Pulp Fiction e a não-linearidade narrativa

  • Roberto Tietzmann Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Comunicação, cinema, Pulp Fiction

Resumo

Ao vencer a Palma de Ouro no festival de Cannes em 1994 e o Oscar de melhor roteiro original, “Pulp Fiction: Tempo de Violência” foi elevado à categoria de cult movie instantâneo. Os personagens, mesmo sendo gângsteres, traficantes e assassinos profissionais, conquistaram a simpatia do púbico. Assistir a Pulp Fiction deixa uma sensação estranha no espectador. Parece que navegamos por um hipertexto, observando diferentes histórias, todas interligadas de maneiras nem sempre óbvias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Tietzmann, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Graduando em Publicidade e Propaganda na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Referências

CAMPBELL, Joseph. O Poder do Mito. São Paulo: Associação Palas Athena, 1993.

EBERT, Roger. CINEMANIA 97 CD-ROM. Microsoft Corporation. Redmond, 1996.

FIELD, Syd. Manual do Roteiro. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 1995.

TARANTINO, Quentin. Pulp Fiction Screenplay. New York: Miramax Hyperion Books, 1994.

VARCHOL, Douglas.Multimedia Scriptwriting Workshop. San Francisco: Sybex, 1996.

Publicado
2008-04-09
Como Citar
Tietzmann, R. (2008). Pulp Fiction e a não-linearidade narrativa. Revista FAMECOS, 4(7), 124-133. https://doi.org/10.15448/1980-3729.1997.7.2992
Seção
Artigos