Jogos cubanos: a ilha, hoje, em reportagens na primeira pessoa

  • Márcio Serelle PUCMinas
Palavras-chave: , Cuba, reportagem, testemunho

Resumo

Reportagens em primeira pessoa sobre o declínio da Revolução Cubana perfizeram, nos últimos anos, o movimento de troca da narrativa do grande périplo pelo pequeno relato ancorado em verdades pessoais. Este artigo examina duas dessas narrativas: a do norte-americano Patrick Symmes (2011), Cubano por trinta dias, e a do brasileiro Airton Ortiz (2010), Havana. Esses relatos têm sua força persuasiva na experiência intensamente subjetiva, em que o repórter submete o próprio corpo para testemunhar com autoridade a vivência dos cubanos. A partir da análise desses textos e com base em algumas considerações teóricas de Carlo Ginzburg (1989), no artigo “Ekphrasis e citação”, acerca da potencialidade literária na historiografia, problematizam-se o efeito de verdade no testemunho jornalístico, sua relação com a autopsia e a vivacidade, como efeito estilístico. Busca-se, ainda, refletir acerca dessa modalidade de jornalismo, considerando-se as especificidades de seu testemunho – quando comparado àquele das catástrofes – e seus tensionamentos éticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha (Homo Sacer III). Tradução Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2008.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. Tradução Mario Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

GINZBURG, Carlo. Ekphrasis e citação. In: GINZBURG, Carlo. A micro-história e outros ensaios. Tradução António de Arino. Lisboa: Difel; Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

GUERRA, Wendy. Nunca fui primeira dama. Tradução Josely Vianna Baptista. São Paulo: Saraiva, 2010.

______. Todos se vão. Tradução Josely Vianna Baptista. São Paulo: Saraiva, 2011.

LUHMANN, Niklas. A realidade dos meios de comunicação. Tradução Ciro Marcondes Filho. São Paulo: Paulus, 2005.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Tradução Ricardo Corrêa Barbosa. Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

MORAIS, Fernando. A ilha: um repórter brasileiro no país de Fidel Castro. 30ª. Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

ORTIZ, Airton. Havana. Rio de Janeiro: Rercord, 2010.

RANCIÈRE, Jacques. A imagem intolerável. RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. Tradução José Mirando Justo. Lisboa: Orfeu Negro, 2010.

SÁNCHEZ, Yoani. De cuba, com carinho. Tradução Benivaldo Araújo e Carlos Donato Petrolini Jr. São Paulo: Contexto, 2009.

SARLO, Beatriz. Tempo passado – cultura da memória e guinada subjetiva. Tradução Rosa Freire D´Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

SAVIANO, Roberto. O homem blindado. Folha de S. Paulo, São Paulo, 26 abr. 2009. Mais!, p. 5-6.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O local da diferença. – ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução. São Paulo: Ed. 34, 2005.

SERELLE, Márcio. Jornalismo e Guinada Subjetiva. Estudos em jornalismo e mídia, Florianópolis, ano VI, n. 2, p. 33-44, jul./dez. 2009.

SYMMES, Patrick. Cubano por um mês. Folha de S. Paulo, São Paulo, 30 jan. 2011. Ilustríssima. Disponível em:

www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/867590-cubano-por-30-dias.shtml Acesso em: 03 jul. 2011.

Como Citar
Serelle, M. (2012). Jogos cubanos: a ilha, hoje, em reportagens na primeira pessoa. Revista FAMECOS, 19(1), 83-98. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2012.1.11342
Seção
Jornalismo