Situação do professorado em Portugal: identidades fragmentadas entre a paixão e o desencanto

Palavras-chave: Professorado. Mudança. Crise. Paixão. Desencanto.

Resumo

Neste artigo, discute-se a situação profissional do professorado em Portugal em torno da análise das transições mais recentes e dos seus impactos sobre os docentes, designadamente o processo de abordagem da crise económica e financeira. Os resultados que se apresentam numa estratégia de investigação qualitativa, centram-se em implicações emocionais na forma como os docentes vivem a sua profissão, através das suas próprias narrativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BALL, S. (2003). The teacher’s soul and the terrors of performativity. Journal of Education Policy, v. 18, n. 2, p. 215-228. https:/doi.org/10.1080/0268093022000043065

BENAVENTE, A. et al. Crise de (?) austeridade e educação em Portugal (2011-2014). Investigar em Educação – IIª série, n. 3. p. 49-62, 2015.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BÓIA, J. Educação e sociedade. Neoliberalismo e os desafios do futuro. Lisboa: Edições Sílabo, 2003.

DAY, C. et al. The personal and professional selves of teachers: stable and unstable identities. British Educational Research Journal, v. 32, n. 4, p. 601-616, 2006.

DENZIN, N.; LINCOLN, Y. Planejamento da pesquisa qualitativa – teorias e abordagens. Porto Alegre. Artmed, 2006.

DUBAR, C. La socialization. Construction dês identités sociales et profissionelles. Paris: Armand Colin, 1991.

ESTEVE, J. Identidad y desafíos de la condición docente. In: El oficio de docente: vocación, trabajo y profesión en el siglo XXI. Buenos Aires, 2006.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. Petrópolis. Vozes, 1996.

GARCIA, M. et al. As identidades docentes como fabricação da docência. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 1, p. 45-56, jan.-abr. 2005. https:/doi.org/10.1590/S1517-97022005000100004

GLAUSER, B.; STRAUSS, A. The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. Chicago: Aldine, 1967.

HYPOLITO, A. Trabalho docente, profissionalização e identidade: contribuição para a constituição de um campo de estudo. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 37, p. 123-138, 2003.

HYPOLITO, A. et al. Reestruturação curricular e autointensificação do trabalho docente. Currículo sem Fronteiras, v. 9, n. 2, jul.-dez. p. 100-112, 2009.

HUSSERL, E. La Idea de la fenomenología. Madrid. Fondo de Cultura Económica de España, 1982.

LAWN, M. Os professores e a fabricação de identidades. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 117-130, jul.-dez. 2001.

MILES, M.; HUBERMAN, A. Qualitative data analysis: an expanded source book. London: Sage Publications, 1994.

RICOEUR, P. Na escola da fenomenologia. Trad. Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: Vozes, 2009.

ROSA, M. Ser professor: inquietações e desafios. A página da educação online. Disponível em: http://www.apagina.pt/?aba=6&cat=502&do c=15115 &mid=1. Acesso em: 05 out. 2015.

SANTOS, B. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo. Boitempo, 2007.

SANTOS, B. Portugal – ensaio contra a autoflagelação. Coimbra. Almedina, 2011.

SANTOS, B. Reinventar las izquierdas? In: CORAGGIO, J.; LAVILLE, J. (orgs.). Reinventar la izquierda en el siglo XXI: hacia un diálogo norte-sur. Quito: Instituto de Altos Estudios Nacionales (Iaen), 2014. p. 157-179.

TOURRAINE, A. Après la crise. Paris. Seuil, 2010.

Publicado
2016-12-22
Como Citar
Rosa, M. C. (2016). Situação do professorado em Portugal: identidades fragmentadas entre a paixão e o desencanto. Educação, 39(3), 412-420. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2016.3.22257
Seção
Outros Temas