O trabalho com dado e banco de dados: considerações por meio de uma teoria enunciativa da linguagem

Palavras-chave: Transcrição, Enunciação, Banco de dados, Corpus.

Resumo

Objetiva-se discutir as noções de dado e de análise quando a teoria mobilizada é de base enunciativa, tendo em vista duas questões centrais: se as diversas teorias enunciativas interrogam a língua do ponto de vista semântico, tendo por objetivo o estudo daquilo que é singular na fala de um determinado locutor, como pode um estudo enunciativo ter como base um corpus e, mais ainda, constituir um banco de dados? Não seria a Enunciação, de certa forma, refratária à própria noção de estudo linguístico com base em corpora? Em resposta a esses dois questionamentos, apresentamos o exemplo da construção de um banco de dados de distúrbio de linguagem – o ENUNSIL (Banco de Dados Enunciação e Sintoma na Linguagem), já que, se a noção de dado é problemática à Enunciação, tais dificuldades aumentam exponencialmente quando o que está em jogo é a fala sintomática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUTHIER-REVUZ, Jacqueline. Palavras incertas: as nãocoincidências do dizer. Campinas: Editora da UNICAMP, 1998.

BENVENISTE, Émile. Problemas de Lingüística Geral I. 4ª ed. Campinas: Pontes, 1995.

BENVENISTE, Émile. Problemas de Lingüística Geral II. Campinas: Pontes, 1989.

BERTRAND-GASTALDY, Susanne. 1989. La problématique de l'énonciation dans les systèmes documentaires entièrement ou partiellement automatisés. Disponível em: <http://www.ling.uqam.ca/sato/publications/bibliographie/Tatravmo.htm>. Acesso em 13 de fevereiro de 2016.

COUDRY, Maria Irma Hadler O que é o dado em neurolingüística?

In: CASTRO, Maria Fausta Pereira (Org.). O método e o dado no estudo da linguagem. Campinas: Unicamp, 1996. p. 179-194.

DUBOIS, Jean et al. Dicionário de Linguística. São Paulo: Cultrix, 2006.

FIORIN, José Luiz As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. 2. ed. São Paulo: Ática, 2005.

FLORES, Valdir do Nascimento. Fato, nível da análise lingüística e transcrição: três operadores da análise enunciativa. In: LEFFA, Vilson; ERNST, Aracy. (Org.). Linguagens. Metodologias de ensino e pesquisa. Pelotas: EDUCAT, 2012. p. 150-164.

FLORES, Valdir do Nascimento. O lugar metodológico da análise da enunciação em relação aos níveis da análise lingüística. In: BATTISTI, Elisa; COLLISCHONN, Gisela. (Org.). Língua e linguagem: perspectivas de investigação. Porto Alegre: Palotti, 2010. Vol. 1. p. 45-57.

FLORES, Valdir do Nascimento. Entre o Dizer e o Mostrar: a transcrição como modalidade de enunciação. Organon, UFRGS, Porto Alegre, v. 40-41, p. 61-75, 2006.

FLORES, Valdir do Nascimento et al. Dicionário de Linguística da Enunciação. São Paulo: Contexto, 2009.

NUNES, Paula Ávila. A prática tradutória em contexto de ensino (re)vista pela ótica enunciativa. 2012. 239 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

NUNES, Paula Ávila. Aspectos enunciativos da construção de um banco de dados de distúrbios de linguagem. Apresentação no XIX Salão de Iniciação Científica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2007.

SURREAUX, Luiza Milano. Linguagem, sintoma e clínica em clínica de linguagem. 2006. 202 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

Publicado
2017-12-07
Como Citar
Nunes, P. Ávila, & Flores, V. do N. (2017). O trabalho com dado e banco de dados: considerações por meio de uma teoria enunciativa da linguagem. Letras De Hoje, 52(3), 401-409. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2017.3.29372