Sobre a sustentabilidade como fantasia liberal-capitalista: do tampão verde à ecologia sem natureza

  • José Luiz Aidar Prado PUC-SP - Programa de Estudos Pós-graduados em Comunicação e Semiótica - Rua Ministro Godoi 969 quarto andar sala 4A8 Sao Paulo SP
  • Vinicius Prates da Fonseca Bueno Universidade Mackenzie
Palavras-chave: Sustentabilidade, Revistas de negócios, Comunicação

Resumo

O objetivo desta pesquisa é mapear os modos pelos quais os dispositivos midiáticos especializados em economia e negócios lidam com a tensão entre o discurso liberal-capitalista, que embasa seus contratos de comunicação, e a crise ambiental. A metodologia é a análise discursiva ancorada em Laclau e e Žižek. Para isso foram analisados 629 textos sobre meio ambiente publicados durante um ano nas revistas Exame, IstoÉ Dinheiro e Época Negócios. Foram mapeados os pontos nodais e examinadas as estratégias discursivas que costuram os discursos a partir deste pontos. A análise indicou que o discurso da sustentabilidade corporativa tornou-se a fantasia ideológica que ancora o capitalismo hegemônico; os enunciadores tamponam semioticamente o furo da crise ambiental, erigindo sobre ele os sentidos da sustentabilidade. Dessa forma os antagonismos ecologistas que poderiam ser ameaças ao contrato, não apenas são absorvidos, como passam a ser o ponto nodal  da ideologia neo-capitalista, com a promessa de que o crescimento econômico aponte a um futuro verde e limpo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Luiz Aidar Prado, PUC-SP - Programa de Estudos Pós-graduados em Comunicação e Semiótica - Rua Ministro Godoi 969 quarto andar sala 4A8 Sao Paulo SP
Professor doutor do Programa de Estudos Pós-graduados em Comunicação e Semiótica da PUC-SP; editor da revista Galaxia; autor de "Convocações biopolíticas dos dispositivos comunicacionais" e coordenador e organizador da hipermídia "Regime de visibilidade em revistas".
Vinicius Prates da Fonseca Bueno, Universidade Mackenzie
Doutor pela PUC-SP, jornalista e professor na Universidade Mackenzie e na Unip. Rua Ministro Godoi 969 quarto andar sala 4A8 Sao Paulo SP

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

ALIER, Juan Martínez. O Ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagens de valoração. São Paulo: Contexto, 2009.

BADIOU, Alain. O ser e o evento. RJ, Jorge Zahar/UFRJ: 1996.

CECHIN, Andrei. A natureza como limite da economia: a contribuição de Nicholas Georgescu-Roegen. São Paulo: Senac; Edusp, 2010.

DRYZEK, John. The Politics of the Earth: environmental discourses. Segunda edição. Nova Iorque: Oxford University Press, 2005.

FONTENELLE, Isleide. A resignificação da crise ambiental pela mídia de negócios: responsabilidade empresarial e redenção pelo consumo. Revista Galáxia, v.1 3, n. 26, SP, Educ, 2013.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da biopolítica. São Paulo, Martins Fontes: 2008.

GUILLAUME, Marc. Virus vert: entretiens avec Isabelle Bourboulon. Paris: Descartes & Cie, 2002.

HOWARTH, David; STAVRAKAKIS, Yannis. Introducing discourse theory and political analysis. In: HOWARTH, David; NORVAL, Alleta; STAVRAKAKIS, Yannis. Discourse Theory and Political Analysis: identities, hegemonies and social change. Nova Iorque: Manchester U.P., 2000.

LACLAU, Ernesto. Nuevas reflexiones sobre la revolución de nuestro tiempo. Buenos Aires: Nueva visión, 2000.

LACLAU, Ernesto; MOUFFE, Chantal. Hegemonía y estrategia socialista: hacia una radicalización de la democracia. Segunda edição. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2004.

LEFF, Enrique. Epistemologia ambiental: Quarta edição revista. São Paulo: Cortez, 2007.

MAFFESOLI, Michel. Saturação. São Paulo: Iluminuras, 2010.

MERLEAU-PONTY, Maurice. A natureza. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MOUFFE, Chantal. O regresso do político. Lisboa: Gradiva, 1999.

PORTO-GONÇALVES, Carlos W. Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2010.

PRADO, José L. A. et al. A invenção do Mesmo e do Outro na mídia semanal. DVD Hipermídia. São Paulo: PUC-SP, 2008.

______. Regime de visibilidade em revistas. DVD Hipermídia. São Paulo: PUC-SP, 2011.

PRATES, Vinicius. A natureza deslocada: construção dos sentidos da sustentabilidade nas revistas de economia e negócios Exame, Época Negócios e IstoÉ Dinheiro. 220f. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) – Programa de Estudos Pós-graduados em Comunicação e Semiótica, PUC-SP, São Paulo, 2013.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento. São Paulo: Editora 34, 1996.

Publicado
2015-07-02
Como Citar
Prado, J. L. A., & da Fonseca Bueno, V. P. (2015). Sobre a sustentabilidade como fantasia liberal-capitalista: do tampão verde à ecologia sem natureza. Revista FAMECOS, 22(3), 1-14. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2015.3.20552
Seção
Ciências da Comunicação