O princípio iterativo na arte dos quadrinhos: aproximações narratológicas a uma poética da repetição

Palavras-chave: Iteração, Narratologia, Quadrinhos

Resumo

Adotamos um olhar narratológico para pensar os quadrinhos como meio eminentemente iterativo. Com esse fim, investigamos dois regimes da repetição na “nona arte”: primeiramente, examinamos as modalidades da iteração como partes do emprego narratologicamente eficaz do “sistema espaço-tópico” dos quadrinhos (com as suas incidências estruturais e funcionais para a produção da intriga, em itens tais como os da sintaxe lógica das ações, das estratégias retóricas da exposição narrativa e dos padrões de frequência e andamento da representação dos acontecimentos); em seguida, avaliaremos a iteração como parte de programas poéticos mais específicos na arte dos quadrinhos, e que singularizam a performance dessas operações discursivas com a repetição, configurando marcas autorais ou de escolas mais recentes da arte sequencial, reunidos como traços de uma possível estilística narrativa baseada na iteratividade (e comprometida com a valorização de universos temáticos tais como o do tédio).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Benjamim Picado, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ

Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP, São Paulo, SP, Brasil) e Mestrado em Comunicação pela Universidade de Brasília (UnB, Brasília, DF, Brasil). Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, Brasil.

Greice Schneider, Universidade Federal do Sergipe (UFS), São Cristóvão, SE

Doutora em Estudos Literários pela Katholieke Universiteit Leuven e Mestrado em Comunicação e Cultura Contemporânea pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Sergipe (UFS), São Cristóvão, SE, Brasil.

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Tradução e comentários de Eudoro de Souza. Lisboa: Casa da Moeda, 1992.

BAETENS, J. Comic strips and constrained writing. Image [&] Narrative, [s. l.], v. 7, out. 2003.

BAETENS, J.; SURDIACOURT, S. European graphic narratives: toward a cultural and mediological history. From comic strips to graphic novels: contributions to the theory and history of graphic narrative, [s. l.], v. 37, 2013.

BARBIERI, D. As linguagens dos quadrinhos. São Paulo: Editora Peirópolis LTDA, 2017.

BARONI, R. La tension narrative. Paris: Seuil, 2006.

BARTHES, R. Introduction à l’analyse structural du récit. Communications, [s. l.], v. 8, p. 1-27, 1966. https://doi.org/10.3406/comm.1966.1113.

BARTHES, R. L’effet de réel. Communications, [s. l.], v. 11, 1968. https://doi.org/10.3406/comm.1968.1158.

BARTHES, R. A aventura semiológica. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BENJAMIN, W. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

BREMOND, C. Logique du récit. Paris: Seuil, 1973.

BRUNETTI, I. Schizo #4. Seattle: Fantagraphics, 2006.

CALABRESE, O. Neo-Baroque: a sign of the times. Nova Jersey: Princeton University Press, 1992.

CALINESCU, M. ReReading. New Haven, CT: Yale University Press, 1993.

COOK, R.T. Why Comics Are Not Films: Metacomics and Medium-Specific Conventions. The art of comics: a philosophical approach, [s. l.], p. 165-187, 2012. https://doi.org/10.1002/9781444354843.ch9.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Graal: Rio de Janeiro, 1988.

ECO, U. A estrutura ausente: introdução à pesquisa semiológica. [s. l.: s. n.]: 1976.

ECO, U. Innovation and repetition: Between modern and post-modern aesthetics. Daedalus, [s. l.], v. 114, n. 4, p. 161-184, 1985.

GENETTE, G. Figuras III. São Paulo: Estação Liberdade, 2017.

GOODMAN, N. Languages of art. Indiana: Hacket, 1968.

GROENSTEEN, T. Bande dessinée et narration. Paris: PUF, 2011.

GROENSTEEN, T. O Sistema dos Quadrinhos. São Paulo: Marsupial, 2015.

HORSTKOTTE,S.; PEDRI, N. Focalization in graphic narrative. Narrative, [s. l.], v. 19, n. 3, p. 330-357, 2011. https://doi.org/10.1353/nar.2011.0021.

KUKKONEN, K. Comics as a test case for transmedial narratology. SubStance, [s. l.], v. 40, n. 1, p. 34-52, 2011. https://doi.org/10.1353/sub.2011.0005.

LEFÈVRE, P. Some medium-specific qualities of graphic sequences. SubStance, [s. l.], v. 40, n. 1, p. 14-33, 2011.

https://doi.org/10.1353/sub.2011.0007.

MIKKONEN, K. The narratology of comic art. Londres: Routledge, 2017. https://doi.org/10.4324/9781315410135.

NDALIANIS, A. Neo-Baroque aesthetics and contemporary entertainment. Cambridge, MA: MIT Press, 2004. https://doi.org/10.7551/mitpress/4912.001.0001.

PAREYSON, L. Os problemas da estética. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

PEETERS, B. Between writing and image: a scriptwriter’s way of working. European Comic Art, v. 3, n. 1, p. 105-116, 2010. https://doi.org/10.3828/eca.2010.7.

PICADO, B. Disjonction, iteration, sérialisation, curiosité: l’unité épisodique du gag visuel dans l’humour graphique. Cahiers de Narratologie, [s. l.], 34, 2018. Disponível em: http://journals.openedition.org/narratologie/8970. Acesso em: 25 mar. 2019. https://doi.org/10.4000/narratologie.8970.

PICADO, B. e ARAÚJO, J. M. Actions, disjunctions, and passions in graphic narratives: narrative virtualities in The adventures of Tintin. In: SANDERS, Suttliff Sanders (org.). The comics of Hergé: when the lines are not so clear. [S. l.]: Mississipi University Press, 2016. p. 33-46. https://doi.org/10.14325/mississippi/9781496807267.003.0003.

RIMMON-KENAN, S. The paradoxical status of repetition. Poetics Today, [s. l.], v. 1, n. 4, p. 151-159, 1980. https://doi.org/10.2307/1771892.

SCHNEIDER, G. What happens when nothing happens: boredom and everyday life in contemporary comics. Leuven: Leuven University Press, 2016.

STEIN, D.; THON, J-N. From comic strips to graphic novels: contributions to the theory and history of graphic narrative. Berlim: Walter de Gruyter GmbH & Co KG, 2015. https://doi.org/10.1515/9783110427660.

SURDIACOURT, S. Comics and storytelling: towards a mediumspecific narratology. 2015. Tese de Doutorado – Faculteit Letteren, Katholieke Universiteit Leuven, Leuven.

TEIXEIRA, J. S. O cânone nos comics. RUA – Revista Universitária Audiovisual, [s. l.], 2012.

TOOLAN, M. Making sense of narrative text: Situation, repetition, and picturing in the reading of short stories. Londres: Routledge, 2016. https://doi.org/10.4324/9781315622965.

VALÉRY, P. Variedades. São Paulo: Editora Iluminuras Ltda, 2007.

Publicado
2020-09-17
Como Citar
Picado, B., & Schneider, G. (2020). O princípio iterativo na arte dos quadrinhos: aproximações narratológicas a uma poética da repetição. Revista FAMECOS, 27, e34008. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2020.1.34008