65 anos de televisão: o conhecimento do telejornalismo e a função pedagógica

  • Alfredo Pereira Vizeu Universidade Federal de Pernambuco
  • Laerte José Cerqueira da Silva Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Telejornalismo, Conhecimento, Função Pedagógica

Resumo

Neste artigo, discorremos sobre a função pedagógica do Jornalismo e os processos didáticos presentes nos telejornais. Entendemos esses processos como estratégias para produção de um conhecimento de fácil compreensão e referência para a vida em comunidade. Para isso, fizemos uma análise enunciativa de reportagens de economia e política, exibidas no Jornal Nacional, da Rede Globo, entre os dias 23 de dezembro de 2014 e 13 de janeiro de 2015. Percebemos que entre os recursos dessa (re)produção está o diálogo permanente entre elementos textuais, imagéticos, gráficos e sonoros, sustentados pelo rigor do método de apuração. A análise identifica na prática telejornalística procedimentos teóricos importantes para contribuirmos com o fortalecimento dos estudos sobre o jornalismo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alfredo Pereira Vizeu, Universidade Federal de Pernambuco
Prof. Dr. do Programa de Pós-Graduação PPGCOM/UFPE. Coordenador do Grupo Pesquisa em Jornalismo e Contemporaneidade do Programa
Laerte José Cerqueira da Silva, Universidade Federal de Pernambuco
Doutorando em Comunicação no PPGCOM/UFPE. Pesquisador do Grupo Jornalismo e Contemporaneidade

Referências

ANTUNES, Ricardo. “Século XXI: nova era da precarização estrutural do trabalho?” In: ANTUNES, Ricardo ; BRAGA, Ruy. (org.) Infoproletários: degradação real do trabalho virtual. São Paulo: Boitempo, p. 231-238, 2009.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

BARRETO, Lima. Recordações do escrivão Isaías Caminha. São Paulo: Ática, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

_______. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1994a.

______. Rua de mão única: obras escolhidas volume II. São Paulo: Brasiliense, 1994b.

COUTINHO, Afrânio (org.). Machado de Assis: Obra Completa. Rio de Janeiro: Aguilar, 1959.

DUBY, Georges. História da Vida Privada 2: da Europa Feudal à Renascença. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

FIDALGO, Joaquim. Notas sobre ‘O lugar da Ética e da Auto Regulação na Identidade Profissional dos Jornalistas’. Revista Comunicação e Sociedade, Minho, v. 11, p. 37-56, 2007.

FONSECA, Juliane Figueiredo. A contribuição da ergonomia ambiental na composição cromática dos ambientes construídos de locais de trabalho de escritório. 2004. 292f. Dissertação (Mestrado em Design) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC, Rio de Janeiro, 2004.

FREUD, Sigmund. “O mal-estar na civilização (1930[1929])”. In: Edição standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, v. XXI, p. 110-11, 1974.

GLEDSON, John. Bons Dias! Crônicas (1888-1889) Machado de Assis. São Paulo: Hucitec, 1996.

JOÃO DO RIO. A alma encantadora das ruas. São Paulo: Companhia de Bolso, 2011.

KOTSCHO, Ricardo. A prática da reportagem. São Paulo: Ática, 1986.

MORIN, Edgar. Cultura de Massas no Século XX: o Espírito do Tempo – 2: necrose. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1977.

MOROZOV, Evgeny.A segunda morte do flâneur: o facebook está matando a ideia de flanar pela internet. O Estadão, 9 fev. 2012, São Paulo. Disponível em: http://www.estadao.com.br Acesso em: 12 nov. 2014.

NEEDELL, Jeffrey D. Belle époque tropical: sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SALAVERRÍA, Ramón; NEGREDO, Samuel. Periodismo integrado: convergência de medios y reorganización de redacciones. Barcelona: Editorial Sol90, 2008.

SALAVERRÍA, Ramón. Diezaños de logros y retos enla prensa digital. Revista Comunicação e Sociedade, Minho, v. 9, n. 10, p. 129-137, 2006.

SANTOS, Jeana. Narrativas sobre a cidade: entre o medo e o fascínio. Revista Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 11, n. 31, p. 83-98, maio/ago. 2014.

______. Experiências pioneiras de Machado de Assis sobre o jornal. 2002. 261f. Tese (Doutorado em Literatura) – Programa de Pós-Graduação em Literatura, UFSC, Florianópolis, 2002.

SEVCENKO, Nicolau (org.). História da vida privada no Brasil República: da Belle Époque à Era do Rádio. São Paulo: Companhiadas Letras, 1998.

TAVARES, Elaine. Por que os jornalistas estão adoecendo mais. Observatório de Imprensa, 24 de ago. 2010. Disponível em: http://www. observatoriodaimprensa.com.br Acesso em: 22 out. 2013.

TOZZI, Elisa. Escritório: história de produtividade, desconforto e poder. Revista Você S/A, 26 jun. 2014. Disponível em: http://exame.abril.com.br/revista-voce-sa Acesso em: 3 mar. 2015.

VIRILIO, Paul. O espaço crítico e as perspectivas do tempo real. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

Publicado
2016-07-07
Como Citar
Vizeu, A. P., & Cerqueira da Silva, L. J. (2016). 65 anos de televisão: o conhecimento do telejornalismo e a função pedagógica. Revista FAMECOS, 23(3), ID22638. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2016.3.22638
Seção
Jornalismo