Intervenções psicoeducacionais positivas para promoção de resiliência: o profissional da educação como tutor de desenvolvimento

Maria Angela Mattar Yunes, Grazielli Fernandes, Gelson Vanderlei Weschenfelder

Resumo


O presente artigo pretende contribuir com reflexões acerca do papel dos educadores em iniciativas de intervenções psicoeducacionais positivas nas situações caracterizadas por riscos psicossociais. Para tanto, apresenta-se o conceito de intervenções positivas, balizado por pressupostos da Psicologia Positiva e pelo fenômeno de resiliência. Argumenta-se que o olhar apreciativo e otimista do profissional educador em contextos de vulnerabilidade requer práticas de bons tratos e de tutoria de resiliência que configuram padrões de relações profissionais respeitosas e solidárias. Estas podem ser preventivas de ambientes socialmente tóxicos e auxiliar na proteção e prevenção das inúmeras ameaças ao desenvolvimento humano de crianças, adolescentes e de suas famílias. São apresentados dois exemplos de práticas de intervenção positiva no contexto escolar e seus respectivos resultados.


Palavras-chave


Intervenções psicoeducacionais. Resiliência. Psicologia Positiva.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. T. de. Recomendações para a prevenção do cyberbullying em contexto escolar: uma revisão comentada dos dados da investigação. Educação, Ciência e Cultura, Canoas, v. 19, n. 1, p. 77-91, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2015.

ASSIS, S. G. et al. Encarando os desafios da vida: uma conversa com adolescentes. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2015.

BARUDY, J.; DARTAGNAN, M. Los buenos tratos a la infância. Parentalidad, apego y resiliencia. 3. ed. Madrid: Gedisa, 2007.

BLUM, R. W. Risco e resiliência: sumário para desenvolvimento de um programa. Adolescência Latinoamericana, v. 1, p. 16-19, 1997.

BRONFENBRENNER, U. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996 [original de 1979].

BRONFENBRENNER, U. Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando os seres humanos mais humanos. Trad. de A. C. Barreto. Rev. téc. Sílvia H. Koller. Porto Alegre: Artmed, 2011.

BRONFENBRENNER, U. Environments in developmental perspective: Theoretical and operational models. In: Friedmann , Y. L.; WACHS, T. D. (Orgs.). Captation and assessment of environments across the life. Washington: American Psychological Association, 1999.

BRONFENBRENNER, U.; MORRIS, P. The ecology of developmental processes. In: DANON, W. (Ed.). Handbook of child psychology. New York: John Wiley & Sons, 1998. p. 993-1027.

BROWN, L. M.; LAMB, S.; TAPPAN, M. Packaging boyhood: saving our sons from superheroes, slackers, and other media stereotypes. New York: St. Martin’s Press, 2009.

BURKE, J. M. Hypnosis and superheroes. In: RUBIN, L. C. (Ed.). Using superheroes in counseling and play therapy. New York: Springer, 2007, p. 271-92.

CANDORELLI, A. O florescer do lótus na lama: sobre educação e resiliência. In: CABRAL, S.; CYRULNIK, B. (Orgs.). Resiliência: como tirar leite de pedra. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015.

CECCONELLO, A. M.; KOLLER, S. H. Resiliência: perspectivas conceituais da dimensão. In: CABRAL, S.; CYRULNIK, B. (Orgs.). Resiliência: como tirar leite de pedra. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015. Cap. 11, p. 209-226. CYRULNIK, B. Autobiografia de um espantalho. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

CYRULNIK, B. Resiliência: continuar a nascer. In: CABRAL, S.; CYRULNIK, B. (Orgs.). Resiliência: como tirar leite de pedra. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015. Cap. 2, p. 33-56.

DE-SOUZA, D.; RADELL, J. Superheroes: An opportunity for prosocial play. Young Children, v. 66, p. 26-31, 2011.

FANTE, C. Fenômeno bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz, 7. ed. Campinas: Verus, 2012.

FEIGE, K. (Prod.); JOHNSTON, J. (Dir.). Captain America: the first avenger [Motion picture]. United States: Paramount Pictures, 2011

FRADKIN, C. Janina Scarlet: superhero therapy – a hero’s journey through acceptance and commitment Therapy. Journal of Youth and Adolescence, v. 47, 2017.

