Narrativas e pesquisa biográfica na sociologia brasileira: Revisão e perspectivas

  • Hermílio Santos Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Patricia Oliveira Universität Frankfurt (Alemanha)
  • Priscila Susin Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Biografia. História de vida. Narrativa.

Resumo

Este artigo discute as diferentes formas em que relatos orais biográficos têm sido utilizados na literatura sociológica brasileira. Para isso, é apresentada uma breve revisão das diversas abordagens desde a década de 1950 até os dias atuais, apontando alguns estudos e instituições de destaque para o uso e desenvolvimento do método em investigações empíricas no contexto nacional. Além disso, destacamos o diálogo dos estudos brasileiros com algumas das ramificações de estudos biográficos no cenário internacional, em especial na sociologia alemã.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hermílio Santos, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutor pela Freie Universität Berlin (Alemanha), coordenador do Centro de Análises Econômicas e Sociais (Caes-Pucrs), professor do PPG em Ciências Sociais da Pucrs em Porto Alegre, RS, Brasil. O artigo foi finalizado durante período como bolsista de pós-doutorado (Capes) no Centro de Métodos em Ciências Sociais da Universität Göttingen, Alemanha.
Patricia Oliveira, Universität Frankfurt (Alemanha)
Doutora em Sociologia pela Universität Frankfurt (Alemanha), trabalha atualmente na Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República em Brasília, DF, Brasil.
Priscila Susin, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutoranda em Ciências Sociais na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (Org.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: Edipucrs, 2004.

ALBERTI, Verena. Manual de história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1990.

ALBERTI, Verena. História oral na Alemanha: semelhanças e dessemelhanças na constituição de um mesmo campo. Rio de Janeiro: CPDoc, 1996.

ALBERTI, Verena. Obras coletivas de história oral. Tempo, v. 2, n. 3, p. 206-219, 1997.

ALBERTI, Verena. Ouvir contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ALBERTI, Verena. De “versão” a “narrativa” no manual de história oral. História oral, v. 15, n. 2, p. 159-166, 2012.

ALVAREZ, Marcos César. Florestan Fernandes e Tiago Marques Aipobureu: biografia e sociedade. Tempo Social, v. 19, n. 2, p. 289-292, 2007.

ANTUNIASSI, Maria H. R. Produção e reprodução nos assentamentos de trabalhadores rurais: o caso da família Pereira. In: Workshop O desenvolvimento de uma outra agricultura: acesso a terra e a meios de produção: a questão da fome e a integração social. Curitiba: UFPR, v. 1. p. 197-215, 1995.

ATAÍDE, Yara Dulce Bandeira de. Decifra-me ou devoro-te: história oral de vida dos meninos de rua de Salvador. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

BARROS, Vanessa Andrea de; BARROS, Carolye Reis; NOGUEIRA, Maira Luísa Magalhães. “Conte-me sua história”: reflexões sobre o método de história de vida. Mosaico: estudos em Psicologia, v. 1, n. 1, p. 25-35, 2007.

BERTAUX, Daniel. L’approche biographique: sa validité méthodologique, ses potentialités. Cahiers Internationaux de Sociologie, v. 69, p. 197-225, 1980.

BOSCHILIA, Roseli. Entre fitas, bolachas e caixas de fósforos: a mulher no espaço fabril curitibano (1940-1960). Curitiba: Artes & Textos, 2000.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade. São Paulo: TA Queiroz, 1979.

BOURDIEU, Pierre. L’illusion biographique. Actes de la recherche en sciences sociales, v. 62-63, p. 69-72, 1986.

BUENO, Juliana Dourado; MORAES, Maria Aparecida M. Espaços e tempos cruzados: trajetórias de trabalhadoras no interior paulista. 5º Encontro da rede de estudos rurais – UFPA, Belém, PA, 2012.

CAMARGO, Aspásia; HIPOLITO, Lucia; LIMA, Valentina da Rocha. Histórias de vida na América Latina, BIB, n. 16, p. 5-24, 1983.

CAMARGO, Aspásia; RAPOSO, Eduardo Raposo; FLAKSMAN, Sérgio (Orgs.). O Nordeste e a política: diálogos com José Américo de Almeida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

CAMARGO, Aspásia. O método qualitativo: usos e perspectivas. Anais do II Congresso Nacional de Sociologia. Brasília: UNB, 1987.

CAVALCANTI, Pedro Celso Uchôa; RAMOS, Jovelino (Orgs.). Memórias do exílio: muitos caminhos. São Paulo: Editora Livramento, 1976.

COSTA, Albertina de Oliveira; MORAES, Maria Teresa Porciúncula; MARZOLA, Norma; LIMA, Valentina da Rocha. Memórias das mulheres no exílio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

CUBAS, Caroline Jaques. Do feminismo a seus plurais. Estudos Feministas, v. 20, n. 1, p. 316-319, 2012.

DEMARTINI, Zeila B. Marcas da guerra em terra distante: relatos de japoneses em São Paulo. História oral, v. 7, p. 145-180, 2004.

