Os gestores escolares e a inserção das escolas na comunidade

  • Leila Maria Ferreira Salles UNESP/Rio Claro
  • Luciano Plez de Melo UNESP/RC
  • Joyce Mary Adam de Paula e Silva UNESP/RC
  • Debora Cristina Fonseca UNESp/RC
Palavras-chave: Gestores escolares. Escola. Comunidade.

Resumo

Este trabalho tem por objetivo compreender os modos de inserção de duas escolas na comunidade na qual se situam por meio de depoimentos de gestores escolares. Busca-se investigar as representações dos gestores sobre a comunidade e desvelar os processos de aproximação e/ou distanciamento da escola com o entorno escolar. As respostas dadas pelos gestores foram agrupadas em dois conjuntos temáticos conforme se referiam à comunidade ou a relação escola-comunidade. O estudo indicou que as representações construídas sobre uma comunidade de periferia, percebida predominantemente como uma comunidade problema, se impõe e contribui para que a relação escola-comunidade seja marcada por conflitos e desencontros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2011.

BALTRUSIS, Nelson; D’OTTAVIANO, Maria Camila Loffredo. Ricos e pobres, cada qual em seu lugar: a desigualdade socioespacial na metrópole paulistana. Cadernos CRH, Salvador, v. 22, n. 55, p. 135-149, abr. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo>. Acesso em: 12 abr. 2010.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1977.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora, 1994.

COSTA, Sylvio de Souza Gadelha. De fardos que podem acompanhar a atividade docente ou de como o mestre pode devir burro ou (camelo). Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 93, set./dez. 2005. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 4 nov. 2006.

DUBET, François. O que é uma escola justa? Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 123, p. 539-555, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo>. Acesso em: 17 fev. 2005.

DUBET, François; DURU-BELLAT, Marie. L’hypocrisie scolaire: pour un collège enfin démocratique. Paris: Seuil, 2000.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

LASCH, Christopher. Cultura do narcisismo: a vida americana numa era de esperanças em declínio. Rio de janeiro: Imago, 1983.

LASCH, Christopher. O mínimo eu: sobrevivência psíquica em tempos difíceis. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

LASCH, Christopher. Refúgio num mundo sem coração: a família: santuário ou instituição sitiada? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

MENDONÇA, Erasto Fortes. Estado patrimonial e gestão democrática do ensino público no Brasil Educação & Sociedade, v. 22, n. 75, ago. 2001.

MOSCOVICI, Serge. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MOSCOVICI, Serge. On social representations. In: FORJAS, J. (Org.). Social cognition: perspectives on evereday under-

standing. London: Academic Press, 1981.

NIETZSCHE. Friedrich. Genealogia da moral. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

SALLES, Leila. Maria Ferreira. Reflexões sobre jovens, violência e escola. 2009. Tese (Livre Docência) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2009.

SALLES, Leila. Jovens, escola e violência: alguns apontamentos sobre o processo de inclusão e exclusão simbólica de jovens.

In: SALLES, Leila; SILVA, Joyce Mary Adam de Paula e (Org.). Jovens, violência e escola: um desafio contemporâneo. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 87-103.

SAWAIA, Bader. Burihan. Representação e ideologia: o encontro desfetichizador. In: SINPK, Mary Jane (Org.). O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1993. p. 73-84.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. 8. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

SENNETT, Richard. Carne e pedra. 3. ed. São Paulo: Record, 2005.

SENNETT, Richard. La cultura del nuevo capitalismo. Barcelona: Anagrama, 2006.

SILVA, Joyce Mary Adam Paula. Cultura nacional, cultura das organizações escolares e a gestão democrática: algumas reflexões. Gestão em Ação, Salvador, v. 9, n. 3, p. 289-301, set./dez. 2006.

SPOSITO, Marilia Pontes. Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa, São Paulo,

v. 27, n. 1, p. 87-103, jan./jun., 2001. Acesso em: 18 maio

THIN, Daniel. Famílias de camadas populares e a escola: confrontação desigual e modos de socialização. In: MULLER, Maria Lucia Rodrigues; PAIXÃO, Léa Pinheiro. (Org.). Educação, diferenças e desigualdades. Cuiabá, MT: Ed. UFMT, 2006. p. 17-55.

WACQUANT, Loïc. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. 3. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2007.

YOUNG, Jock. A sociedade excludente: exclusão social, criminalidade e diferença na modernidade recente. Rio de Janeiro: Revan, 2002.

Publicado
2015-04-14
Como Citar
Salles, L. M. F., Melo, L. P. de, Silva, J. M. A. de P. e, & Fonseca, D. C. (2015). Os gestores escolares e a inserção das escolas na comunidade. Educação, 38(1), 113-123. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2015.1.11836