O novo espírito da depressão

Imperativos de autorrealização e seus colapsos na modernidade tardia

Palavras-chave: Depressão, Modernidade tardia, Capitalismo, Individualização, Aceleração

Resumo

O artigo arrisca uma interpretação sociológica da suposta “pandemia de depressão” que assola a contemporaneidade. Os mal-estares psíquicos comumente descritos como experiências depressivas são compreendidos à luz das formas de subjetividade produzidas ou, pelo menos, encorajadas pela modernidade tardia. Com base no retrato sócio-histórico do “novo espírito do capitalismo” formulado por Boltanski e Chiapello, o texto defende que os atributos de iniciativa, empreendedorismo e adaptabilidade tornaram-se imperativos da individualidade contemporânea não somente no mundo do trabalho, mas também em diversos outros domínios existenciais, tais como o cuidado com o corpo e as relações erótico-
afetivas. Sem desconsiderar a inflação de diagnósticos psiquiátricos como parte das causas por trás da alegada pandemia de depressão na atualidade, o trabalho sustenta que as formas muito reais de sofrimento psíquico classificadas nesses termos são a moeda reversa, por assim dizer, de demandas sistêmicas pela autorrealização individual: o colapso depressivo da iniciativa e a ausência de “projetos” substituem o “empreendedorismo de si”; a interrupção do movimento sobrepuja a adaptabilidade flexível do self a uma sociedade de mudanças aceleradas; e a experiência do isolamento existencial substitui a esperada comunicabilidade do sujeito-trabalhador contemporâneo como infatigável networker. O trabalho conclui com uma reflexão sobre os limites que a civilização contemporânea coloca à “ecologia psíquica” e à “economia energética” dos indivíduos nela imersos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Peters, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil

Doutor em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Iesp/Uerj), Rio de Janeiro, RJ, Brasil; professor adjunto do Departamento de Sociologia na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE, Brasil.

Referências

Adorno, Theodor E. e Max Horkheimer. 1985. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar.

Bauman, Zygmunt. 1998. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bauman, Zygmunt. 1999. In search of politics. Cambridge: Polity.

Bergh, Bert van der. 2013. Self-fulfillment or self-erosion? Depression as key pathology of late modernity. In Rethinking madness, organizado por Gonzalo Araoz, Fátima Alves e Katrina Jaworski, 1-23. Oxford: Inter-Disciplinary Press.

Boltanski, Luc e Laurent Thévenot. 1991. De la justification. Paris: Gallimard.

Boltanski, Luc e Ève Chiapello. 2007. The new spirit of capitalism. London: Verso.

Crary, Jonathan. 2013. 24/7: capitalism and the ends of sleep. London: Verso.

Durkheim, Émile. 1999. As formas elementares da vida religiosa. São Paulo: Martins Fontes.

Durkheim, Émile. 2000. O suicídio. São Paulo: Martins Fontes.

Ehrenberg, Alain. 2009. The weariness of the self. Montreal: McGill-Queen’s University Press.

Ehrenberg, Alain. 2010. O culto da performance. Aparecida: Ideias & Letras.

Foucault, Michel. 1977. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes.

Freud, Sigmund. 2013. Luto e melancolia. São Paulo: CosacNaify.

Fuchs, Thomas. 2014. Depression, intercorporeality and interaffectivity. In Depression, emotion and the self, organizado por Matthew Ratcliffe, 219-238. Exeter: Imprint Academic.

Goffman, Erving. 1975. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes.

Hamlin, Cynthia e Gabriel Peters. 2018. Consumindo como uma garota: subjetivação e empoderamento na publicidade voltada para mulheres. Lua Nova 103: 167-202. https://doi.org/10.1590/0102-138/103.

Han, Byung-Chun. 2015. Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes.

Honneth, Axel. 2004. Organised Self-realization: some paradoxes of individualization. European Journal of Social Theory 7 (4): 463–78. https://doi.org/10.1177/1368431004046703.

Horwitz, Allan e Jerome Wakefield. 2007. The loss of sadness. Oxford: Oxford University Press.

Karp, David A. 1997. Speaking of sadness: Depression, disconnection, and the meanings of illness. Oxford: Oxford University Press.

Kramer, Peter. 1994. Listening to Prozac. New York: Viking.

Leader, Darian. 2009. The new black: mourning, melancholia and depression. London: Pen¬guin Books.

Marcuse, Herbert. 2006. One-dimensional man. London: Routledge.

Petersen, Anders. 2009. Depression: a social pathology of action. Irish Journal of Sociology 17 (2): 56-71. https://doi.org/10.7227/IJS.17.2.5.

Plath, Sylvia. 2019. A redoma de vidro. Rio de Janeiro: Biblioteca Azul.

Ratcliffe, Matthew. 2015. Experiences of depression. Oxford: Oxford University Press.

Rosa, Hartmut. 2013. Social acceleration. New York: Columbia University Press.

Rose, Nikolas. 1999. Governing the soul. London: Free Association Books.

Rose, Nikolas. 2003. Neurochemical selves. Society 41(1): 46-59.

Simmel, Georg. 2005. As grandes cidades e a vida do espírito. Mana 11(2): 577-591. https://doi.org/10.1590/S0104-93132005000200010.

Solomon, Andrew. 2014. Noonday demon: an atlas of depression. New York: Scribner.

Taylor, Charles. 1991. The ethics of authenticity. Cambridge: Harvard University Press.

Türcke, Christopher. 2010. Sociedade excitada: filosofia da sensação. Campinas: Unicamp.

Türcke, Christopher. 2016. Hiperativos! Abaixo a cultura do déficit de atenção. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Vandenberghe, Frédéric. 2013. What’s critical about critical realism? London: Routledge.

Weber, Max. 2004. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes.

Publicado
2021-05-04
Como Citar
Peters, G. (2021). O novo espírito da depressão: Imperativos de autorrealização e seus colapsos na modernidade tardia. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(1), 71-83. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.1.39150
Seção
Dossiê: Teoria Social e Sociologia Existencial