Sobre a Tropicália e outras artes: conflitos estéticos e debates em torno da nomeação da cultura brasileira (1982-2012)

  • Fábio Leonardo Castelo Branco Brito Universidade Federal do Piauí
Palavras-chave: História, Cultura Brasileira, Identidade Nacional, Tropicália, Discursos

Resumo

Este artigo pretende realizar um balanço de diferentes discursos produzidos a respeito da cultura brasileira contemporânea entre o início da década de 1980 e o início da década de 2010. Na medida em que, no período recortado, houveram atravessamentos que marcaram as releituras de diversos movimentos culturais de afirmação nacional, dentre os quais o chamado movimento tropicalista, pretende-se observar diferentes percepções a respeito do espólio deixado pela iniciativa. Nesse sentido, materiais hemerográficos, ensaios acadêmicos ou não acadêmicos, , iniciativas musicais e rastros de memórias constituem suportes que ajudam a perceber os diferentes esforços de significação do ser da cultura nacional. O artigo busca, a partir da análise de discursos, vistos como produtores de sentido no cotidiano, proposta por Mary Jane Spink e Benedito Medrado, perceber em que medida os movimentos culturais brasileiros produziram determinados lugares de poder na tentativa de definir uma identidade brasileira, e, consequentemente, lacunas em sua constituição e afirmação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Leonardo Castelo Branco Brito, Universidade Federal do Piauí
Doutor em História Social. Professor do Curso de História do Campus Senador Helvídio Nunes de Barros e do Programa de Pós-Graduação em História do Brasil da Universidade Federal do Piauí. Co-líder do GT "História, Cultura e Subjetividade" (DGP/CNPq).

Referências

BEZERRA, Amílcar Almeida. Movimento Armorial × Tropicalismo. V Enecult – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, Salvador, 27 a 29 de maio de 2009. p. 01-13.

BRITTO, Jomard Muniz de. Bordel brasilírico bordel: antropologia ficcional de nós mesmos. Recife: Comunicarte, 1992.

______. Encontros. Organização: Sergio Cohn. Rio de Janeiro: Beco do Azogue, 2013.

CALADO, Carlos. Tropicália: a história de uma revolução musical. São Paulo: Editora 34, 1997.

CASTELO BRANCO, Edwar de Alencar. Pernambucália: outras verdades tropicais. Revista Eletrônica da Anphlac, n. 06, p. 68-88, 2007.

______. Todos os dias de Paupéria: Torquato Neto e a invenção da Tropicália. São Paulo: Annablume, 2005.

COELHO, Frederico. Eu, brasileiro, confesso minha culpa e meu pecado: cultura marginal no Brasil nas décadas de 1960 e 1970. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

DELEUZE, Gilles. A dobra: Leibniz e o barroco. Tradução: Luiz B. L. Orlandi. Campinas: Papirus, 1991.

DIDIER, Maria Thereza. Emblemas da sagração armorial: Ariano Suassuna e o movimento armorial (1970/76). Recife: UFPE, 2000.

DUARTE, Rogério. Tropicaos. Organização: Narlan Ramos, Mariana Rosa e Sergio Cohn. Rio de Janeiro: Azogue, 2003.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução: Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996.

______. Isto não é um cachimbo. Tradução: Jorge Coli. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

OLIVEIRA, Aristides; BEZERRA, Amílcar. Nos trópicos de Pernambucâncer: intelectuais sobre a cultura brasileira em trânsito nos anos 60/70 em Recife. Desenredos, ano IV, n. 15, Teresina, p. 01-16, nov.-dez. 2012.

REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

SPINK, Mary Jane P.; MEDRADO, Benedito. Produção de sentidos no cotidiano: uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas. In: SPINK, Mary Jane P. (Org.). Práticas discursivas e produção de sentido no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez, 1999. p. 41-61.

Discografia

ZÉ, Tom. Tropicália Lixo Lógico. São Paulo: Natura, 2012. 1 disco sonoro.

Filmografia

TROPICÁLIA. Direção: Marcelo Machado. Brasil, 2012, 87 min. son. color.

UMA NOITE EM 67. Direção: Renato Terra e Ricardo Calil. Brasil, 2010, 93 min. son. color.

Hemerografia

BRITTO, Jomard Muniz de. O último dândi. Entrevista concedida a Carlos Adriano. Trópico, 2005. Disponível em: <http://www.revistatropico.com.br/tropico/html/textos/2604,2.shl>. Acesso em: 19 abr. 2015.

HOLANDA, Heloísa Buarque de. Poetas rendem chefes de redação (II). Jornal do Brasil, Coluna B. Rio de Janeiro, 12 nov. 1983.

O DIA. Som Brasil apresenta “Tropicália”. Teresina, p. 23, 19 dez. 1997.

______. Tropicália terá bloco no Carnaval baiano. Teresina, p. 21, 15 jan. 1998.

SUASSUNA, Ariano. Dostoiévski e o mal. Folha de S. Paulo, 28 set. 1999. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz2809199907.htm> Acesso em: 22 dez. 2014.

VELOSO, Caetano. Dostoiévski, Ariano e a pernambucália. Folha de S. Paulo, 02 nov. 1999. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq0211199915.htm> Acesso em: 22 dez. 2014.

Publicado
2017-12-04
Como Citar
Brito, F. L. C. B. (2017). Sobre a Tropicália e outras artes: conflitos estéticos e debates em torno da nomeação da cultura brasileira (1982-2012). Estudos Ibero-Americanos, 43(3), 681-692. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2017.3.27171