Nos labirintos do tempo: a instituição do sujeito nostálgico sob um viés enunciativo

Palavras-chave: Nostalgia, Enunciação, Sentidos subjacentes, Poema.

Resumo

Este artigo tematiza o complexo processo de ressignificação textual, constituindo-se um estudo enunciativo de texto do gênero discursivo poema. Objetiva-se, a partir da observação de marcas enunciativo-discursivas inscritas na materialidade textual, analisar a constituição do sujeito nostálgico que se depreende do soneto Nostalgia, da poetiza portuguesa Florbela Espanca, mediante a relação intersubjetiva entre o locutor e o interlocutor. A investigação caracteriza-se como bibliográfica exploratório-descritiva, de natureza aplicada, com abordagem qualitativa, tendo como fio norteador, principalmente, os estudos de Jankélévitch (1974) e Starobinski (2016), acerca da concepção de nostalgia, bem como nos pressupostos conferidos por Benveniste (1976a, 1976b; 2006a, 2006b, 2006c), em relação aos conceitos de língua, linguagem, enunciação e subjetividade. A análise comprova que os recursos linguístico-enunciativos manipulados na materialização discursiva não só corroboram para a construção da subjetividade do enunciador, como, também, interferem na constituição semântica do texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Da Silva Moura, Universidade de Passo Fundo
Mestrando em Letras - Leitura e Formação do Leitor (PPGL/UPF), com bolsa Capes/Prosuc; Graduado em Letras (UPF-2016); professor de Língua Portuguesa e Língua Inglesa na rede privada de ensino, na cidade de Sarandi/RS.
Ernani Cesar de Freitas, Universidade de Passo Fundo, Programa de Pós-Graduação em Letras, Passo Fundo, RS
Pós-doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem - PUC-SP/LAEL (2011); Doutor em Letras, área de concentração Linguística Aplicada (PUCRS/2006); Mestre em Linguística Aplicada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS/2002). Possui graduação em LETRAS - Português/Inglês e respectivas Literaturas, pelo Centro Universitário La Salle (1999). Professor (Titular) de Ensino Superior na Universidade Feevale, Programa de Pós-graduação em Processos e Manifestações Culturais, e professor permanente no PPG em Letras na Universidade de Passo Fundo (RS).

Referências

BENVENISTE, E. Da subjetividade na linguagem. In: BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral I. São Paulo: Companhia Editora Nacional, Editora da Universidade de São Paulo, 1976a. p. 284-293.

BENVENISTE, E. Vista d´olhos sobre o desenvolvimento da linguística. In: BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral I. São Paulo: Companhia Editora Nacional, Editora da Universidade de São Paulo, 1976b. p. 19-33 BENVENISTE, E. O aparelho formal da enunciação. In: BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral II. São Paulo: Pontes, 2006a. p. 81-92.

BENVENISTE, E. A linguagem e a experiência humana. In: BENVENISTE, E. Problemas de Linguística geral II. São Paulo: Pontes, 2006b. 70-80 BENVENISTE, E. Semiologia da língua. In: BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral II. São Paulo: Pontes, 2006c. p. 47-69.

JANKÉLÉVITCH, V. L’irreversible et la nostalgie. Paris: Flammarion, 1974.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 2006. STAROBINSKI, Jean. Il concetto di nostalgia. In: PRETE, Antonio. Nostalgia. Storia di un sentimento. Disponível em:

https://pt.scribd.com/document/354166916/JeanStarobinski-A-tinta-da-melancolia-Uma-histA-ria-cultural-da-tristeza-Companhia-dasLetras-2016#Search_search-menu_165761. Acesso em: jan. 2018.

Publicado
2018-12-31
Como Citar
Moura, R. D. S., & de Freitas, E. C. (2018). Nos labirintos do tempo: a instituição do sujeito nostálgico sob um viés enunciativo. Letrônica, 11(4), 480-494. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2018.4.31259