Roland Barthes: semiologia, mídia e fait divers

  • Roberto Ramos Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Discurso, Roland Barthes, semiologia

Resumo

A Semiologia, segundo Roland Barthes, é povoada por traços particulares. Não se empareda no escaninho lingüístico. Reivindica outros contornos. Persegue o translingüístico. Nessa paisagem, o papel da Mídia doa-se como objeto de suas pesquisas semiológicas. No diagrama de suas limitações, o presente ensaio se agenciará nas relações entre a Semiologia barthesiana e a Mídia. Refletirá sobre algumas categorias básicas, que as simbiotizam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Ramos, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Professor da Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Referências

ADORNO, Theodor e HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento - Fragmentos Filosóficos. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1987.

ANGRIMANI, David. Espreme que sai Sangue. São Paulo: Summus, 1994.

BARTHES, Roland. Mitologias. 9 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993.

______. Aula. São Paulo: Cultrix, s. d.

______. Escritores, Intelectuais, Professores e outros Ensaios. Lisboa: Presença, s.d.

______. O Rumor da Língua. Lisboa: Edições 70, s. d.

______. Fragmentos de um Discurso Amoroso. 13 ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1984.

______. Ensaios Críticos. Lisboa: Edições 70, 1971.

FREUD, Sigmund. A Interpretação dos Sonhos. RJ: Imago, 1987.

LACAN, Jacques apud HARARI, Roberto. Uma Introdução aos Quatro Conceitos Fundamentais de Lacan. Campinas: Papirus, 1990.

______. Seminário: As Psicoses. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

WALKER, David. Outrage and Insight: Modern French Writters and the Fait Divers. Oxford/Washington: Berg Publishers, 1995.

Publicado
2008-04-10
Como Citar
Ramos, R. (2008). Roland Barthes: semiologia, mídia e fait divers. Revista FAMECOS, 8(14), 119-127. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2001.14.3108
Seção
Linguagem