As mulheres em Godard: contrapontos à teoria feminista do cinema em Une Femme est une Femme (1961)

  • Rodrigo Cássio Oliveira Universidade Estadual de Goiás (UEG)
Palavras-chave: Análise fílmica, Cinema moderno francês, Feminismo

Resumo

A proposta deste artigo é revisitar a teoria do prazer visual de Laura Mulvey por meio de uma análise do filme Une femme est une femme (1961), de Jean-Luc Godard. O lançamento do filme ocorreu quase quinze anos antes de Mulvey publicar suas ideias, mas ele nos oferece um contraponto a algumas das principais teses da autora. A autoconsciência da narrativa, o estilo antiilusionista de Godard e uma protagonista feminina que controla a ação são elementos que desviam da teoria do olhar masculino no cinema. Desse modo, o filme traz à tona questões que a teoria feminista do cinema viria a discutir décadas depois do artigo de Mulvey, como no exemplo dos estudos de Ann Kaplan sobre as personagens femininas do cinema narrativo dos anos 1980. Para discutir essas questões, o artigo interpreta o filme de acordo com o referencial psicanalítico de Mulvey e Kaplan.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Cássio Oliveira, Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Professor e pesquisador da Universidade Estadual de Goiás (UEG). Doutor em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2010-2014), defendeu tese na linha de pesquisa em Estética e Filosofia da Arte sobre os conceitos de barroco e neobarroco na contemporaneidade. Mestre em Comunicação Social (UFG, 2008-2010), estudou o cinema brasileiro dos anos 1990-2000 na linha de pesquisa em Mídia e Cultura. Possui bacharelado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal de Goiás (2003-2007) e licenciatura em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2005-2008). Desde 2012 é membro efetivo do corpo docente de Cinema e Audiovisual da UEG, curso que passou a coordenar em fevereiro de 2015. Já atuou como professor substituto na Universidade Federal de Goiás (2011-2012). É autor de publicações acadêmicas em revistas, livros e outras coletâneas, com destaque para o livro individual "Filmes do Brasil Secreto" (Editora da UFG, 2014).

Referências

BORDWELL, David. Classical Hollywood Cinema: Narrational Principles and Procedures. In: ROSEN, Philip. A Film Theory Reader: Narrative, Apparatus, Ideology. New York: Columbia University Press, 1986.

______. Narration in the Fiction Film. Wisconsin: The University of Wisconsin Press, 1985.

DELAHAYE, Michel. Jean-Luc Godard ou a infância da arte. In: BARBOSA, H. Jean-Luc Godard. Rio de Janeiro: Record, 1968.

KAPLAN, E. Ann. A mulher e o cinema: os dois lados da câmera. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

MALUF, S.W.; MELLO, C.A.; PEDRO, V. Políticas do olhar: feminismo e cinema em Laura Mulvey. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 2, p. 343-50, ago. 2005.

MULVEY, Laura. Reflexões sobre ‘Prazer Visual e Cinema Narrativo’ inspiradas por Duelo ao Sol, de King Vidor (1946). RAMOS, Fernão (Org.). Teoria Contemporânea do Cinema. São Paulo: Senac, v. 1, p. 381-392, 2005.

________. Prazer Visual e Cinema Narrativo. In: XAVIER, Ismail. A Experiência do Cinema. Rio de Janeiro: Edições Graal, p. 437-53, 2003.

SGANZERLA, Rogério. Por um Cinema sem Limite. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2001.

STAM, Robert. O Espetáculo Interrompido: literatura e cinema de desmistificação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

XAVIER, Ismail. O Olhar e a Cena: melodrama, Hollywood, Cinema Novo, Nelson Rodrigues. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

Publicado
2016-07-07
Como Citar
Oliveira, R. C. (2016). As mulheres em Godard: contrapontos à teoria feminista do cinema em Une Femme est une Femme (1961). Revista FAMECOS, 23(3), ID22912. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.3.22912
Seção
Cinema