DURHAM, Eunice. Mobilidade e assimilação: a história do imigrante italiano num município paulista. São Paulo: IEB, 1966.

DURHAM, Eunice. A caminho da cidade: a vida rural e a migração para São Paulo. São Paulo: Ática, 1973.

FERNANDES, Florestan. Tiago Marques Aipobureu: um bororo marginal. Tempo Social, v. 19, n. 2, p. 293-323, 2007.

FERREIRA, Marieta de Moraes. Desafios e dilemas da história oral nos anos 90: o caso do Brasil, História Oral, n. 1, p. 19-30, 1998.

FERREIRA, Marieta de Moraes. Introdução. In: M. M. Ferreira (Org.). História oral e multidisciplinaridade. Rio de Janeiro: Diadorim, 1994. p. 7-18.

GOSS, Karine Pereira. Trajetórias militantes: análise de entrevistas narrativas com professores e integrantes do Movimento Negro. In: Wivian Weller; Nicolle Pfaff (Orgs.). Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. Petrópolis: Editora Vozes, 2010. p. 223-238.

GUÉRIOS, Paulo Renato. O estudo de trajetórias de vida nas Ciências Sociais: trabalhando com as diferentes escalas. Campos, v. 12, v. 1, p. 9-29, 2011.

LAHIRE, Bernard. Retratos sociológicos: disposições e variações individuais. Porto Alegre: Artmed, 2004.

LANG, Alice Beatriz da Silva Gordo. A palavra do outro: uso e ética. 20º Encontro Anual da Anpocs. Caxambu, 1996.

MALVASI, Paulo Artur. Entre frieza, o cálculo e a ‘vida loka’: violência e sofrimento no trajeto de um adolescente em cumprimento de medida socioeducativa. Saúde Social, v. 20, n. 1, p. 156-170, 2011.

MALVASI, Paulo Artur. Interfaces da vida loka: um estudo sobre jovens, tráfico de drogas e violência em São Pauo (tese de Doutorado Faculdade de Saúde Pública – USP). São Paulo, 2012.

MARTINS, José de Souza. Vida e história na sociologia de Florestan Fernandes: reflexões sobre o método da história de vida. Revista USP, v. 29, p. 14-19, 1996.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Canto de morte Kaiowá. São Paulo: Loyola, 1991.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; LEVINE, Robert M. Cinderela negra: a saga de Carolina Maria de Jesus. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1994.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Desafios da história oral latino-americana: o caso do Brasil. In: M. M. Ferreira; T. M. Fernandes; V. Alberti (Orgs.). História oral: desafios para o século 21. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2000. p. 85-98.

MENEZES, Marilda A. Camponeses-migrantes: histórias de vida e identidade. Raízes, v. 15, n. 12, p. 147-156, 1996.

MENEZES, Marilda A. Relações entre pais, mães e filhas(os) em famílias camponesas: memória e infância. Teoria & Pesquisa, v. 49, p. 87-110, 2006.

MONTAGNER, Miguel Ângelo. Trajetórias e biografias: notas para uma análise bourdieusiana. Sociologias, v. 9, n. 17, p. 240-264, 2007.

MONTENEGRO, Antônio T.; FERNANDES, Tania M. (Orgs.). História oral: um espaço plural. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2001.

NEGRÃO, Ana Maria Melo. Da infância à adultez: memória tecendo a trajetória de vida das acolhidas pelo Asilo de Órfãs da Santa Casa de Misericórdia de Campinas. Revista Contemporânea de Educação, v. 4, n. 7, p. 95-116, 2009.

PARSONS, Arthus S. Interpretive sociology: the theoretical significance of Verstehen in the constitution of social reality. Human Studies, v. 1, n. 1, p. 111-137, 1978.

PATAI, Daphne. Brazilian women speak. New Brunswick: Rutgers University Press, 1985.

PEREIRA, Lígia Maria Leite. Relatos orais em ciências sociais: limites e potencial. Análise & Conjuntura, v. 6, n. 3, p. 109-127, 1991.

QUEIROZ, Maria Isaura de. Relatos orais: do indizível ao dizível. In: Olga de Moraes Simson (Org.). Experimentos com história de vida Itália/Brasil. São Paulo: R. T., 1988. p. 14-43.

QUEIROZ, Maria Isaura P. de. Variações sobre a técnica de gravador no registro da informação viva. São Paulo: T. A. Queiroz, 1991 [orig.: Ceru, coleção textos v. 4, 1983].

RAMIRO, Patrícia. A. Identidade e pobreza: buscando caminhos para interpretação da vida na cidade. In: C. T. Lucena; N. M. M. de Gusmão (Orgs.). Discutindo identidades. São Paulo: Humanitas, p. 17-28, 2006.

ROSENTHAL, Gabriele. Reconstructions of life stories. The narrative study of lives, v. 1, n. 1, p. 59-91, 1993.

