Vitrine das hipermasculinidades

Estratégias de legitimação discursiva de conteúdos machistas em comunidades no Facebook

Palavras-chave: Masculinidades, Representações Midiáticas, Humor, Heterotopia, Consumo Midiático

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir os mecanismos discursivos que legitimam manifestações midiáticas de hipermasculinidade, bem como analisar a quais tipos de convocação para o consumo midiático eles respondem. Para isso, estudaremos a comunidade do Facebook intitulada Manual do Jogador Ruim. A partir da metodologia da Análise Crítica do Discurso, é possível observar que essas produções são atravessadas por discursos de masculinidades performaticamente vigilantes que constituem um espaço heterotópico de articulação discursiva via humor, de forma que suas estratégias discursivas de legitimação do conteúdo machista se articulam em torno da possibilidade de habitação de lugar ambíguo de representação identitária, em que as normatividades de gênero são, ao mesmo tempo, expostas e mitigadas pelo recurso ao humor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliza Bachega Casadei, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), São Paulo, SP, Brasil.

Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil; com pós-doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Midiática da Universidade Estadual Paulista (UNESP), em São Paulo, SP, Brasil; professora titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), em São Paulo, SP, Brasil.

 

Referências

ALEXANDER, Susan M.; WOODS, Katie. Reality Television and the Doing of Hyperauthentic Masculinities. Journal of Men’s Studies, [S. I.], v. 27, n. 3, p. 243-264, 2019.

BENGTSSON, Tea Torbenfeldt. Performing Hypermasculinity: experiences with confined young offenders. Men and Masculinities, [S. I.], v. 19, n. 4, p. 410-428, 2016.

BERGER, Arthur. An Anatomy of Humor. New Jersey: Transaction Publishers, 2012.

CONNELL, Raewyn; MESSERCHMIDT, James. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 241-282, 2013.

CORPREW, Charles S.; MATTHEWS, Jamaal S.; MITCHELL, Avery Devell. “Men at the Crossroads: A Profile Analysis of Hypermasculinity in Emerging Adulthood”. Journal of Men’s Studies, [S. I.], v. 22, n, 2, p. 105-121, 2014.

DIDIER, Irina Vianna Glindmeier. O mundo está ficando chato: disputas, estratégias discursivas e resistências de arbítrio sobre a representação da mulher no CONAR. 2019. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Práticas do Consumo) – Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 2019.

FERRARI, Elir. Isso é trabalho de mulher: imagens discursivas sobre masculinidade nas novas formas de trabalho masculino. In: BAALBAKI, Angela et alii (org.). Linguagem: teoria, análise e aplicações. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2015. p. 476-491.

FIORIN, José Luiz. Em busca do sentido: estudos discursivos. São Paulo: Contexto, 2008.

FOUCAULT, Michel. De espaços outros. Estudos Avançados, São Paulo, v. 27, n. 79, p. 113-122, 2013.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 2005.

GOMES, Mayra Rodrigues. Avatar: Entre utopia e heterotopia. Matrizes, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 35-49, 2010.

GUTIERREZ, Filomin C. Violence and Hypermasculinity in University Fraternity Initiations: Situating the Reproduction of Masculinity in the Philippines. Journal of Men’s Studies, [S. I.], v. 27, n. 2, p. 149-168, 2019.

JESUS, Elivanete. Lugar, espaço e a constituição do ethos, da etnia e da cultura. Estudos, Goiânia, v. 38, n. 3, p. 533-544, 2011.

LIONG, Mario; CHAN, Lih Shing. Walking a Tightrope on (Hetero)Sexuality: Performatively Vigilant Masculine Subjectivity in Response to Sexualized Culture. Men and Masculinities, [S. I.], v. 23, n. 2, p. 224-241, 2020.

LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

NUNES, Monica Rebecca Ferrari. Memória do futuro, explosão, pancronia: a semiótica de Lotman e os estudos da memória e do tempo nas teatralidades juvenis. Bakhtiniana, São Paulo, v. 14, n. 4, p. 192-210, 2019.

PEREIRA DE SÁ, Simone; POLIVANOV, Beatriz. Autorreflexividade, coerência expressiva e performance como categorias para análise dos sites de redes sociais. Contemporânea, Salvador, v. 10, n. 3, p. 574-596, 2012.

POLIVANOV, Beatriz Brandão. Identidades na contemporaneidade: uma reflexão sobre performances em sites de redes sociais. Revista do Centro de Pesquisa e Formação, São Paulo, n. 8, v. 1, p. 103-119, 2019.

POSSENTI, Sírio. Os humores da língua: análises linguísticas de piadas. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

SAFATLE, Vladimir. Cinismo e falência da crítica. São Paulo: Boitempo, 2008.

SALDANHA, Arun. Heterotopia and Structuralism. Environment and Planning A: Economy and Space, [S. I.], v. 40, n. 9, p. 2080-2096, 2008.

THALLER, Jonel. “I Know She Loves It”: Narrative Analysis of One Man’s Justifications for Reproductive Control in an Intimate Relationship. Men and Masculinities, [S. I.], v. 23, n. 2, p. 203-224, 2020.

VAN DIJK, Teun. Discurso e Poder. São Paulo: Contexto, 2010.

WHITMER, Jennifer M. A progression and a regression at the same time: hybrid masculinities and entrepreneurial selfhood”. The journal of men’s studies, [S. I.], v. 25, n. 2, p. 115-132, 2017.

Publicado
2021-07-01
Como Citar
Casadei, E. B. (2021). Vitrine das hipermasculinidades: Estratégias de legitimação discursiva de conteúdos machistas em comunidades no Facebook. Revista FAMECOS, 28(1), e38980. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2021.1.38980