FRADKIN, C.; WESCHENFELDER, G. V.; YUNES, M. A. M. Shared adversities of children and comic superheroes as resources for promoting resilience. Child Abuse & Neglect, v. 51, p. 407-415, 2016.

FRADKIN, C.; WESCHENFELDER, G. V.; YUNES, M. A. M. The pre-cloak superhero: a tool for superhero play and intervention. Pastoral Care in Education, 2017.

FRANCISCO, M. V.; LIBÓRIO, R. M. C. Um estudo sobre bullying entre escolares do Ensino Fundamental. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 200-207, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2014.

GARBARINO, J.; ABRAMOWITZ, R. H. Sociocultural risk and opportunity. In: GARBARINO, J. (Ed.). Children and families in the social environment, 2. ed. New York: Aldine de Gruyter, 1992. p. 35-70.

GARCIA, N. M. Educação nas famílias de pescadores artesanais: transmissão geracional e processos de resiliência. Dissertação não publicada (Mestrado em Educação Ambiental) – Fundação Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2007.

HARRIS, K. I. Heroes of resiliency and reciprocity: teachers’ supporting role for reconceptualizing superhero play in early childhood settings. Pastoral Care in Education, v. 1-16, 2016.

HART, A. et al. Uniting resilience research and practice with an inequalities approach. Sage On, p. 1-13, 2016.

HOFFMAN, E. Magic capes, amazing powers: transforming superhero play in the classroom. St. Paul, MN: Redleaf Press, 2004.

HOLLAND, P. We don't play with guns here. New York: McGraw-Hill Education, 2003.

IRWIN, W. (Org.). Super-heróis e a filosofia. São Paulo: Madras, 2005.

JULIANO, M. C. C. Rede família: uma tecnologia social promotora de resiliência familiar e comunitária. Rio Grande: Pluscom, 2014.

KREIDER, R.; FIELDS, J. Living arrangements of children: 2001. Current population reports, 70-104, U.S. Census Bureau, 2005.

LIBÓRIO, R. M. C.; UNGAR, M. Resiliência oculta: a construção social do conceito e suas implicações para práticas profissionais junto a adolescentes em situação de risco. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 23, n. 3, 2010. Disponível em: .

LIMA, E. D.; BERSH, A. A.; YUNES, M. A. M. Children’s perceptions of the relational and educational practices at shelter institutions. In: DELL’AGLIO, D. D.; KOLLER, S. H. (Org.). Vulnerable children and youth in Brazil innovative approaches from the psychology of social development. Springer Nature, v. 1, p. 191-210, 2017.

MARAZI, K. Superhero or vigilante? A matter of perspective and brand management. European Journal of American Culture, v. 34, p. 67-82, 2015.

MASTEN, Ann S. Ordinary magic: resilience processes in development. New York, London: The Guilford Press, 2014.

MIRANDA, A. T; YUNES, M. A. M. O ato da denúncia de abuso sexual contra crianças e adolescentes no ambiente escolar. In: LEAL, M. L. P.; LEAL, M. F. P.; LIBÓRIO, R. C. (Ed.). Tráfico de pessoas e violência sexual. Brasília: Violes/Ser/UnB, 2007, p. 167-190.

NELSON, C. What would Superman do? In: RUBIN, L. C. (Ed.). Using superheroes in counseling and play therapy. New York: Springer, 2007. p. 49-67.

OLWEUS, D. Bullying at school. Oxford USA: Blackwell Publishing, 1996.

PESSOA, A. G. Trajetórias negligenciadas: processos de resiliência em adolescentes com histórico de envolvimento no tráfico de drogas. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdades de Ciência e Tecnologia, 2015.

POSECK, B. V. Psicología Positiva: una nueva forma de entender la psicología. Madrid: Calamar Ediciones, 2008.

POTTER-EFRON, R.; POTTER-EFRON, P. Letting go of anger: the 10 most common anger styles and what to do about them. Oakland, CA: New Harbinger, 1995.

