Os dicionários de Wittgenstein e de Baruk: o significado linguístico no ensino e no aprendizado da matemática

  • Marisa Rosâni Abreu Silveira Universidade Federal do Pará
  • Janeisi de Lima Meira Universidade Federal do Pará
  • Paulo Vilhena da Silva Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Significado das palavras.Dicionário.Ensino e aprendizagem de matemática.

Resumo

Neste texto procuramos discutir as relações entre a linguagem natural, a linguagem matemática e o significado de expressões linguísticas em textos matemáticos em situações de ensino e de aprendizagem. Apontaremos a importância de compreender o significado dos usos das palavras em seus contextos particulares, amparando-nos no caso de Wittgenstein, que elaborou um dicionário de ortografia alemã, e no caso da reeducadora francesa Stella Baruk, que elaborou um dicionário de matemática, expondo os motivos pelos quais estes autores elaboraram seus dicionários. Finalizamos com algumas reflexões que apontam para a importância de uma compreensão satisfatória das palavras do vocabulário matemático em sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marisa Rosâni Abreu Silveira, Universidade Federal do Pará
Possui Graduação em Matemática-Licenciatura Plena (1985), Especialização em Matemática (1988), Especialização em Filosofia do Conhecimento e da Linguagem (1995) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Mestrado em Educação (2000) e Doutorado em Educação (2005) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul com Estágio Doutoral na Universidade de Paris 7 e Estágio Pós-Doutoral no Institut d Histoire et de Philosophie des Sciences et des Techniques da Université Paris 1 (Sorbonne). Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal do Pará no Instituto de Educação Matemática e Científica, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino e aprendizagem da Matemática, discurso pedagógico, construção do conceito matemático, linguagem matemática, matemática e linguagens, tradução de textos matemáticos. (Texto informado pelo autor). <http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=E935830>
Janeisi de Lima Meira, Universidade Federal do Pará
Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas IEMCI/UFPA. Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade do Estado do Pará (2008), Graduação em Licenciatura Plena em Letras pela Universidade Federal do Pará (2009). Líder do Grupo de Linguagem Matemática do IEMCI/UFPA. Tem experiência com ensino de matemática e língua portuguesa nos ensinos Básico e Superior. (Texto informado pelo autor). <http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4258274Y2>
Paulo Vilhena da Silva, Universidade Federal do Pará
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas (área de concentração: Educação Matemática), da Universidade Federal do Pará. É mestre em Educação em Ciências e Matemáticas (área de concentração: Educação Matemática) (2011), pelo Instituto de Educação Matemática e Científica da Universidade Federal do Pará. Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática (2008) pela Universidade Federal do Pará É professor da Rede Pública do município de Ananindeua-PA. Atualmente vem pesquisando a respeito das influências da linguagem no ensino da Matemática e vem dedicando-se à leitura das obras do filósofo Ludwig Wittgenstein. (Texto informado pelo autor). <http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4256690U7>

Referências

BACQUET, Michelle. Matemática sem dificuldades: ou como evitar que ela seja odiada por seu aluno. Tradução de Maria Elizabeth Schneider. Porto Alegre: Artmed, 2001.

BAKER, G. P.; HACKER, P. M. S. Family resemblance. In: BAKER, G. P.; HACKER, P. M. S. Wittgenstein: understanding and meaning – part I. 2. ed. Oxford: Blackwell, 2005. p. 201-226.

BARUK, Stella. L’âge du capitaine: de l’erreur en mathématiques. Paris: Seuil, 1985.

BARUK, Stella. Fabrice ou l’école des mathématiques. Paris: Seuil, 1994.

BARUK, Stella. Dictionnaire de mathématiques élémentaires. Paris: Seuil, 1992.

BARUK, Stella. Insucessos e matemáticas. Lisboa: Relógio D’Água, 1996.

BARUK, Stella. Si 7=0. Quelles mathématiques pour l’école? Paris: Odile Jacob, 2006.

BARUK, Stella. Dico de mathématiques: collège et CM2. Paris: Seuil, 2008. Présentation de l’ouvrage par son auteur, Stella Baruk,

professeur de mathématiques et chercheuse en pédagogie. Disponível em: http://www.math.ens.fr/culturemath/notes-lecture/baruk/Baruk-Culture - Acesso em: 22 abr. 2013.

CHAUVIRÉ, Christiane. Wittgenstein. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

FANN, K. T. Wittgenstein’s conception of philosophy. California: Blackwell, 1971.

GLOCK, Hans-Johann. Dicionário Wittgenstein. Tradução de Helena Martins. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

GOTTSCHALK, Cristiane Maria Cornélia. O conceito de compreensão – a mudança de perspectiva de Wittgenstein após uma experiência docente. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 32., Caxambu, 2009.

GRAYLING, A. C. Wittgenstein. São Paulo: Loyola, 2002.

MACMILLAN, C. J. B. How not to learn: reflections on Wittgenstein and learning. In: SMEYERS, Paul; MARSHALL, James D. (Ed.). Philosophy and education: accepting Wittgenstein’s challenge. Kluwer Academic Publishers, 1995. v. 6, p. 161-169.

MARCONDES, Danilo. Desfazendo mitos sobre a pragmática. Alceu, Rio de Janeiro, PUC-RJ, v. 1, n. 1, p. 38-46, jul.-dez. 2000.

OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Reviravolta lingüístico-pragmática na filosofia contemporânea. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2001.

REIS, Maria Fernanda de Moura. O Dicionário para escolas primárias de Ludwig Wittgenstein e a virada linguística. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

REYNES, Francis. Une tentative d’approche du langage mathé-

matique. Disponível em: http://www.univ-irem.fr/ciicollege/CycleCentraleT1/22_article13.pdf - Acesso em: 10 abr. 2012.

RORTY, Richard. Wittgenstein e a virada lingüística. 1992. Disponível em: http://ghiraldelli.files.wordpress.com/2008/07/rorty_virada.pdf - Acesso em: 25 nov. 2010.

VIEGAS, Maria Teresa. Dicionário de matemática elementar, de Stella Baruk. Tradução de Maria do Céu Pereira da Silva, Maria Elisa de Lima Mirra e Maria de Fátima Sousa Ribeiro, 2 volumes, Edições Afrontamento, Porto, 2005) (resenha). Gazeta da Matemática, Sociedade Portuguesa de Matemática, ano 68, n. 153, p. 42-46, jul. 2007.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Tradução de José Carlos Bruni. São Paulo: Nova Cultural, 1999. (Coleção Os Pensadores)

WITTGENSTEIN, Ludwig. Tractatus logico-philosophicus. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1968.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Wöterbuch für Volksschulen. Viena: Hölder-Pichler-Tempsky, 1977.

Publicado
2014-12-15
Como Citar
Abreu Silveira, M. R., Meira, J. de L., & da Silva, P. V. (2014). Os dicionários de Wittgenstein e de Baruk: o significado linguístico no ensino e no aprendizado da matemática. Educação, 37(3), 390-399. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2014.3.18147
Seção
Dossiê - Educação, pesquisa e linguagem: encontros e atravessamentos