A equidade da formação docente na modalidade a distância

  • Lucila Maria Costi Santarosa Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Debora Conforto Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Formação docente. Educação a distância. Pessoas com deficiência. Acessibilidade à Web.

Resumo

Este artigo problematiza os desafios enfrentados por pessoas com deficiência em contextos de formação a distância, com o objetivo de sintonizar essa modalidade de ensino às contemporâneas configurações da escola tecnológica e inclusiva. O Curso de Formação de Professores em Tecnologias Digitais Acessíveis operou como corpus de análise para que o campo de conhecimento da acessibilidade e da usabilidade fosse discutido e explicitado na organização curricular e gerencial desse espaço de formação. Ao aproximar o discurso e a prática da inclusão em processos educacionais para sistemas Web, as estratégias de reconhecimento das especificidades humanas implementadas conduziram ao desenvolvimento de uma plataforma digital acessível. Esse processo e a customização de materiais didáticos e de flexibilização curricular ilustram os resultados que consolidam ações de inclusão essenciais e eletivas no âmbito da educação a distância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucila Maria Costi Santarosa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Bolsa-Produtividade em Pesquisa - CNPq - SENIOR Nível 1A Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1981). Professora / orientadora / pesquisadora da UFRGS, nos cursos de Pós Graduação em Educação - PPGEDU- e no Pós Graduação em Informática na Educação- PGIE- . Coordenadora e criadora do Nucleo de Pesquisa em Informática na Educação Especial - NIEE da UFRGS. Pesquisadora Senior do CNPq-MCT . Vice-presidente da Redespecial Internacional . Presidente de Honra e Fundadora da ONG Redespecial Brasil. Representante do Brasil na Red Iberoamericana de Infomártica Educativa. Tem experiência na área de Informática na Educação , atuando principalmente nos seguintes temas: Informática na Educação Especial, Inclusão Digital, Acessibilidade, Desenvolvimento de Ambientes Digitais/Virtuais de aprendizagem Acessiveis, Plataformas Acessiveis , Formação de Professores em EAD. Coordena projetos de pesquisa e desenvolvimento com apoio do CNPq; Coordena formação de professores em EAD com apoio do MEC/FNDE/UAB emTecnologias Digitais Acessiveis.

Producao cientifica ver cur Lattes

Debora Conforto, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Doutora em Educação, na linha de Pesquisa de Informática na Educação, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006). Especialista em Informática na Educação (1995) e em Modelagem de Software Educacional (1997) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Graduada em Ciências Biológicas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1984). Atua como pesquisadora da RedEspecial Brasil e do NIIE/UFRGS. Áreas de pesquisa: Informática na Educação, Ambientes Virtuais de Aprendizagem, Inclusão Digital e Acessibilidade à Web.

Referências

BRASIL. MEC/SEESP. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2007. Disponível em: <http://peei.mec.gov.br/arquivos/politica_nacional_educacao_especial.pdf>. Acesso em: 19 ago. 2014.

BOURDIEU, P. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: Nogueira , M. A.; Catani , A. M. Escritos de educação. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 39-64.

CASTELLANO, R. E.; MONTOYA, R. S. Laptop, andamiaje para la Educación Especial: guía práctica, computadoras móviles en el currículo. Organización de las Naciones Unidas para la Educación la Ciencia y la Cultura (Unesco). Montevideo, Uruguay, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

O’REILLY, T. What is Web 2.0 – design patterns and business models for the next generation of software. O’Reilly Publishing, 2005. Disponível em: <http://www.oreillynet.com/lpt/a/6228>.

Acesso em: 15 ago. 2014.

RODRIGUES, D. Dez ideias (mal) feitas sobre a educação inclusiva. In: RODRIGUES, D. (Org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2009.

SANTAROSA, L. M. C.; CONFORTO, D; MACHADO, R. P. Whiteboard: synchronism, accessibility, protagonism and collective authorship for human diversity on Web 2.0. Computers in Human Behavior, v. 31, p. 591-601, 2014.

SANTAROSA, L. M. C.; CONFORTO, D. Formação de professores em tecnologias digitais acessíveis. Porto Alegre: Evangraf, 2012.

SONZA, A. P. Ambientes virtuais sob a perspectiva de usuários

com limitação visual. Porto Alegre, 2008. Tese (Doutorado em Informática na Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias. Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação. Porto Alegre, 2008.

TOURAINE, A. Pensar outramente: o discurso interpretativo dominante. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

VALENTE, J. A.; ALMEIDA, F. J. Visão analítica da informática na educação no Brasil: a questão da formação do professor. Revista Brasileira de Informática na Educação, Sociedade Brasileira de Computação (RS), n. 1, p. 1-28, set. 1997.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

W3C. Recomendações de acessibilidade para conteúdo Web (WCAG) 2.0. 2009. Disponível em: <http://www.ilearn.com.br/TR/WCAG20/>. Acesso em: 20 ago. 2014.

Publicado
2017-08-30
Como Citar
Santarosa, L. M. C., & Conforto, D. (2017). A equidade da formação docente na modalidade a distância. Educação, 40(2), 240-249. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2017.2.22943
Seção
Dossiê: Regulação da Ética na Pesquisa