Você brinca de boneca, mas é menino: sujeitos, gêneros e sexualidades em brincadeiras infantis

  • Lívia de Rezende Cardoso Universidade Federal de Sergipe
  • Daniela Lima do Nascimento Universidade Federal de Sergipe
Palavras-chave: Gênero. Sexualidade. Educação infantil.

Resumo

Analisou-se como as relações de gênero são estabelecidas em atividades lúdicas de um currículo e seus efeitos na subjetividade de meninos e meninas. A pesquisa foi desenvolvida em escola de município sergipano, durante três meses, em uma turma composta por crianças com 5 anos. No cenário observado, as relações de gênero têm suas bases firmadas na heterossexualidade. A equipe escolar e os(as) próprios(as) alunos(as) carregam consigo concepções de feminino e de masculino bem definidas. Há, também, intensa vigilância da sexualidade das crianças, na busca de estimular a heterossexualidade como norma a ser seguida e, ao mesmo tempo, contê-la. Porém, nem sempre o currículo analisado conseguiu normatizar os sujeitos, e outras possibilidades puderam ser construídas. O mais significativo foi evidenciar como o currículo escolar exerce fortes marcas na constituição de seus sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lívia de Rezende Cardoso, Universidade Federal de Sergipe
Professora do Departamento de Educação (DEDI) e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED) da Universidade Federal de Sergipe. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Científica (GEPEC) da referida instituição. Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, Conhecimento e Inclusão Social - na Linha de Pesquisa Educação Escolar: Instituições, Sujeitos e Currículos - e Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Currículos e Culturas (GECC) na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais.
Daniela Lima do Nascimento, Universidade Federal de Sergipe
Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Sergipe. Professora da Rede Particular de Ensino de Sergipe.

Referências

ANDRADE, Sandra dos Santos. Mídia, corpo e educação: a ditadura do corpo perfeito. Corpo, gênero e sexualidade. Porto Alegre:Mediação, 2004. p. 107-120.

ARAÚJO, Emanuel. A arte da sedução: sexualidade feminina na colônia. In: PRIORE, Mary Del (Org.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009. p. 45-77.

AZEVEDO, Tânia Maria C. Brinquedos e gênero na Educação Infantil – um estudo do tipo etnográfico no Estado do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Psicologia e Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

BASSANEZI, Carla. Mulheres dos Anos Dourados. In: PRIORE, Mary Del (Org.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009. p. 607-639.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 151-172.

CARDOSO, Lívia de Rezende. Relações de gênero, ciência e tecnologia no currículo de filmes de animação. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 24, n. 2, p. 463-484, jun. 2016. ISSN 0104-026X. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/44595>.

CARDOSO, Lívia de Rezende. Conflitos de uma bruta flor: governo e quereres de gênero e sexualidade no currículo do fazer experimental. 7º Prêmio Construindo a Igualdade de Gênero. Brasília: MEC, 2011. p. 1-24.

CARDOSO, Lívia de Rezende; PARAÍSO, Marlucy A. Possibilidades de uma metodologia alquimista para pesquisar em educação e em currículo. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 11 n. 1, abr. 2013.

CARDOSO, Lívia de Rezende; PARAÍSO, Marlucy A. Tecnologias de gênero e a produção de sujeitos no currículo de aulas experimentais de ciências. Currículo sem Fronteira, v. 15, n. 1, abr. 2015. Disponível em: <http://www.curriculosemfronteiras.org/vol15iss1articles/cardoso-paraiso.pdf>.

CARVALHAR, Danielle Lameirinhas. Currículo da Educação Infantil: sexualidade e heteronormatividade na produção de identidades. In: PARAÍSO, Marlucy Alves (Org.). Pesquisas sobre currículos e culturas: temas, embates, problemas e possibilidades. Curitiba: Editora CRV, 2010. p. 31-52.

