Isolados e ilhados: indigenismo e conflitos no Vale do Javari, Amazônia

  • Barbara Arisi Universidade Federal da Integração Latino- Americana
  • Felipe Milanez Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Palavras-chave: índios isolados, recente contato, indigenismo, Matis, Korubo, Terra Indígena Vale do Javari

Resumo

Nesse artigo, pretendemos mostrar como um certo ideal de índio permeia as utopias indigenistas do Estado brasileiro e como a política de isolamento, influenciada por esses ideais, apresenta suas idiossincrasias e contradições. Apresentamos um estudo sobre os conflitos recentes na Terra Indígena Vale do Javari (AM) que levaram à morte violenta de índios Korubo e Matis, considerados pelo governo respectivamente como “isolados” e de “recente contato”. Analisamos a história do conflito a partir das narrativas indigenistas e dos indígenas. Observamos as formas como os servidores da FUNAI procuram ignorar e negar o direito à autodeterminação indígena e como procuram obliterar o papel e a presença do Estado nas relações interétnicas na região. Concluimos que um possível diálogo parece ser o primeiro passo para pôr fim a uma política de “índios ignorados”. O ideal de isolamento não pode se sobrepor à auto-determinação: o conceito é fragilmente sustentado em uma ideia romântica e contraditória de índios que vivem totalmente à margem de processos históricos, como se não sofressem e reagissem às pressões do velho (neo)desenvolvimento promovido pelo Estado e pela presença de frentes expansionistas como madeireiros, construtoras de barragens ou petroleiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Barbara Arisi, Universidade Federal da Integração Latino- Americana

Instituto Latino-Americano de Arte, Cultura e História - ILAACH. Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos. Membro da Comissão de Assuntos Indígenas da Associação Brasileira de Antropologia (CAI/ABA) e da Society for the Anthropology of Lowland South-America (SALSA). 

Felipe Milanez, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia
Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas UFRB.  Membro do Centro de Estudos Sociais, da Universidade de Coimbra e da Rede Europeia de Ecologia Política (ENTITLE).

Referências

AIMA 2015. Carta nº 11/AIMA/2015. Divulgado em 17 de novembro de 2015.

______. Informe 001/AIMA/2015. Divulgado em 2 de dezembro de 2015.

AIMA 2016. Nota Pública. Divulgada em 27 de janeiro de 2016.

______. Informe 001/AIMA/2016. Divulgado em 15 de janeiro de 2016.

______. Nota de Repúdio. Divulgada em 8 de fevereiro de 2016.

ARISI, Barbara M. Matis e Korubo: contato e índios isolados no Vale do Javari, Amazônia. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

______. A Dádiva, a Sovinice e a Beleza: economia da cultura Matis, Vale do Javari, Amazônia. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

______. La No-Frontera Pano: etnónimos como categorías alternativas y múltiples entre Matis y Korubo. In: Tipití: Journal of the Society for the Anthropology of Lowland South America, v. 10, issue 1, Article 2, p. 19-36, 2012. Available at: http://digitalcommons.trinity.edu/tipiti/vol10/iss1/2.

ARISI, Barbara M.; FRANCISCO, Deise A.; CESARINO, Pedro N. Saúde na Terra Indígena Vale do Javari. Diagnóstico médico-antropológico: subsídios e recomendações para uma política de assistência. São Paulo: ISA/CTI, 2011. Disponível em: https://www.socioambiental.org/banco_imagens/pdfs/saudev02 baixa.pdf

ARISI, Barbara; MILANEZ, Felipe. De índios isolados a ignorados: conflitos no Vale do Javari, AM. In: RODRIGUES, Gilse Elisa; justamand, Michel; CRUZ, Tharcísio Santiago (Org.). Fazendo Antropologia no Alto Solimões: diversidade étnica e fronteira. Embu: Alexa Cultural, 2016. p. 37-65.

BAINES, Stephen G. “É a Funai que sabe”: A frente de Atração Waimiri-Atroari. Col. Eduardo Galvão. CNPq: Museu Paraense Emilio Goeldi, 1991.

BRASIL Estatuto do Índio. Lei n. 6.001 – 19 de dezembro de 1973.

BRASIL, Kátia. Vale do Javari: “Não brigamos por terra com os Korubo, isso é uma invenção da Funai”, diz Marke Matís. In: Amazônia Real, 16 de fevereiro de 2016. Disponível em: http://amazoniareal.com.br/vale-do-javari-nao-brigamos-por-terra-comos- korubo-isso-e-uma-invencao-da-funai-diz-marke-matis/.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela (Org.). História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CRUTZEN, Paul J. Geology of Mankind – The Anthropocene. In: Nature, n. 415, p. 23, 2002. https://doi.org/10.1038/415023a

DENEVAN, Willian. The Pristine Myth: The Landscape of the Americas in 1492. Annals of the Association of American Geographers, v. 82, n. 3, The Americas before and after 1492: Current Geographical Research (Sept. 1992), p. 369-385 (Published).

