Aristóteles e a práxis: uma filosofia do movimento

  • Lílian de Aragão Bastos do Valle Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Aristóteles. Movimento. Autoformação. Ação. Práxis.

Resumo

Muito embora a notável influência que continua inegavelmente a exercer no campo filosófico, a obra aristotélica permanece, no que respeita à reflexão correntemente praticada no campo educacional, quase inexplorada. Buscando desfazer alguns preconceitos e desautorizar lugares-comuns que, baseados em leituras pouco confiáveis do autor, não encontram fundamento nos textos, este artigo examina como se tematiza e equaciona, em algumas de suas obras, a relação entre vida e movimento. E, muito especialmente, o movimento humano, cerne da reflexão e da prática educacionais: movimento, pois, como atividade de formação, como capacidade de autoformação e, mais amplamente, como práxis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lílian de Aragão Bastos do Valle, Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Professora titular de Filosofia da Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, graduou-se em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1978) e tem doutorado em Educação pela Université de Paris V - René Descartes (1982). Realizou dois estágios de pós-doutorado, em 1991 e 2007, na École des Hautes Etudes en Sciences Sociales. Sua atuação e trabalhos concentram-se na área de Filosofia da Educação e têm como principais temas: educação democrática, o papel da filosofia da educação, autonomia e criação humana, escola pública, teoria e prática da formação humana. No campo da Filosofia da Educação, dedica-se com especial atenção às contribuições de Cornelius Castoriadis, Hannah Arendt e de Aristóteles.

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

ARISTÓTELES. Categorias, 9 a 1. [Catégories. Trad. Richard Bodeüs. Paris: Belles Lettres, 2002].

ARISTÓTELES. De l’âme [De Anima.. Trad. Richard Bodeüs. Paris: Flammarion, 1993; Jean Tricot. Paris: Vrin, 1988].

ARISTÓTELES. De memoria et reminiscentia [Parva Naturalia], 441 b 18-20 [De la mémoire et de la réminiscence, Petits traités d’histoire naturelle. Trad. René Mugnier. Paris: Belles Lettres, 2002].

ARISTÓTELES. Ética a Eudemo [Éthique à Eudème. Trad. Vianney Décarie. Paris: Vrin, 1987].

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco [Éthique à Nicomaque. Trad. Richard Bodeüs. Paris: Flammarion, 2004].

ARISTÓTELES. Metafísica [Métaphysique. Trad. Jean Tricot. Paris: Vrin, 2000].

ARISTÓTELES. Physique [Física]. Trad. L. Couloubaritsis. Paris: Vrin, 1991; Trad. Henri Carteron. Paris: Belles Lettres, 1990.

ARISTÓTELES. Política [Politique. Trad. Jean Aubonnet. Paris: Vrin, 1996].

ARISTÓTELES. Retórica [Rhétorique. Trad. M. Dufour. Paris: Belles Lettres, 2003].

BESNIER, Bernard Besnier. A distinção entre práxis e poiêsis em Aristóteles. Analytica, v. 1, n. 3, 2006.

BODEÜS, Richard. Catégories. Introduction. Paris: Belles Lettres, 2002. p. I-CCXVIII.

BRAGUE, Rémi. De la disposition chez Aristote. In: AUBENQUE, Pierre. Concepts et catégories dans la pensée antique. Paris: Vrin, 1980.

BRAGUE, Rémi. Aristote et la question du monde. Paris: PUF, 1988.

CASSIN, Barbara (Org.). Vocabulaire européen des philosophies. Paris: Seuil/Le Robert, 2004.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CASTORIADIS, Cornelius. Encruzilhadas do labirinto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

CASTORIADIS, Cornelius. Encruzilhadas do labirinto II: Domínios do homem. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

CASTORIADIS, Cornelius. Encruzilhadas do labirinto V: Feito e a ser feito. Rio de Janeiro: DPA, 2000.

DELEUZE, Gilles, Différence et répétition. Paris: PUF, 1989.

DESCOMBES, Vicent. La denrée mentale. Paris: Minuit, 1995.

FOUCAULT, Michel.Sur la nature humaine. Bruxelas: Aden Belgique, 2005.

FOUCAULT, Michel. Surveiller et punir. Naissance de la prison Paris: Gallimard, 1978.

GUMBRECHT, Hans. A produção da presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto/PUC-Rio, 2010.

HABERMAS, Jurgen, Teoria dell’agire communicativo. Bolonha: Il Mulino, 1986, p. 379-456, apud NATALI, Carlo. Actions et mouvements chez Aristote. Philosophie, n. 73, mar. 2002.

HABERMAS, Jurgen. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983.

HUMMEL, Charles. Aristote et l’éducation. In: SINACEUR, M. A.; AUBENQUE, Pierre. Aristote aujourd’hui. Paris: Unesco, 1998. p. 136-167.

LABARRIÈRE, Jean-Louis. La condition animale: études sur Aristote et les stoïciens. Louvain-la Neuve: Peeters, 2005.

LOMBARD, Jean. Aristote. Politique et éducation. Paris: Harmattan, 1994.

LOMBARD, Jean. Langage, vie politique et mouvement des animaux: études aristotéliciennes. Paris: Vrin, 2004.

MARROU, J.-I. Histoire de l’éducation dans l’Antiquité.

v. 1 – Le monde grec. Paris: Seuil, 1948.

MOREL, Pierre-Marie. Aristote. Une philosophie de l’activité. Paris: Flammarion, 2003.

MOREL, Pierre-Marie. Action humaine et action naturelle chez Aristote. Philosophie, n. 73, mar. 2002.

NATALI, Carlo. Actions et mouvements chez Aristote. Philosophie, n. 73, mar. 2002.

NATALI, Carlo. L’action efficace: études sur la philosophie de l’action d’Aristote. Louvain-la-Neuve: Peters, 2004.

PETIT, Alain. Eupraxia, fin inconditionnelle. Philosophie,

n. 73. Paris: Minuit, 2002.

PLATÃO, Menon [Mênon]. Trad. Louis Bodin. Paris: Belles Lettres, 1942.

RODRIGO, Pierre. Aristote. Une philosophie pratique: práxis, politique et bonheur. Paris: Vrin, 2006.

VALLE, Lílian do. Os enigmas da educação: a paidéia democrática entre Platão e Castoriadis. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

Publicado
2014-08-11
Como Citar
do Valle, L. de A. B. (2014). Aristóteles e a práxis: uma filosofia do movimento. Educação, 37(2), 263-277. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2014.2.15563
Seção
Outros Temas