CARVALHAR, Danielle Lameirinhas. Relações de gênero no currículo da educação infantil: a produção das identidades

de princesas, heróis e sapos. Belo Horizonte, Faculdade de Educação da UFMG, 2009.

CUNHA, Marlécio Maknamara da Silva. Currículo, gênero e nordestinidade: o que ensina o forró eletrônico? Tese (Doutorado em Educação) – Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2011.

D’INCAO, Maria Ângela. Mulher e família burguesa. In: PRIORE, Mary Del (Org.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009. p. 223-240.

FELIPE, Jane; GUIZZO, Bianca S. Entre batons, esmaltes e fantasias. In: MEYER, Dagmar E. E.; SOARES, Rosângela de F. R. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade. Porto Alegre: Mediação, 2004. p. 31-40.

FONSECA, Cláudia. Quando cada caso não é um caso: pesquisa etnográfica e educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 10, p. 58-78, jan./abr. 1999.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Brinquedos e brincadeiras na Educação Infantil. (In: BRASIL. Ministério da Educação e da Cultura, Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica, 2010).

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

______. Sexualidade: lições da escola. In: MEYER, Dagmar. E. E.; DALLA ZEN, Maria. I. H.; XAVIER, Maria. L. M. de F. (Org.). Saúde e sexualidade na Escola. Porto Alegre: Mediação, 1998. p. 85-96.

______. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade, 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 9-34.

______. Currículo, gênero e sexualidade: refletindo sobre o “normal”, o “diferente” e o “excêntrico”. Estudos Feministas,

n. 1-2, jul./dez. 2002.

______. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 1-34.

______. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria Queer. 1. reimpr. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

______. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, Mary Del (Org.). História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009. p. 443-481.

DE OLIVEIRA PINTO, Tatiane; LOPES, Maria de Fátima. Brincadeira no espaço da rua e a demarcação dos gêneros na infância. Rev. Latinoam. Cienc. Soc. Niñez, v. 7, n. 2, p. 861-885, jul. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1692-715X2009000200012&lng=pt&nrm=iso>.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Apresentação. In: PARAÍSO, Marlucy Alves (Org.). Pesquisas sobre currículos e culturas: temas, embates, problemas e possibilidades. Curitiba: Editora CRV, 2010. p. 11-14.

PIRES, S. M. F. Representações de gênero em ilustrações de livros didáticos. Revista Psicopedagogia [Online], v. 1, p. 54, 2004.

RIBEIRO, Cláudia Maria. Crianças, gênero e sexualidade: realidade e fantasia possibilitando problematizações. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 605-614, ago. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2011000200020&lng=pt&nrm=iso>.

SABAT, Ruth. Só as bem quietinhas vão casar. In: MEYER, Dagmar E. E.; SOARES, Rosângela de F. R. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade. Porto Alegre: Mediação, 2004. p. 95-106.

SILVA, Rosimeri A. O ponto fora da curva. In: MEYER, Dagmar E. E.; SOARES, Rosângela de F. R. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade. Porto Alegre: Mediação, 2004. p. 85-94.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

TAUFER, Isabel C. B. Representações de gênero no livro didático de ciências nos anos iniciais do ensino fundamental. Dissertação (Especialização em Educação, Sexualidade e Relações de Gênero) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

XAVIER FILHA, Constantina. Era uma vez uma princesa e um príncipe...: representações de gênero nas narrativas de crianças.

Rev. Estud. Fem., v. 19, n. 2 p.591-603, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010

X2011000200019&lng=pt&nrm=iso>. ISSN 0104-026X.

http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2011000200019

Publicado
2017-08-30
Como Citar
Cardoso, L. de R., & Nascimento, D. L. do. (2017). Você brinca de boneca, mas é menino: sujeitos, gêneros e sexualidades em brincadeiras infantis. Educação, 40(2), 250-262. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2017.2.23571
Seção
Dossiê: Regulação da Ética na Pesquisa