ERIKSON, Philippe. El Sello de los Antepasados. Quito: Abya yala/IFEA, 1999.

______. Bibliografia anotada de fuentes con interés para la Etnologia y Etnohistória de los Pano septentrionales (Matses,Matis, Korubo, ...). In: Amazonía Peruana, tomo XIV, n. 27, p. 231-287, 2000.

FUNAI. Relatório do Centro de Documentação Etnológica, solicitado pelo radiograma no. 45/DGPC, de 22/01/1980 – controle 3902 – sobre os grupos indígenas Maruno, Canamari, Culina, Mayoruna, Matses e maih (sic) – Amazônia Ocidental, Brasília, 1980.

______. Informação nº 331/DID/DGPI/81. Ref: Proc. FUNAI/BSB/1074/80. Ass: Eleição do Parque Indígena do Javari. Brasília, 1981.

______. Relatório de Identificação e Delimitação da Terra Indígena Vale do Javari. GT Portarias nº 174/95 e 158/96, 1989.

FIGUEIREDO, Wellington. Depoimento. In: MILANEZ, F. (Org.). Memórias sertanistas: cem anos de indigenismo no Brasil. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2015. p. 251-284.

HANNA, Philippe et alli. Improving the effectiveness of impact assessment pertaining to indigenous peoples in the Brazilian environmental licensing procedure. In: Environmental Impact Assessment Review, v. 46, p. 58-67, 2014. https://doi.org/10.1016/j.

eiar.2014.01.005.

HUERTAS CASTILLO, Beatriz. Los Pueblos Indígenas en Aislamiento: su lucha por su sobrevivéncia y la libertad. Copenhague: IWGIA, 2002.

IGLESIAS, Marcelo Piedrafita. Os Kaxinawá de Felizardo: correrias, trabalho e civilização no Alto Juruá. Brasília: Paralelo 15, 2010.

LIMA, Antônio Carlos de Souza. O Grande Cerco de Paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Rio de Janeiro: Petrópolis: Vozes, 1995.

MILANEZ, Felipe; SHEPARD, Glenn. Esqueça mitos coloniais: Contato dos Xatanawa põe fim a resistência centenária. In: Carta Capital. 07 nov. 2014. Disponível em: http://www.cartacapital. com.br/blogs/blog-do-milanez/esqueca-mitos-coloniais-ocontato-

dos-xatanawa-no-acre-poe-fim-a-uma-resistenciacentenaria-

html.

______. A Tale of Two Contacts: The Government Approach to Isolated Peoples. 2014. Available at: http://indiancountrytoday medianetwork.com/2014/09/19/tale-two-contacts- overnmentapproach- isolated-peoples-156935.

MILANEZ, Felipe (org). Memórias sertanistas: cem anos de indigenismo no Brasil. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2015.

______. Marãiwatséde: Retorno à Mata Misteriosa. In: Brasil Indígena (Brasília: Funai), ano III, n. 2, p. 32-38, 2006.

MOORE, Jason W. The Capitalocene, Part I: On the Nature and Origins of Our Ecological Crisis (Mimeo). Fernand Braudel Center, Binghamton University, 2014.

OLIVEIRA, João P. Pacificação e tutela militar na gestão de populações e territórios. In: Mana. v. 20, n. 1, p. 125-161, 2014.

POSSUELO, Sydney. Depoimento. In: MILANEZ, F. (Org.). Memórias sertanistas: cem anos de indigenismo no Brasil. São Paulo: Edições Sesc, 2015. p. 213-250.

RAMENOFSKY, Ann e GALLOWAY, Patricia. Disease and the Soto Entrada. In: GALLOWAY, P. (Org). The Hernando de Soto Expedition: History, Historigraphy and “Discovery” in the Southeast. Lincoln: University of Nebraska Press, 2006.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

______. Os índios e a civilização. São Paulo: Cia das Letras, 1996.

SHEPARD, Glenn H. Jr. Los grupos indígenas aislados del Río Piedras. Report (mimeo). 1996.

______. Ceci N’est Pas un Contacte: the Fetishization of Isolated Indigenous People Along the Peru-Brazil Border. In: Tipití: Journal of the Society for the Anthropology of Lowland South America, v. 14, issue 1, Article 8, p. 135-137, 2016. Disponível em: http:// digitalcommons.trinity.edu/tipiti/vol14/iss1/8.

STEFFEN, Will et al. Review. The Trajectory of the Anthropocene: the great acceleration. In: The Anthropocene Review, v. 16, p. 81-98, Jan. 2015.

VAZ, Antenor. A que será que se destinam? In: Le Monde Diplomatique. São Paulo, 04 de agosto de 2014.

Publicado
2017-03-23
Como Citar
Arisi, B., & Milanez, F. (2017). Isolados e ilhados: indigenismo e conflitos no Vale do Javari, Amazônia. Estudos Ibero-Americanos, 43(1), 49-66. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2017.1.24482
Seção
Dossiê: Atores e trajetórias do campo indigenista na Américas