Pais de Primeira Viagem: A Experiência da Paternidade na Meia-Idade

  • Mayara Colleti Universidade Federal do Triângulo Mineiro
  • Fabio Scorsolini-Comin Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Palavras-chave: Paternidade, Parentalidade, Meia-Idade, Masculinidade, Desenvolvimento.

Resumo

O objetivo deste estudo foi compreender os processos desenvolvimentais de homens que se tornaram pais pela primeira vez após os 40 anos. Foram entrevistados quatro pais, com idades entre 44 e 58 anos, a partir da técnica da história de vida e de um roteiro semiestruturado. A análise de conteúdo revelou que a assunção da paternidade está intimamente relacionada à percepção do próprio genitor. Destacaram-se nos discursos aspectos positivos e negativos da paternidade nessa fase e também a importância de conciliar as funções parentais com a conjugalidade e as relações familiares e sociais. A paternidade na meia idade é um fenômeno que nos obriga a analisar diferentes facetas do desenvolvimento, tanto físicas como culturais, reconhecendo a necessidade de novas investigações com essa população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayara Colleti, Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Fabio Scorsolini-Comin, Universidade Federal do Triângulo Mineiro
Doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo e Professor Adjunto do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Referências

Alarcão, A. C. J., Carvalho, M. D. de B., & Pelloso, F. M. (2008). A morte de um filho jovem em circunstância violenta: compreendendo a vivência da mãe. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 16(3), 341-347.

Bittencourt, A. L. P., Quintana, A. M., & Velho, M. T. A. C. (2011). A perda do filho: Luto e doação de órgãos. Estudos de Psicologia, 28(4), 435-442. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2011000400004

Balancho, L. S. F. (2004). Ser pai: Transformações intergeracionais na paternidade. Análise Psicológica, 22(2), 377-386.

Benghozi, P. (2010). Malhagem, filiação e afiliação – Psicanálise dos vínculos: Casal, família, grupo, instituição e campo social. (E. D. Galery, Trad.). São Paulo: Vetor.

Cecílio, M. S., & Scorsolini-Comin, F. (2013). Relações entre conjugalidade e parentalidades adotiva e biológica. Psico (Porto Alegre), 44(2), 245-256.

Costa, N. R. A., & Rossetti-Ferreira, M. C. (2009a). Acolhimento familiar: Uma alternativa de proteção para crianças e adolescentes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(1), 111-118. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722009000100015

Costa, N. R. A., & Rossetti-Ferreira, M. C. (2009b). Become mother and father in late adoption: A case study. Child and Family Social Work, 14, 58-67. http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-2206.2008.00581.x

Cúnico, S. D., & Arpini, D. M. (2013). A família em mudanças: Desafios para a paternidade contemporânea. Pensando Família, 17(1), 28-40.

Erikson, E. H. (1976). Identidade: juventude e crise. Rio de Janeiro: Zahar.

Ferreira, M. E. M. (2008). A meia-idade e a alta modernidade. Construção Psicopedagógica, 16(13), 77-91

Freitas, W. M. F, Coelho, E. A. C., & Silva, A. T. M. C. (2007). Sentir-se pai: A vivência masculina sob o olhar de gênero. Caderno de Saúde Pública, 23(1), 137-45. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000100015

Freitas, W. M. F., Silva, A. T. M. C., Coelho, E. A. C., Guedes, R. N., Lucena, K. D. T., & Costa, A. P. T. (2009). Paternidade: Homem no papel social de provedor. Revista de Saúde Pública, 43(1), 85-90. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000100011

Gabriel, M. R., & Dias, A. C. (2011). Percepções sobre a paternidade: descrevendo a si mesmo e o próprio pai como pai. Estudos de Psicologia, 16(3), 253-261. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2011000300007

Gomes, A. J. S., & Resende, V. R. (2004). O pai presente: O desvelar da paternidade em uma família contemporânea. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(20), 119-125. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-37722004000200004

Gonçalves, T. R., Guimarães, L. E., Silva, M. R., Lopes, R. C. S., & Piccinini, C. A. (2013). Experiência da paternidade aos três meses do bebê. Psicologia: Reflexão e Crítica, 26(3), 599-608. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-79722013000300020

Hennigen, I. (2010). Especialistas advertem: O pai é importante para o desenvolvimento infantil. Fractal: Revista de Psicologia, 22(1), 169-184.

http://dx.doi.org/10.1590/s1984-02922010000100013

Jager, M. E., & Bottoli, C. (2011). Paternidade: vivência do primeiro filho e mudanças familiares. Psicologia: Teoria e Prática, 13(1), 141-153.

Kovács, M. J. (2010). Morte e desenvolvimento humano (5a ed.). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lamb, M. E. (2000). Fathering. In Encyclopedia of Psychology (Vol. 3, pp. 338-341). Oxford: American Psychological Association. http://dx.doi.org/10.1037/10518-144

Levandowski, D. C. (2001). Paternidade na adolescência: Uma breve revisão da literatura internacional. Estudos de Psicologia, 6(2), 195-209. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-294x2001000200007

Levandowski, D. C., & Piccinini, C. A. (2002). A interação pai-bebê entre pais adolescentes e adultos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(2), 413 424. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-79722002000200018

Levandowski, D. C., & Piccinini, C. A. (2006). Expectativas e sentimentos em relação à paternidade entre adolescentes e adultos. Psicologia:= Teoria e Pesquisa, 22(1), 17-28. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-37722006000100003

Leão, M. A. B. G., & Gíglio, J. S. (2002). Psicodinâmica da mulher trabalhadora de meia-idade em fase de pré-aposentadoria. Psico-USF, 7(2), 185-194.

Meihy, J. C. S. B., & Holanda, F. (2010). História oral: Como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto

Orlandi, R., & Toneli, M. J. F. (2005). Sobre o processo de constituição do sujeito face à paternidade na adolescência. Psicologia em Revista, 11(18), 257-267.

Ribeiro, M. T. M. L. S. R. (2005). Casais de meia-idade: Estudos com casais portugueses numa perspectiva sistêmica. Psicologia, 19(1-2), 57 85.

Rossetti-Ferreira, M. C., & Costa, N. R. A. (2012). Construcción de vínculos afectivos en contextos adversos de desarrollo: Importancia y polemicas. Scripta Nova (Barcelona), 26(325), 98-13.

Sampaio, K. J. A. J., Villela, W. V., & Oliveira, E. M. (2014) Significados atribuídos a paternidade por adolescentes. Acta Paulista de Enfermagem, 27(1), 1-5. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201400002

Shwalb, D. W., & Shwalb, B. J. (2014). Fatherhood in Brazil, Bangladesh, Russia, Japan, and Australia. Online Readings in Psychology and Culture, 6(3). Recuperado de http://dx.doi.org/10.9707/2307-0919.1125

Silva, S. G. (2006). A crise da masculinidade: Uma crítica à identidade de gênero e à literatura masculinista. Psicologia: Ciência e Profissão, 26(1), 118-131. http://dx.doi.org/10.1590/s1414-98932006000100011

Staudt, A. C. P., & Wagner, A. (2008). Paternidade em tempos de mudança. Psicologia: Teoria e Prática, 10(1), 174-185.

Trindade, E., & Bruns, M. A. T. (2004). Ser homem na meia-idade: Vivências e perspectivas. In D. S. P. Castro, J. D. Piccino, R. S. Josgrilberg, & T. A. Goto (Orgs.), Corpo e existência (pp. 225-232). São Bernardo do Campo, SP: Editora da Universidade Metodista de São Paulo.

Trindade, E., & Bruns, M. A. T. (2007). Meia-idade masculina: Significados do envelhecimento. In M. A. T. Bruns, & M. C. S. Del-Masso (Orgs.), Envelhecimento humano: Diferentes perspectivas (pp. 35-52). Campinas, SP: Átomo e Alínea.

Trindade, Z. A., & Menandro, M. C. S. (2002). Pais adolescentes: Vivência e significação. Estudos de Psicologia, 7(1),15-23. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-294x2002000100003

Vieira, E. N., & Souza, L. (2010). Guarda paterna e representações sociais de paternidade e maternidade. Análise Psicológica, 28(4), 581-596.

Publicado
2015-08-25
Como Citar
Colleti, M., & Scorsolini-Comin, F. (2015). Pais de Primeira Viagem: A Experiência da Paternidade na Meia-Idade. Psico, 46(3), 374-385. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2015.3.19335
Seção
Artigos