Desenvolvimento sustentável empresarial: práticas e concepções sobre sustentabilidade na cadeia produtiva do plástico verde

  • Rodrigo Foresta Wolffenbüttel Professor Substituto no Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) e Doutorando no Programa de Pós-Graduação de Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). http://orcid.org/0000-0002-3417-563X
  • Sandro Ruduit Garcia Professor Adjunto do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia, IFCH/UFRGS. http://orcid.org/0000-0002-7060-2678
Palavras-chave: Sustentabilidade empresarial. Mercados. Sociologia Econômica. Plástico verde.

Resumo

A partir do pressuposto que economias de mercado são reguladas por ordens sociais que regulam ou limitam as trocas com base em convenções, normas e valores, o presente estudo busca investigar o conjunto de sentidos atribuídos à sustentabilidade pelos atores empresariais e sua transformação em cursos de ação produtiva e econômica nas empresas. Uma vez que a sustentabilidade se refere a um valor em constante disputa e a efetividade dos sentidos atribuídos a ela depende da representação sobre a sua validade, a pesquisa voltou-se para as concepções de sustentabilidade e transformações promovidas por empresas que aderiram ao plástico verde, um plástico cuja matéria-prima é renovável. A análise dos dados aponta para uma concepção de sustentabilidade como um modelo de gestão endógeno ao negócio, sensível às críticas e contestações, mas perpassado por suas limitações em relação ao crescimento econômico. Os resultados apontam ainda para a relevância da sustentabilidade na construção de expectativas que permitem a complexa coordenação de ações diversas no processo econômico capitalista.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Foresta Wolffenbüttel, Professor Substituto no Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) e Doutorando no Programa de Pós-Graduação de Sociologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Doutorando no Programa de Pós-Graduação de Sociologia, pesquisador do grupo de pesquisas Sociedade e Economia.

Sandro Ruduit Garcia, Professor Adjunto do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia, IFCH/UFRGS.

Sociólogo, Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Sua atuação está voltada para a área de Sociologia Econômica, com investigações, publicações e orientações sobre: empresas globais e atores locais, estratégias de inovação e desenvolvimento, produção de bens e serviços culturais.

Referências

Abramovay, Ricardo. 2012. Muito além da economia verde. São Paulo: Ed. Abril.

Almeida, Jalcione. 1997. A problemática do desenvolvimento sustentável. In Desenvolvimento sustentável: necessidade e/ ou possibilidade? organizado por Dinizar F. Becker. Santa Cruz do Sul: Edunisc.

Almeida, Jalcione e Adriano Premebida. 2014. Histórico, relevância e explorações ontológicas da questão ambiental. Sociologias 16 (35): 14-33. https://doi.org/10.1590/S1517-45222014000100002.

Alphandéry, Pierre; Pierre Bitoun e Yves Dupont. 1991. O equívoco ecológico: riscos políticos. São Paulo: Brasiliense.

Barbosa Júnior, Afonso F.; Rafael M. de Morais; Sebastião F. Emerenciano; Handson C. D. Pimenta; Reidson P. Gouvinhas. 2008. Conceitos e aplicações da Análise do Ciclo de Vida (ACV) no Brasil. Revista Gerenciais 7 (1): 39-44.

Bardin, Laurence. 2011. Análise de conteúdo. São Paulo, Edições 70.

Beckert, Jens. 2017. Reimaginando a dinâmica capitalista: expectativas ficcionais e o caráter aberto dos futuros econômicos. Tempo Social 29 (1): 165-189. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2017.119003.

Boltanski, Luc e Chiapello, Ève. 2009. O espírito do capitalismo e o papel da crítica. In O novo espírito do

capitalismo, organizado por Luc Boltanski e Ève Chiapello, 31-80. São Paulo: Martins Fontes.

Brundtland, Gro Harlem (org.). 1987. Nosso futuro comum. Editora da FGV.

Daly, Herman. 2004. Crescimento sustentável, não obrigado. Ambiente & Sociedade 7 (2). https://doi.org/10.1590/S1414-753X2004000200012.

Fligstein, Neil. 2001. Mercado como política: uma abordagem político-cultural das instituições de mercado. Contemporaneidade e Educação 9 (1): 26-55.

Garcia, Sandro R. 2017. Sentido das mudanças: economia criativa e suas implicações sociais em Porto Alegre. Ciências Sociais Unisinos 53 (1): 15-23. https://doi.org/10.4013/csu.2017.53.1.02.

Hommel, Thierry e Olivier Godard. 2005. Contestação social e estratégias de desenvolvimento industrial: aplicação do modelo da gestão contestável a produção industrial de OGM. In Organismos geneticamente modificados, organizado por Marcelo Dias Varella e Ana Flavia Barros-Platiau, 251-284. Belo Horizonte: Del Rey.

McCormick, John. 1992. Rumo ao paraíso: a história dos movimentos ambientalistas. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Nascimento, Elimar Pinheiro do. 2012. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao

econômico. Estudos Avançados 26 (74): 51-64. https://doi.org/10.1590/S0103-40142012000100005.

Rist, G. 2008. The history of development: from western origins to global faith. 3 ed. London: Zed Books.

Sartore, Marina de Souza. 2012. Da filantropia ao investimento socialmente responsável: novas distinções. Caderno CRH 25 (66): 451-464. https://doi.org/10.1590/S0103-49792012000300005.

Schluchter, Wolfgang. 2014. O desencantamento do mundo: seis estudos sobre Max Weber. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Varandas, Maria José. 2013. As raízes europeias do ambientalismo norte-americano: Rousseau no novo mundo. Perspectiva Filosófica 1 (39): 123-138.

Veiga, José Eli da. 2010. Sustentabilidade: a legitimação de um novo valor. São Paulo: Senac.

Weber, Max. 2009. Economia e sociedade. v. 1. 4 ed. São Paulo: Editora UnB.

Wolffenbüttel, Rodrigo Foresta. 2015. Sustentabilidade e ação socioeconômica: a rede produtiva do plástico verde. Dissertação de Mestrado em Sociologia, Ufrgs, Porto Alegre.

Publicado
2020-07-16
Como Citar
Wolffenbüttel, R. F., & Garcia, S. R. (2020). Desenvolvimento sustentável empresarial: práticas e concepções sobre sustentabilidade na cadeia produtiva do plástico verde. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 20(2), 198-209. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2020.2.31887