A organização da indústria fonográfica brasileira nas redes digitais: concentração sem centralização das empresas eletrônicas fonográficas

  • Leonardo De Marchi Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Economia da cultura, Mercado de conteúdos digitais, Indústria fonográfica

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar a organização da indústria fonográfica brasileira no mercado digital. Adotando uma abordagem político-cultural dos mercados, busca-se demonstrar que as relações de poder que formam o mercado de discos físicos se reproduzem nas redes digitais. A hipótese é que o poder de dispor dos catálogos controlados por gravadoras e artistas torna-se um vetor crítico para o desenvolvimento das empresas eletrônicas e que, a partir de seu controle, estabelece-se uma divisão do trabalho entre si. A partir da observação de páginas na internet relacionadas à música, a análise dos dados obtidos leva a concluir que a partilha desigual dos catálogos entre empresas eletrônicas acarreta uma concentração na distribuição dos fonogramas digitais sem que haja uma centralização da produção, criando uma concentração sem centralização do mercado fonográfico digital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo De Marchi, Universidade de São Paulo
Doutor em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Bolsista de Pós-Doutorado da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – USP.

Referências

BOURDIEU, Pierre. The social structures of the economy. Londres: Polity, 2005.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

DE MARCHI, Leonardo. Indústria Fonográfica e a Nova Produção Independente: o Futuro da Música Brasileira? Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 3, p. 167-182, 2006.

DE MARCHI, Leonardo. Transformações estruturais da indústria fonográfica no Brasil 1999-2009: Desestruturação do mercado de discos, novas mediações do comércio de fonogramas digitais e consequências para a diversidade cultural no mercado de música. 2011. 289 p. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura) – Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

DE MARCHI, Leonardo; ALBORNOZ, Luis A.; HERSCHMANN, Micael. Novos negócios fonográficos no Brasil e a intermediação do mercado digital de música. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 279-291, jan./abr. 2011.

FLIGSTEIN, Neil. The architecture of markets: an economic sociology of twenty-first century capitalist societies. Nova York: Princeton University Press, 2001.

HALL, Peter A.; TAYLOR, Rosemary C. R. Três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova, n. 58, p. 193-223, 2003.

HARRISON, Bennett. Lean and mean: why large corporations will continue to dominate the global economy. 2. ed. Nova York: The Guilford Press, 1997.

HERSCHMANN, Micael. Indústria da música em transição. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.

INTERNATIONAL FEDERATION OF THE PHONOGRAPHIC INDUSTRY. Record industry in numbers 2011. Londres: IFPI, 2011.

______. Digital music report 2012. Londres: IFPI, 2012.

LEONHARD, Gerd; KUSEK, David. The Future of Music. São Francisco: Berkley Press, 2009.

NEGUS, Keith. Music genres and corporate cultures. Londres: Routledge, 1999.

SCHUMPETER, Joseph A. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

______. Capitalism, socialism and democracy. Londres: Routledge, 2010.

VICENTE, Eduardo. A vez dos independentes(?): um olhar sobre a produção musical independente do país. E-Compós, Brasília, 2006.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília: Editora UnB, 1999.

YÚDICE, George. Nuevas tecnologías, música y experiencia. Barcelona: Gedisa, 2007.

Publicado
2014-06-02
Como Citar
De Marchi, L. (2014). A organização da indústria fonográfica brasileira nas redes digitais: concentração sem centralização das empresas eletrônicas fonográficas. Revista FAMECOS, 21(1), 80-99. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2014.1.14301
Seção
Cibercultura