PERRENOUD, Philippe. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão Veredas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.

UNIÃO MARISTA DO BRASIL. Projeto Educativo do Brasil Marista: nosso jeito de conceber a Educação Básica. Brasília: Umbrasil, 2010.

UNIÃO MARISTA DO BRASIL. Regimento escolar. Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio. Colégios/Unidades Sociais. Porto Alegre: Umbrasil, 2016.

UNIÃO MARISTA DO BRASIL. Tessituras do Currículo Marista: matrizes curriculares. Brasília: Umbrasil, 2014.
Publicado
2020-11-23
Como Citar
Donaduce Flores, . K. ., & de Souza Bonelli, . S. M. (2020). Avaliação da aprendizagem: uma prática formativa. Caderno Marista De Educação, 10(1), e39595. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/caderno-marista-de-educacao/article/view/39595
Seção
Artigos