Crianças multirrepetentes do Ensino Fundamental: o que pensam sobre seus contextos escolares

  • Gabriela Maia Fischer Universidade do Vale do Itajaí
  • Veronica Gesser Universidade Internacional da Flórida
Palavras-chave: Fracasso escolar. Crianças multirrepetentes. Metodologias de ensino. Ensino Fundamental.

Resumo

Este trabalho se propôs a investigar as expectativas das crianças com histórico de reprovação em relação a aulas vivenciadas por elas nas séries iniciais do Ensino Fundamental. A pesquisa teve como objetivo identificar os significados do contexto escolar por meio das vozes de crianças multirrepetentes dos anos iniciais do Ensino Fundamental (2º a 4º ano). Autores como Patto (2008), Charlot (2009 e 2000), Vygotsky (1984, 2007); Ferreiro (1996), Lerner (2001), Solé e Coll (2004), Sampaio (2004), Sacristán (2000, 2007), dentre outros, fundamentaram teoricamente este trabalho. Para a realização da pesquisa, contou-se com a participação de oito crianças, de duas escolas distintas, matriculadas regularmente nas séries iniciais do Ensino Fundamental, sem comprometimento cognitivo com laudo, e que continham em seu histórico escolar pelo menos dois anos de reprovação. Os procedimentos de coleta de dados fundamentou-se em pesquisa de campo, desenvolvida por meio de duas entrevistas individuais semiestruturadas com cada sujeito participante (Szymanski, 2002; Gaskell, 2010). E os dados das entrevistas foram interpretados, discutidos e apresentados a partir dos eixos temáticos gerados em três momentos de análise (LeFreve, A. M. e LeFreve , F., 2005; Flick, 2009). O estudo permitiu observar que determinadas práticas metodológicas produziram nas crianças significados característicos de um ensino centrado na perspectiva reprodutivista, que, segundo as crianças da pesquisa, prioriza o volume de conteúdos, a cópia, e não valoriza o erro como parte inerente da aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Maia Fischer, Universidade do Vale do Itajaí
Doutoranda em Educacao no PPGE UNIVALI.
Veronica Gesser, Universidade Internacional da Flórida
Pos-Doutorado em Educacao, Barry University, 2015. Doutorado em Educacao, Florida International University, 2001. Professora PPGE Univali.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Ed. 70, 1979.

BAUER, W.; GASKELL, G.; ALLUM, N. Qualidade, quantidade e interesses do conhecimento: evitando confusões. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetizando sem o ba-be-bi-bo-bu. São Paulo: Scipione,1998.

CAMPOS, M. M. Por que é importante ouvir a criança? A participação das crianças pequenas na pesquisa científica. In: CRUZ, Silvia Helena Vieira (org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008.

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Tradução de Bruno Magne. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CHARLOT, B. A construção social da noção de fracasso escolar: do objeto sociomidiático ao objeto de pesquisa. In: ARROYO, Miguel; ABRAMOWICZ, Anete. (orgs.). A reconfiguração da escola: entre a negação e a afirmação de direitos. Campinas: Papirus, 2009.

COLL, César; SOLÉ, Isabel. Os professores e a concepção construtivista. In: COLL, César. (Orgs.). O Construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, 2004.

COLLARES, C. A. L. O cotidiano escolar patologizado: espaço de preconceitos e práticas cristalizadas. São Paulo, 1995, 194 p. Tese (de Livre Docência) – Universidade Estadual de Campinas, 1995.

COLLARES, C. A. L. Ajudando a desmistificar o fracasso escolar. Ideias, p. 24-28, 1989. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_06_p024-028_c.pdf. Acessado em: 22 abr. 2011.

COLLARES, C. A. L.; MOYSÉS, M. A. A. Preconceito no cotidiano escolar: ensino e medicalização. São Paulo: Cortez, 1996.

CRUZ, S. H. V. (Org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008. FERREIRO, Emília. Com todas as letras. São Paulo: Cortez, 1996.

FLICK, U. Desenho de pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2010.

GATTI, Bernadete A. Políticas, ações educacionais e desempenho escolar. In: ARROYO, Miguel; ABRAMOWICZ, Anete (orgs.). A reconfiguração da escola: entre a negação e a afirmação de direitos. Campinas: Papirus, 2009.

LEFREVE, A. M.; LEFREVE, F. Depoimentos e discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília: Liber Livro, 2005.

LERNER, Délia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Tradução de Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2002.

LUDKE, M.; ANDRE, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MOTTA, Flávia Miller Naethe. De crianças a alunos: transformações sociais na passagem da educação infantil para o ensino fundamental. Educação e Pesquisa [online], v. 37, n. 1, p. 157-173, jan./abr. 2011.

Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v37n1/v37n1a10.pdf. Acessado em: 28 abr. 2012.

MOYSÉS, M. A. A. A institucionalização invisível: crianças que não aprendem na escola. Campinas: Mercado das Letras; São Paulo: Fapesp, 2001.

MOYSÉS, M. A. A. Fracasso escolar: uma questão médica? Ideias, p. 1-29, 1989. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_06_p029-031_c.pdf. Acesso em: 22 abr. 2011.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: história de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.

PATTO, Maria Helena Souza; ANGELUCCI, Carla Biancha; KALMUS, Jaqueline; PAPARELLI, Renata. O estado da arte da pesquisa sobre o fracasso escolar (1991-2002): um estudo introdutório. Educação e Pesquisa [online], v. 30, p. 52-72, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v30n1/a04v30n1.pdf. Acessado em: 2 jan. 2012.

RESENDE, Valéria Barbosa. Fracasso e sucesso escolar: os dois lados da moeda. In: GOMES, Maria de Fátima Cardoso; SENA, Maria das Graças de Castro (orgs.). Dificuldades de aprendizagem na alfabetização. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

SACRISTÁN, José Gimeno. A educação que ainda é possível: ensaios sobre uma cultura para a educação. Tradução de Valério Campos. Porto Alegre: Artmed, 2007.

SAMPAIO, Maria das Mercês Ferreira. Um gosto amargo da escola: relações entre currículo, ensino e fracasso escolar. São Paulo: Iglu, 2004.

SARMENTO, M. J. Sociologia da infância: correntes e confluências. In: GOUVEA, M. C. S.; SARMENTO, M. J. (orgs.). Estudos da Infância. Educação e Práticas Sociais. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

SAWAYA, Sandra Maria. Práticas de leitura e escrita entre as crianças na pobreza urbana. FEUSP, 2002. Disponível em: http://www.hottopos.com/videtur18/sandra.htm. Acessado em: 4 abr. 2011.

SIRINO, Marisa de Fátima. Processos de exclusão intraescolar: os alunos que passam sem saber. São Paulo, 2009. 230 p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, 2009.

SOLÉ, Isabel. Disponibilidade para aprendizagem e sentido da aprendizagem. In: COLL, César (orgs.). O Construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, 2004.

SZYMANSKI, Heloisa. A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília: Plano, 2002.

VYGOTSKY, L. S. (1987). Pensamento e linguagem. Tradução de José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. Tradução de José Cippola Neto, Luís Silveira Menna Barreto, Solange Castro Afeche. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2006.

Publicado
2016-09-09
Como Citar
Fischer, G. M., & Gesser, V. (2016). Crianças multirrepetentes do Ensino Fundamental: o que pensam sobre seus contextos escolares. Educação, 39(2), 231-241. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2016.2.20614
Seção
Artigos