Cultura de rua e políticas juvenis periféricas: aspectos históricos e um olhar ao hip-hop em África e no Brasil

  • Rosana Martins Pós doutoranda e Pesquisadora Associada no Centro de Investigação Media e Jornalismo, Universidade Nova de Lisboa, Portugal
  • Miguel de Barros Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas da Guiné-Bissau - INEP
  • Redy Wilson Lima Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa e Instituto Universitário de Lisboa - ISCTE-IUL, Portugal
Palavras-chave: Hip-Hop, Identidade, Estudos Culturais

Resumo

A cultura hip-hop se orienta em torno de estabelecer um projeto coletivo para a sociedade como um todo. Nesse caso, o objetivo do ensaio é analisar as ações culturais do hip-hop em África e Brasil como possíveis mediações para novas práticas de sociabilidade e formas de representação diante aos diversos conflitos presentes no cotidiano. A partir de uma pesquisa bibliográfica centrada na linha teórica dos Estudos Culturais, para pensar o processo de representação social e identitário, e também das conversas informais com os coletivos de hip-hop realizadas no ano de 2012, evidenciamos o hip-hop no papel da democratização da informação, como de novo canal de informação e a inclusão de novos emissores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Martins, Pós doutoranda e Pesquisadora Associada no Centro de Investigação Media e Jornalismo, Universidade Nova de Lisboa, Portugal
Rosana Martins. Cientista Social pela Universidade de São Paulo- USP. Mestre e Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes/USP. Pós-doutoranda e pesquisadora do CIMJ – Centro de Investigação Media e Jornalismo, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa. Martins é membro The Transnational Lives, Gender and Mobility network (TLM & G) - Institute of Social Sciences - University of Lisbon / European Science Foundation.
Miguel de Barros, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas da Guiné-Bissau - INEP

Miguel de Barros: pós-graduado em Sociologia e Planeamento (Instituto Universitário de Lisboa - ISCTE-IUL, Portugal), investigador no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas da Guiné-Bissau - INEP, do Núcleo de Estudos Transdisciplinares de Psicopolítica e Consciência da Universidade Federal do Rio de Janeiro- NETCCON/URFJ (Brasil) e ainda membro do Conselho para o Desenvolvimento de Pesquisa em Ciências Sociais em África – CODESRIA (Senegal).

Redy Wilson Lima, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa e Instituto Universitário de Lisboa - ISCTE-IUL, Portugal

Redy Wilson Lima: formado em Sociologia (Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia e Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal), doutorando em Estudos Urbanos (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa  e Instituto Universitário de Lisboa - ISCTE-IUL, Portugal), investigador colaborador do Centro de Estudos sobre África e América Latina -CEsA/Instituto Superior de Economia e Gestão – Universidade de Lisboa, Portugal. Investigador associado ao Núcleo de Antropologia Visual/Universidade Federal da Bahia (Brasil) e professor assistente convidado no Instituto Superior de Ciências Jurídicas e Sociais (Cabo Verde).

Referências

ABRAMO, Helena. Wendel. Cenas juvenis: punks e darks no espetáculo urbano. São Paulo: Scritta, 1994.

ANDRADE, Elaine Nunes de (Org.). Hip-hop: movimento negro juvenil. In: Rap e Educação – Rap é Educação. São Paulo: Summus, 1999.

______. Movimento negro juvenil: um estudo de caso sobre jovens rappers de São Bernardo do Campo. 1996. 317f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

APPERT, Catherine. Rappin Griots: Producing the Local in Senegalese Hip-Hop. In: SAUCIER, Paul Khalil (org.). Natives Tongues: An African Hip-Hop Reader. Trenton: African Word Press, p. 3-21, 2011.

BARROS, Miguel de. From the Radios to the Stage: Juvenile Political Participation and Dissention through Rap. In: MARTINS, Rosana & CANEVACCI, Massimo (Orgs.). “Who We Are” – “Where We Are”: Identities, Urban Culture and Languages of Belongings in the Lusophone Hip-Hop. Herefordshire: Sean Kingston Publishing, 2015, no prelo.

BARROS, Miguel de; LIMA, Redy Wilson. Rap kriol(u): o pan-africanismo de Cabral na música de intervenção juvenil na Guiné-Bissau e em Cabo Verde. REALIS – Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais (Dossiê Diálogos Ibero-Africanos), v. 2, n. 2, p. 89-117, 2012.

BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva, 1973.

BERGER, Peter; LUCKMANN, Thomas. Construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Rio de Janeiro: Vozes, 1987.

CHARRY, Eric. A Capsule History of African Rap. In: Hip-Hop Africa: New African Music in a Globalizing World. Bloomington: Indiana University Press, p. 1-25, 2012.

CONTADOR, António Concorda; FERREIRA, Emanuel Lemos. Ritmo & Poesia: os caminhos do rap. Lisboa: Assírio & Alvim, 1997.

CORRÊA, Tupã. Gomes. Mercado da música: disco e alienação. São Paulo: Expert, 1987.

