Adolescência em diferentes contextos de desenvolvimento: risco e proteção em uma perspectiva longitudinal

  • Jana Gonçalves Zappe Faculdade Integrada de Santa Maria
  • Débora Dalbosco Dell'Aglio Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Adolescência, comportamento de risco, institucionalização, fatores de risco, fatores de proteção.

Resumo

Este estudo investigou longitudinalmente comportamentos de risco e fatores associados em adolescentes que vivem em diferentes contextos. Participaram do estudo 503 adolescentes entre 11 e 19 anos (M=14,91; DP=1,52), de ambos os sexos, que viviam com a família, em acolhimento institucional ou em internação socioeducativa. Foi utilizado o Questionário da Juventude Brasileira, administrado em dois momentos com um intervalo de 10 a 12 meses. Os adolescentes que viviam com suas famílias apresentaram os indicadores mais favoráveis nos dois momentos, os que cumpriam medida socioeducativa apresentaram os indicadores menos favoráveis e os que estavam em acolhimento institucional apresentaram uma evolução positiva ao longo do tempo. Em conclusão, enfatiza-se a importância da convivência familiar para o desenvolvimento positivo na adolescência, e a necessidade de oferecer uma intervenção qualificada em situações de institucionalização, visando à superação das vulnerabilidades presentes nestes contextos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jana Gonçalves Zappe, Faculdade Integrada de Santa Maria
Psicóloga. Mestre (UFSM) e Doutora (UFRGS) em Psicologia.
Débora Dalbosco Dell'Aglio, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Psicóloga. Mestre e Doutora em Psicologia (UFRGS). Professora do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Alves, C. F., Zappe, J. G., & Dell’Aglio, D. D. (2015). Índice de Comportamentos de Risco (ICR): Construção e análise das propriedades psicométricas. Estudos de Psicologia (PUCCAMP), 32(3), 371-382. http://dx.doi.org/10.1590/0103-166X2015000300003

Arpini, D. M. (2003). Repensando a perspectiva institucional e a intervenção em abrigos para crianças e adolescentes. Psicologia: Ciência e Profissão, 23(1), 70-75. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932003000100010

Assis, S. G. & Farias, L. O. P. (2013). Levantamento nacional das crianças e adolescentes em serviço de acolhimento. São Paulo: Hucitec Editora.

Beal, S. J. & Crockett, L. J. (2010). Adolescents’occupational and educational aspirations and expectations: links to high school activities and adult educational attainment. Developmental Psychology, 46(1), 258-265. http://dx.doi.org/10.1037/a0017416

Brasil. (1990, 16 de julho). Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário Oficial da União, p. 13.563.

Brasil. (2009, 3 de agosto). Lei nº 12.010, de 3 de agosto de 2009. Diário Oficial da União, p. 1.

Brasil. Ministério da Saúde. (2011). Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde. Retrieved in November 1, 2014, from http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/cartilha_dcnt_pequena_portugues_espanhol.pdf

Chapman, R. L., Buckley, L., Sheehan, M. C., Shochet, I. M., & Romaniuk, M. (2011).The impact of school connectedness on violent behavior, transport risk-taking behavior, and associated injuries in adolescence. Journal of School Psychology, 49(4), 399-410. http://dx.doi.org/10.1016/j.jsp.2011.04.004

Dell’Aglio, D. D., Koller, S. H., Cerqueira-Santos, E., & Colaço, V. (2011). Revisando o Questionário da Juventude Brasileira: uma nova proposta. In D. D. Dell’Aglio & S. H. Koller (Eds.). Adolescência e Juventude: Vulnerabilidade e Contextos de Proteção (pp. 259-270). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dell’Aglio, D. D., Santos, S. S., & Borges, J. L (2004). Infração juvenil feminina: uma trajetória de abandonos. Interação em Psicologia, 8(2), 191-198.

Dessen, M. A. (2010). Estudando a família em desenvolvimento: desafios conceituais e teóricos. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(n. esp.), 202-219. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932010000500010

Dworkin, J. (2005). Risk taking as developmentally appropriate experimentation for college students. Journal of Adolescent Research, 20(2), 219-241. http://dx.doi.org/10.1177/0743558404273073

Feijó, R. B. & Oliveira, É. A. (2001). Comportamento de risco na adolescência. Jornal de Pediatria, 77(Supl. 2), S125-S134. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.300

Guedes, D. P. & Lopes, C. C. (2010). Validação da versão brasileira do Youth Risk Behavior Survey 2007. Revista de Saúde Pública, 44(5), 840-850. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102010000500009

Hutz, C. S. & Zanon, C. (2011). Revisão da adaptação, validação e normatização da escala de autoestima de Rosenberg.

Avaliação Psicológica, 10(1), 41-49. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2013). Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012. Rio de Janeiro: IBGE.

