Bebês nas creches e nos espaços urbanos cariocas

Marcia de Oliveira Gomes Gil, Vera Maria Ramos de Vasconcellos

Resumo


O direito à educação de bebês é discutido no cenário da cidade do Rio de Janeiro, entre os anos 2009 e 2016, gestão dupla de uma mesma prefeitura. As vagas na educação infantil municipal e as matrículas no berçário são investigadas após a construção de novas edificações (GIL, 2018). O reconhecimento social do direito à creche para todos os bebês e crianças pequenas, independentemente de critérios de vulnerabilidade, é o ponto de partida das discussões. A legislação brasileira é apresentada e as ações do Ministério Público são analisadas. Os resultados revelam que, na relação com o direito à educação de bebês, mesmo com as novas edificações, específicas para a educação infantil, o número de matrículas cresce nos agrupamentos de crianças com mais idade e no berçário vêm sendo reduzidas a cada ano. Acrescenta-se a isso a diminuição de creches municipais em tempo integral.


Palavras-chave


Bebês. Creche. Direito à educação. Cidadania.

Texto completo:

PDF

Referências


A AÇÃO BRASIL CARINHOSO como estratégia de expansão da oferta e redução da desigualdade educacional na creche Fineduca. Revista de Financiamento da Educação, Porto Alegre, v. 5, n. 11, 2015. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2016.

ARAÚJO, Vania Carvalho de. A impermeabilidade das “políticas” destinadas às crianças: por uma necessária ressemantização do direito. Revista Educação, Porto Alegre, v. 40, n. 3, p. 405-412, 2017.

ARAÚJO, Vania Carvalho de. O tempo integral na educação infantil: uma análise de suas concepções e práticas. In: ARAÚJO, Vania Carvalho de (Org.). Educação infantil em jornada de tempo integral: dilemas e perspectivas. Vitória: Edufes, 2015.

ARENDT, Hannah. A promessa da política. Rio de Janeiro: Difel, 2008.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2018.

BRASIL, Resolução MEC nº 1, de 28 de julho de 2016. Aprova as ponderações aplicáveis entre diferentes etapas, modalidades e tipos de ensino da educação básica para vigência no exercício de 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

BRASIL. Resolução CD/FNDE/MEC nº 19, de 29 de setembro de 2014. Estabelece os procedimentos operacionais para a transferência obrigatória de recursos financeiros aos municípios e ao Distrito Federal, a título de apoio financeiro suplementar à manutenção e ao desenvolvimento da educação infantil para o atendimento de crianças de zero a 48 meses informadas no Censo Escolar da Educação Básica, cujas famílias sejam beneficiárias do Programa Bolsa Família, em creches públicas ou conveniadas com o poder público, a partir do exercício de 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2016.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil03/ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 13 out. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria Interministerial nº 19, de 27 de dezembro de 2013. Define e divulga os parâmetros anuais de operacionalização do Fundeb para o exercício de 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2017.

BRASIL. Lei nº 12.722, de 3 de outubro de 2012. Altera as Leis nº 10.836, de 9 de janeiro de 2004, nº 12.462, de 4 de agosto de 2011, e nº 11.977, de 7 de julho de 2009; dispõe sobre o apoio financeiro da União aos municípios e ao Distrito Federal para ampliação da oferta da educação infantil e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2016.

BRASIL. Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), de que trata o art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; altera a Lei nº 10.195, de 14 de fevereiro de 2001; revoga dispositivos das Leis nº. 9.424, de 24 de dezembro de 1996, nº 10.880, de 9 de junho de 2004, e nº 10.845, de 5 de março de 2004, e dá outras providências. Disponível em:

. Acesso em: 12 jan. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2017. BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Câmara dos Deputados. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 de jul. 1990 Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2017.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição [da] República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2017.

BRASIL. Decreto-lei nº 4.830, de 15 de outubro de 1942. Estabelece contribuição especial para a Legião Brasileira de Assistência e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2016.

BRASIL. Decreto nº 17.943-a, de 12 de outubro de 1927. Institui o Código de Menores. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2017.

CASTRO, Lucia Rabello de. A aventura urbana: crianças e jovens no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2004.

DAMATTA, Roberto. A casa e a rua: espaço, cidadania e mulher no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

FERREIRA, Manuela. A gente gosta é de brincar com outros meninos: relações sociais entre as crianças num jardim de infância. Porto: Edições Afrontamento, 2004.

GIL, Márcia de Oliveira Gomes. Políticas públicas de Educação Infantil na cidade do Rio de Janeiro: berçário em foco (2009 a 2016). 2018. 208 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Proped), Rio de Janeiro, 2018.

LANTER-LOBO, Ana Paula Santos Lima. Políticas públicas para a educação infantil: uma releitura na legislação brasileira. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de (Org.). Educação da infância: história e política. Niterói, RJ: Eduff, 2011. p. 133-164.

MÜLLER, Fernanda. Retratos da infância na cidade de Porto Alegre. 2007. 218 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

NUNES, Deise. Reconhecimento social da infância no Brasil: da menoridade à cidadania. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de (Org.). Educação da infância: história e política. 2. ed. Niterói, RJ: Eduff, 2011. p. 107-132.

PEREZ, Jose Roberto Rus; PASSONE, Eric Ferdinando. Políticas sociais de atendimento às crianças e aos adolescentes no Brasil. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 140, p. 649-673, maio/ago. 2010.

RIO DE JANEIRO. Plano Estratégico da Prefeitura do Rio de Janeiro, 2009 a 2012. Rio de Janeiro. Disponível em:

. Acesso em: 12 jul. 2016.

ROSEMBERG, Fúlvia. A criança pequena na agenda de políticas para a infância: representações e tensões. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2016.

ROSEMBERG, Fúlvia. A educação pré-escolar brasileira durante os governos militares. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 82, p. 21-30, ago. 1992.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Visibilidade social e estudo da infância. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de; SARMENTO, Manuel Jacinto. (Org.). Infância (in)visível. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2007.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Crianças: educação, culturas e cidadania activa refletindo em torno de uma proposta de trabalho. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 1, p. 17-40, jan./ jul. 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2017.

TATAGIBA, Ana Paula. Percursos de uma luta urgente: a educação infantil como dever do Estado. Ser Social, Brasília, v. 13, n. 29, p. 146-171, jul./dez. 2011.

TONUCCI, Francesco. Ciudades a escala humana: laciudad de los niños. Revista de Educación, Roma, n. esp., p. 147-168, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2018.2.30824




Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS