O governo Lula em revista: o jornalismo como fenômeno de descobrimento (a cobertura de Veja)

  • Juremir Machado da Silva Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Comunicação, imaginário, noticiário

Resumo

Este artigo analisa, sob forma idealtípica, a divulgação de mortes pela mídia, estabelecendo uma distinção operatória entre fatos relatados em noticiários e outros, que pertencem ao registro do acontecimento. Observa-se a recorrência de certos cenários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juremir Machado da Silva, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Professor da Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Referências

BAUDRILLARD, Jean. Tela total — mito-ironias da era do virtual e da imagem. Porto Alegre: Sulina, 1997.

BERGER, Peter et LUCKMANN, Thomas. La Construction Sociale de la Réalité. Paris: Meridiens, 1992.

BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

DEBORD, Guy.A sociedade do espetáculo.São Paulo: Toopboks, 1997.

DURAND,Gilbert. Les Structures Antropologiques de l’Imaginaire. Paris: Dunod, 1992.

FOUCAULT, Michel. Foucault, M. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1977.

MAFFESOLI, Michel. Por uma política de transfiguração. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 6, n. 10, p. 22, 1999.

MORIN, Edgar. O Método 4. As idéias. Porto Alegre: Sulina, 1999.

SILVA, Juremir Machado. As tecnologias do imaginário. Porto Alegre: Sulina, 2003.

Publicado
2008-04-13
Como Citar
da Silva, J. M. (2008). O governo Lula em revista: o jornalismo como fenômeno de descobrimento (a cobertura de Veja). Revista FAMECOS, 13(29), 29-33. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2006.29.3350
Seção
Imaginário