Kernis, M. H. (2005). Measuring self-esteem in context: The importance of stability of selfesteem in psychological functioning. Journal of Personality, 73(6), 1569-1605. http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-6494.2005.00359.x

Liebesny, B. & Ozella, S. (2002). Projeto de vida na promoção de saúde. In M. L. J. Contini, S. H. Koller,& M. N. S. Barros (Eds.). Adolescência e psicologia: Concepções, práticas e reflexões críticas (pp. 62-67). Brasília: Conselho Federal de Psicologia.

Monshouwer, K., Harakeh, Z., Lugtig, P., Huizink, A., Creemers, H. E., Reijneveld, S. A., De Winter, A. F., Van Oort, F., Ormel, J., & Vollebergh, W. A. (2012). Predicting transitions in low and high levels of risk behavior from early to middle adolescence: The TRAILS study. Journal of Abnormal Child Psychology, 40(6), 923-931. http://dx.doi.org/10.1007/s10802-012-9624-9

Morais, N. A. de. (2009). Trajetórias de vida de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social: entre o risco e a proteção. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS.

Mu-oz-Echeverri, I. F., Nore-a-Herrera, C., Londo-o, B. E., & Rojas-Arbeláez, C. A. (2011). Morbilidad atendida y conductas de riesgo de la ni-ez y adolescencia en situación de calle de Medellín, 2008. Revista de Salud Pública, 13(2), 207-218. http://dx.doi.org/10.1590/S0124-00642011000200003

Neiva-Silva, L. (2008). Uso de drogas entre crianças e adolescentes em situação de rua: um estudo longitudinal. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS.

Oliveira, M. B. & Assis, S. G. (1999). Os adolescentes infratores do Rio de Janeiro e as instituições que os “ressocializam”. A perpetuação do descaso. Cadernos de Saúde Pública, 15(4), 831-844. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000400017

Organização das Nações Unidas (1989). Convenção dos Direitos da Criança (adotada em 20 de novembro de 1989).

Assembléia Nacional das Nações Unidas. Retrieved in January 14, 2014, from http://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10120.htm

Poletto, M. (2011). Bem-estar subjetivo: um estudo longitudinal com crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS.

Pratta, E. M. M. & Santos, M. A. dos. (2007). Família e adolescência: a influência do contexto familiar no desenvolvimento psicológico de seus membros. Psicologia em Estudo, 12(2), 247-256. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722007000200005

Rafaelli, M., Koller, S. H., & Cerqueira-Santos, E. (2012). Protective factors moderate between risk exposure and problem behaviour among low income Brazilian adolescents. British Journal of Educational Psychology, 9, 74-92.

Sbicigo, J. B., Bandeira, D. R., & Dell’Aglio, D. D. (2010). Escala de Auto-estima de Rosenberg (EAR): Validade fatorial e consistência interna. Psico-USF, 15(3), 395-403. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712010000300012

Schoen-Ferreira, T. H., Aznar-Farias, M., & Silvares, E. F. de M. (2010). Adolescência através dos séculos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(2), 227-234. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000200004

Sena, C. A. & Colares, V. (2008). Comportamentos de risco para a saúde entre adolescentes em conflito com a lei. Cadernos de Saúde Pública, 24(10), 2314-2322. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001000012

Senna, S. R. & Dessen, M. A. (2012). Contribuições das teorias do desenvolvimento humano para a concepção contemporânea da adolescência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(1), 101-108. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-

Sifuentes, T. R., Dessen, M. A., & Oliveira, M. C. S. L. (2007). Desenvolvimento humano: desafios para a compreensão das trajetórias probabilísticas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23, 379-385. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722007000400003

Siqueira, A. C. & Dell’Aglio, D. D. (2006). O impacto da institucionalização na infância e na adolescência: Uma revisão de literatura. Psicologia & Sociedade, 18(1), 71-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822006000100010

Siqueira, A. C. & Dell’Aglio, D. D. (2007). Retornando para a família de origem: Fatores de risco e proteção no processo de reinserção de uma adolescente institucionalizada. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17(3), 134-146.

Sobrosa, G. M. R., Santos, A. S. dos, Oliveira, C. T. de, & Dias, A. C. G. (2014). Perspectivas de futuro profissional para jovens provenientes de classes socioeconômicas desfavorecidas. Temas em Psicologia, 22(1), 223-234. http://dx.doi.org/10.9788/TP2014.1-17

Wang, R. H., Hsu, H. Y., Lin, S. Y., Cheng, C. P., & Lee, S. L. (2010). Risk behaviours among early adolescents: risk and protective factors. Journal of Advanced Nursing, 66(2), 313-323. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2648.2009.05159.x

World Health Organization. (2010). Adolescent job aid: a handy desk reference tool for primary level health workers. Retrieved in November 1, 2014, from http://whqlibdoc.who.int/publications/2010/9789241599962_eng.pdf

Zappe, J. G. (2014). Comportamento de risco na adolescência: aspectos pessoais e contextuais. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS.

Publicado
2016-05-12
Como Citar
Zappe, J. G., & Dell’Aglio, D. D. (2016). Adolescência em diferentes contextos de desenvolvimento: risco e proteção em uma perspectiva longitudinal. Psico, 47(2), 99-110. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2016.2.21494
Seção
Artigos