Bata o seu koo

Corpo, gênero e performances de racialidade em uma festa negra LGBTQIA+

Palavras-chave: Raça, Gênero, Cenas Musicais

Resumo

Dentro de um projeto de pesquisa mais amplo voltado para o estudo sobre cenas musicais negras desenvolvidas no atual contexto urbano brasileiro, este artigo resulta de observações desenvolvidas a respeito da festa Batekoo, realizada na cidade de São Paulo. A partir de um relato de inspiração etnográfica, o texto apresentado busca discutir os sentidos, estéticas e valores postos em circulação a partir dessa festa, a fim de ampliar as discussões sobre as reconfigurações das identidades raciais observando o consumo da música popular, a configuração de novos estilos e as performatizações de gênero como estratégias reflexivas para a negociação de subjetividades e tensionamento das relações de poder. Busca-se, dessa forma, apresentar novos caminhos teóricos para a compreensão das dinâmicas raciais, reconhecendo nas mediações das produções culturais negras juvenis diferentes dramatizações de linguagens e novos projetos estéticos e identitários performados no espaço da festa que ensejam diferentes exercícios estéticos, comunicativos e políticos na cidade contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Xavier de Oliveira, Universidade Federal do ABC (UFABC), São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Doutora em Comunicação Social pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, RJ, Brasil. Docente do Bacharelado em Ciências e Humanidades e do Planejamento Territorial da Universidade Federal do ABC (UFABC), em São Bernardo do Campo, SP, Brasil. 

Referências

AMARAL, Adriana; SOARES, Thiago; POLIVANOV, Beatriz. Disputas sobre performance nos estudos de Comunicação: desafios teóricos, derivas metodológicas. Intercom. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 63-79, jan./jun. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/interc/a/LhmGkbnggZ3TL4R7h5QbBgf/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: dez 2021.

ANZALDÚA, Gloria. Borderlands/La Frontera: The New Mestiza. San Francisco: Aunt Lute Books, 1987.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

BUTLER, Judith. Actos performativos y constitución del género: un ensayo sobre fenomenología y teoría feminista. Debate Feminista, Ciudad de México, v. 18, p. 296-314, 1 out. 1998.

CARDOSO FILHO, Jorge. O cultivo retórico da escuta. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 23., 2014, Belém. Anais [...]. Campinas, Galoá, [2014]. Disponível em: https://proceedings.science/compos/compos-2014/papers/o-cultivo-retorico-da-escuta. Acesso em: dez 2021.

FERREIRA, Jerusa Pires. “Alto” / “Baixo”: o grotesco corporal e a medida do corpo. Proj. História, São Paulo, n. 25, dez. 2002.

GADEA, Carlos. Negritude e pós-africanidade: crítica das relações raciais contemporâneas. Porto Alegre: Sulina, 2013.

GOMES, Nilma Lino. Educação e relações raciais: Discutindo algumas estratégias de atuação. In: MUNANGA, Kabengele (org.). Superando o racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 143-154.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

HALL, Stuart. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

HEBDIGE, Dick. Subculture: The Meaning of Style. Florence, USA: Routledge, 1979.

JANOTTI JÚNIOR, Jeder. “Partilhas do Comum”: cenas musicais e identidades culturais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO – INTERCOM, 35., 2012, Fortaleza. Anais [...]. São Paulo: Intercom, [2012]. Disponível em: http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2012/resumos/r7-1388-1.pdf. Acesso em: dez. 2021

LISKA, Gerhard. An Emancipatory Topology of Desire. World Futures, [S. l.], v. 76, n. 5-7, p. 420-433, 9 jul. 2020.

OLIVEIRA, Luciana Xavier. Vem pro baile, vem pra rua: Territorialidades, estilos e identidades em um baile black no Rio de Janeiro. Logos, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 10-24, 2019.

OLIVEIRA, Luciana Xavier. A cena musical da Black Rio: estilos e mediações nos bailes soul dos anos 1970. Salvador: Edufba, 2018.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

STRAW, Will. Scenes and Sensibilities. E-Compós: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, [S. I.], v. 6, ago. 2006. Disponível em: https://www.e-compos.org.br/e-compos/article/view/83. Acesso em: dez. 2021.

STRAW, Will. Systems of articulation, logics of change: scenes and communities in popular music. Cultural Studies, [S. l.], v. 5, n. 3, p. 361-375, out. 1991.

YÚDICE, George. A conveniência da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

Publicado
2022-09-21
Como Citar
Oliveira, L. X. de. (2022). Bata o seu koo: Corpo, gênero e performances de racialidade em uma festa negra LGBTQIA+. Revista FAMECOS, 29(1), e42438. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2022.1.42438