A produção de sentidos no telejornalismo: a saúde pública e o mito em Roland Barthes

  • Florentina das Neves Souza Universidade Estadual de Londrina
  • Reinaldo César Zanardi Universidade Norte do Paraná
Palavras-chave: Jornal Nacional, Mito, Saúde pública.

Resumo

A imagem, como superfície que representa o mundo, fornece elementos para a constituição do mito a partir da fala selecionada em um contexto histórico-social-ideológico. O mito, como fala, está atrelado de tal forma à linguagem que precisa desta para a sua constituição. Roland Barthes defende que o mito é uma fala, e, este é o ponto de partida deste artigo que tem como objetivo discutir o mito e suas estruturas, usando como exemplos re-portagens sobre a saúde pública, veiculadas no Jornal Nacional (JN), em 2011. O corpus do trabalho considera 42 reportagens, com um total de 133 minutos e 49 segundos. O resultado mostra que o enfoque das reportagens é predominantemente negativo. Superlotação, longa fila de espera, demora e falta de atendimen-to, peregrinação, são falas selecionadas pelo JN que ajudam a construir o mito da ineficiência da saúde pública no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Florentina das Neves Souza, Universidade Estadual de Londrina
Doutora em Comunicação pela USP, docente do programa de mestrado em Comunicação - UEL
Reinaldo César Zanardi, Universidade Norte do Paraná
Mestre em Comunicação pela UEL, docente do curso de comunicação da Universidade Norte do Paraná

Referências

AZEVEDO, André Luiz. Rede pública oferece tratamentos a fumantes que queiram deixar o vício. Jornal Nacional, Rede Globo, Rio de Janeiro, 1 set. 2011.

BARTHES, Roland. Mitologias. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993.

CAMPBELL, Joseph. As transformações do mito através do tempo. São Paulo: Cultrix, 1990.

CASSIRER, Ernst. Linguagem e mito. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2003.

CASTILHO, Ataliba T. de. A língua falada no ensino de português. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

COELHO NETTO, Teixeira. Semiótica, informação e comunicação: diagrama da teoria do signo. São Paulo: Perspectiva, 2003.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 2010.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

GUARESCHI, Pedrinho. A realidade da comunicação – visão geral do fenômeno (13-22). In: GUARESCHI, Pedrinho. Comunicação & Controle Social. Petrópolis: Vozes, 1993.

PINHEIRO, Neyara. Crianças que precisam de cirurgia no PI enfrentam fila de espera. Jornal Nacional, Rede Globo, Rio de Janeiro, 22 jul. 2011.

PORCELLO, Flávio; GADRET, Débora Lapa. A TV no Brasil: influência política e o discurso de poder. In: VIZEU, Alfredo; PORCELLO, Flávio; COUTINHO, Iluska (Orgs.). 60 anos de Telejornalismo no Brasil: história, análise e crítica. Florianópolis: Insular, 2010. p. 215-231.

SUZANNE, Carla. Superlotação é registrada em maternidades de Aracaju (SE). Jornal Nacional, Rede Globo, Rio de Janeiro, 16 abr. 2011.

VIZEU, Alfredo; CORREIA, João Carlos. A construção do real no telejornalismo: do lugar de segurança ao lugar de referência. In: VIZEU, Alfredo (Org.). A sociedade do telejornalismo. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 11-28.

Publicado
2014-01-14
Como Citar
Souza, F. das N., & Zanardi, R. C. (2014). A produção de sentidos no telejornalismo: a saúde pública e o mito em Roland Barthes. Revista FAMECOS, 20(3), 730-755. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2013.3.14071
Seção
Jornalismo