FILHO, Lindolfo. Hip hopper: tribos urbanas, metrópoles e controle social. In: PAIS, José Machado; BLASS, Leila Maria da Silva. (Orgs.). Tribos urbanas: produção artística e identidades. Lisboa: ICS, p. 145-167, 2004.

DA MATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1979 (Série Antropologia Social).

HEBDIGE, Dick. Subculture: the Meaning of Style. London, New York: Routledge, 1988.

KADERFUNKYMAN 2013. Miele – Melô do Tagarela (Rapper’s Delight). Disponível em: http://www. youtube.com/watch?v=ORb1yxy8SMc Acesso em: 26 set. 2013.

LÁZARO, Gilson; SILVA, Oswaldo. Hip-Hop in Angola: Social Intervention Rap. In: MARTINS, Rosana; CANEVACCI, Massimo (orgs.). “Who We Are” – “Where We Are”: Identities, Urban Culture and Languages of Belongings in the Lusophone Hip-Hop. Herefordshire: Sean Kingston Publishing, 2015 (no prelo).

LAZARSFELD, Paul; MERTON, Robert. Comunicação de massa, gosto popular e ação social organizada. In: COHN, Gabriel (Org.). Comunicação e indústria cultural: leituras de análise dos meios de comunicação na sociedade contemporânea e das manifestações da opinião pública, propaganda e “cultura de massa” nessa sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, p. 230-253, 1977.

LEBRAVE, Benjamin. Enough is Enough – The Rap Revolution of Senegal. Clash. 2012. Disponível em: http://www.clashmusic.com/features/enough-is-enough-the-rap-revolution-of-senegal Acesso em: 6 mar. 2014.

LIMA, Redy Wilson. Rappers cabo-verdianos e participação política juvenil. Revista Tomo (Dossiê: Juventudes, expressividades e poder em perspectivas cruzadas), n. 21, p. 263-294, 2012.

______. Rap and Representation of Public Space in Praia City. In: MARTINS, Rosana; CANEVACCI, Massimo. (Orgs.). “Who We Are” – “Where We Are”: Identities, Urban Culture and Languages of Belongings in the Lusophone Hip-Hop. Herefordshire: Sean Kingston Publishing, 2015 (no prelo).

______. Thugs: violência juvenil urbana tribalizada. In: LIENHARD, Martín (Org.). La ciudad, los jóvenes y la droga. Madrid-Frankfurt: Iberoamericana-Vervuert, 2014.

MAFFESOLI, Michel. A transfiguração do político: a tribalização do mundo. Porto Alegre: Sulina, 1997.

MBAYE, Jenny. Hip-Hop Political Production, in West Africa: AURA and its Extraordinary Stories of Poto-Poto Children. In: SAUCIER, Paul Khalil. (Ed.). Natives Tongues: An African Hip-Hop Reader. Trenton: African Word Press, p. 51-68, 2011.

MUNDO DO RAP NACIONAL. Thaide e DJ Hum 06 Homens da lei. Disponível em: http://www.youtube. com/watch?v=2xdJCxS5iME Acesso em: 26 set. 2013.

PRESTHOLDT, Jeremy. The afterlives of 2Pac: Imagery and alienation in Sierra Leone and beyond. Journal of African Cultural Studies, v. 21, n. 2, p. 197-218, 2009.

POYSA, Anna; RANTALA, Janne. Who Has the Word? MC Azagaia’s Intervention into Past and Politics in Mozambique. In: MARTINS, Rosana; CANEVACCI, Massimo (orgs.). “Who We Are” – “Where We Are”: Identities, Urban Culture and Languages of Belongings in the Lusophone Hip-Hop. Herefordshire: Sean Kingston Publishing (no prelo).

ROSE, Tricia. Black Noise. Rap Music and Black Culture in Contemporary America. Hanover, London: University Press of New England/Wesleyan University Press, 1994.

SAUCIER, Paul Khalil. Introduction. Hip-hop culture in red, black, and green. In: SAUCIER, Paul Khalil (Org.). Natives Tongues: An African Hip-Hop Reader. Trenton: African Word Press, p. xiii-xviii, 2011.

SILVA, José Carlos. Rap na cidade de São Paulo: música, etnicidade e experiência urbana. 1998. 285f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

TANG, Patricia. The Rapper as Modern Griot: Reclaiming Ancient Traditions. In: CHARRY, Eric. A Capsule History of African Rap. Hip-Hop Africa: New African Music in a Globalizing World. Bloomington: Indiana University Press, p. 79-108, 2012.

ZALUAR, Alba. Cidadãos não vão ao paraíso: juventude e política social. São Paulo: Escuta; Campinas: Unicamp,1994.

Publicado
2015-05-25
Como Citar
Martins, R., Barros, M. de, & Lima, R. W. (2015). Cultura de rua e políticas juvenis periféricas: aspectos históricos e um olhar ao hip-hop em África e no Brasil. Revista FAMECOS, 22(1), 59-80. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2015.1.20134
Seção
Teorias da Comunicação