ROSENTHAL, Gabriele. Erlebte und erzählte Lebensgeschichte: Gestalt und Struktur biographischer Selbstbeschreibungen. Frankfurt: Campus Verlag, 1995.

ROSENTHAL, Gabriele. Die Kinder des “Dritten Reiches”: Sozialisiert im familialen Rechstfertigungsdialog. In: Hamburger Institut für Sozialforschung (Org.). Besucher einer Ausstellung. Hamburg, 1998.

ROSENTHAL, Gabriele. Biographical method: biographical research. In: C. Seale; G. Gobo; J. F. Gubrium; D. Silverman (Orgs.). Qualitative research practice. London: Sage, 2004. p. 48-64.

SANTHIAGO, Ricardo. Os testemunhos latino-americanos e o projeto utópico da história oral no Brasil: cultura intelectual, militância e populismo. Revista Extraprensa, v. 1, n. 1E, p. 901-908, 2010.

SANTOS, Hermílio. Adolescents and experience with violence: making sense of subjective interpretations of life-world. Vibrant, v.7, n. 2, p. 135-165, 2010.

SANTOS, Hermílio. Ação e relevância em narrativas de adolescentes autoras de atos infracionais. Contemporânea, v. 2, n. 2, p. 489-512, 2012a.

SANTOS, Hermílio. Action and relevance: making sense of subjetive interpretations in biographical narratives. Schutzian Research, v. 4, p. 111-124, 2012b.

SANTOS, Inês Maria Meneses dos; SANTOS, Rosângela da Silva. A etapa de análise no método história de vida: uma experiência de pesquisadores de enfermagem. Texto contexto, v. 17, n. 4. p. 714-719, 2008.

SCHÜTZ, Alfred. Fenomenologia e relações sociais. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

SCHUTZ, Alfred. Theorie der Lebenswelt 1 – Die pragmatische Schichtung der Lebenswelt (Alfred Schutz Werkausgabe, vol. 5-, organizado por Martin Endreß e Ilja Srubar). Konstanz: UVK, 2003.

SCHÜTZ, Alfred. Relevanz und Handeln 1 – Zum Phänomenologie des Alltagswissens (Alfred Schütz Werkausgabe, v. 6-1, organizado por Elisabeth List). Konstanz: UVK, 2004.

SCHUTZ, Alfred; LUCKMANN, Thomas. The structures of the life-world. v. 1. Evanston: Northwestern University Press, 1973.

SCHÜTZE, Fritz. Biographieforschung und narratives Interview. Neue Praxis, v. 13, n. 3, p. 283-293, 1983.

SCHÜTZE, Fritz. Pesquisa biográfica e entrevista narrativa. In: Wivian Weller; Nicolle Pfaff (Orgs.). Metodologias da pesquisa qualitative em educação: teoria e prática. Petrópolis: Vozes, 2010. p. 210-222.

SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes Von (Org.). Os desafios contemporâneos da história oral. Campinas: CMU/Unicamp, 1997.

SILVA, Maria Aparecida de Moraes. Errantes do fim do século. São Paulo: Edunesp, 1999.

SILVA, Haike Rosalene Kleber da Silva. Considerações e confusões em torno de história oral, história de vida e biografia. Métis: história & cultura, v. 1, n. 1, p. 25-38, 2002.

SOUZA, Lucas Marcelo Tomaz de. Eu devia estar contente: a trajetória de Raul Santos Seixa. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Marília, Unesp, 2011.

SRUBAR, Ilja. On the origin of ‘phenomenological’ sociology. Human Studies, v. 7, n. 2, p. 163-189, 1984.

TRUC, Gérôme. Narrative identity against biographical illusion: the shift in sociology from Bourdieu to Ricoeur. Études Ricoueriennes/Ricouer Studies, v. 2, n. 1, p. 150-167, 2011.

VIEIRA, Danielli. Histórias sobre homicídios entre jovens: “Mundo do crime” e comensurabilidade. Dilemas, v. 4, n. 2, p. 281-381, 2011.

VILLAS BÔAS, Glaucia. A recepção da sociologia alemã no Brasil: notas para uma discussão. BIB, n. 44, p. 73-80, 1997.

VÖLTER, Bettina. Judentum und Kommunismus: Deutsche Familiengeschichten in drei Generationen. Opladen: Leske + Budrich, 2003.

WELLER, Wivian. A presença feminina nas (sub)culturas juvenis: a arte de se tornar visível. Estudos Feministas, v. 13, n. 1, p. 107-126, 2005a.

WELLER, Wivian. A contribuição de Karl Mannheim para a pesquisa qualitativa: aspectos teóricos e metodológicos. Sociologias, v. 7, n. 13, p. 260-300, 2005b.

Publicado
2014-06-26
Como Citar
Santos, H., Oliveira, P., & Susin, P. (2014). Narrativas e pesquisa biográfica na sociologia brasileira: Revisão e perspectivas. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 14(2), 359-382. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2014.2.17152