ROEMMICH, M. (Prod./Dir.). Black Widow [Motion picture]. United States: MGM/UA Entertainment Company, 2010.

RUBIN, L. C. Superheroes and heroic journey: Re-claiming loss in adoption. Creative interventions in grief and loss therapy: In: DUFFEY, T. (Ed.). When the music stops, a dream dies. New York: Routledge, 2007. p. 237-252.

RUTTER, M. Psychosocial resilience and protective mechanisms. American Journal of Orthopsychiatry, v. 57, n. 3, p. 316-331, 1987.

SAYERS, J. M. The Incredible Hulk and emotional literacy. In: RUBIN, L. C. (Ed.). Using superheroes in counseling and play therapy. New York: Springer, 2007. p. 89-101.

SCANLON, P. Superheroes are super friends: Developing social skills and emotional reciprocity with autism spectrum clients. In: RUBIN, L. C. (Ed.). Using superheroes in counseling and play therapy. New York: Springer, 2007. p. 169-191.

SCARLET, J. Superhero therapy: a hero’s journey through acceptance and commitment therapy. London: Little, Brown Book Group, 2016.

SCHULTZ, N. C. W. et al. A compreensão sistêmica do bullying. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 17, n. 2, p. 247-254, abr./ jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2014.

SELIGMAN, M. E. P. et al. Positive Psychology progress: empirical validation of interventions. American Psychologist, v. 60, n. 5, p. 410-421, July/Aug. 2005.

SELIGMAN, M. E. P. Felicidade autêntica: usando a nova psicologia positiva para a realização permanente. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

SENNA, M. T. T. R. Pesquisa em Educação Infantil: o paradigma sistêmico de Urie Bronfenbrenner. Curitiba: CRV, 2011.

SILVEIRA, S. B. A. B; GARCIA, N. M.; PIETRO, A. T.; YUNES, M. A. M. Inserção ecológica: metodologia para pesquisar riscos e intervir com proteção. Psicologia da Educação, n. 29, p. 57-74, 2009.

SPENGLER, P. (Prod.); DONNER, R. (Dir.). Superman [Motion picture]. United States: Warner Bros, 1978. WALSH, F. Fortalecendo a resiliência familiar. São Paulo: Roca. 2005.

WESCHENFELDER, G. Aristóteles e os super-heróis: a ética inserida nas histórias em quadrinhos. São Paulo: Garcia Edizioni, 2014.

WESCHENFELDER, G. (Org.). EJA: desafios e conquistas – um panorama da educação de jovens e adultos em Novo Hamburgo. Porto Alegre: Pacartes, 2016.

YUNES, M. A. M. Dimensões conceituais da resiliência e suas interfaces com risco e proteção. In: MURTA, S. G.; FRANÇA, C. L.; BRITO, K.; POLEJACK, L. (Orgs.). Prevenção e promoção em saúde mental: fundamentos, planejamento e estratégias de intervenção. Novo Hamburgo: Synopisis, 2015. p. 93-112.

YUNES, M. A. M. et al. Um educador para proteger do risco e tricotar a resiliência: o profissional da educação como agente de proteção e de promoção de reslisiência. In: CABRAL, S.; CYRULNIK, B. Resiliência: como tirar leite de pedra. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015.

YUNES, M. A. M.; GARCIA, N. M.; ALBUQUERQUE, B. M. Monoparentalidade, pobreza e resiliência: entre as crenças dos profissionais e as possibilidades de convivência familiar, Psicologia, Reflexão e Crítica, v. 20, n. 3, p. 351-360, 2007.

YUNES, M. A. M.; SZYMANSKI, H. Crenças, sentimentos e percepções acerca da noção de resiliência em profissionais da saúde e da educação que atuam com famílias pobres. Psicologia da Educação, n. 17, p. 119-137, 2003.

YUNES, M. A. M.; SZYMANSKI, H. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES, J. (Org.). Resiliência e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001, p. 13-42.

ZISKIN, L.; BRYCE, I. (Prod.); RAIMI, S. (Dir.). Spider-Man [Motion picture]. United States: Columbia Pictures, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2018.1.29766

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS