Estratégias didáticas na educação a distância e no ensino híbrido para engajamento dos discentes

Modelos adotados pelas Instituições de Ensino Superior de Feira de Santana – Bahia, Brasil

Palavras-chave: Formação, educação, estratégias, didáticas, engajamento

Resumo

As políticas públicas de popularização do ensino superior brasileiro e o desenvolvimento das tecnologias da informação, fez surgir novas metodologias de ensino e aprendizagem. Promover a formação dos profissionais da educação, tornando-os capazes de contribuir com o desenvolvimento dos alunos de forma autônoma e criativa, é o desafio que se impõe. Esse estudo buscou responder quais as estratégias didáticas que podem ser utilizadas na educação a distância e no modelo de ensino híbrido para promover o engajamento dos discentes. Além de conceituar e discutir as diferenças da educação a distância e ensino híbrido, o propósito foi identificar qual dos modelos têm sido ofertados nas instituições de ensino pesquisadas, entre os anos de 2015 a 2019, por meio de dados extraídos das bases do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira e sites institucionais. Por método, a pesquisa documental identificou os modelos adotados em 23 instituições. Os resultados apontaram que 74,5% utilizam a educação a distância, 13,5% o ensino presencial e 12% o ensino híbrido. Como contribuições, constatou-se que nas duas modalidades é imprescindível que as estratégias didáticas envolvam: o planejamento das atividades, sensibilização dos alunos, produção de conteúdo, utilização da tecnologia para a prática de metodologias ativas, e reavaliação das práticas didáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Fonseca Gomes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano), Teixeira de Freitas, BA, Brasil.

Doutora em Desenvolvimento Regional e Urbano, área Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Salvador (UNIFACS); professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano), em Teixeira de Freitas, BA, Brasil.

Ellianjose Marifranhcis Silva Junqueira Ayres, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Feira de Santana, BA, Brasil.

Mestre em Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social, área Ciências Sociais Aplicadas, Fundação Visconde de Cairu; analista universitária – administração da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), em Feira de Santana, BA, Brasil.

Joselito da Silva Bispo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano), Teixeira de Freitas, BA, Brasil.

Doutorando em Ensino de Ciências Exatas, área Ciências Exatas, Universidade do Vale do Taquiari (UNIVATES); professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano (IF Baiano), em Teixeira de Freitas, BA, Brasil.

Jucinara Reis Nunes dos Anjos, Centro Universitário de Ciências e Empreendedorismo (UNIFACEMP), Santo Antônio de Jesus, BA, Brasil.

Mestre em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, área Ciências Sociais Aplicadas, Centro Universitário Maria Milza (UNIMAM); professora do Centro Universitário de Ciências e Empreendedorismo (UNIFACEMP), em Santo Antônio de Jesus, BA, Brasil.

Referências

ARETIO, L. G. Educación a distancia hoy. Madrid: Uned, 1994.

AVRELLA, J. F.; CERUTTI, E. Tecnologias na educação: o ensino híbrido enquanto possibilidade metodológica. Revista Ciências Humanas - Revista do Programa de Pós-graduação em Educação, Rio Grande do Sul, p. 41-56, 2019. Disponível em: http://www.revistas.fw.uri.br/index.php/revistadech/article/view/3242. Acesso em: 02 abr. 2022.

BACICH, L.; MORAN, J. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BACICH, L. et al. (org.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015

BELONI, M. L. Educação a distância. 5. ed. Campinas: Autores Associados, 2008. (Coleção Educação Contemporânea).

BERGMANN, J.; SAMS, A. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC, 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB, Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 23 mar. 2021.

BRASIL. Decreto n.º 9.507 de 25 de maio de 2017. Brasília: Presidência da República, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2017/Decreto/D9057.htm#art24. Acesso em: 23 mar. 2021.

BRASIL. Decreto n.º 5.622 de 19 de dezembro de 2005. Brasília: Presidência da República, 2005, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5622.htm. Acesso em: 20 mar. 2021.

BRASIL. Portaria do Ministério da Educação n.º 2.117 de 06 de dezembro de 2019. Diário Oficial da União: Brasília, edição 239, seção 1, p. 131, 11 dez. 2019. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-2.117-de-6-de-dezembro-de-2019-232670913. Acesso em: 19 mar. 2021.

FACULDADES JÁ. Faculdades em Feira de Santana, BA. In: Faculdades Já. [S. l.], 2021. Disponível: https://faculdadesja.com.br/faculdades/cidades/feira-de-santana-ba. Acesso em: 1 mar. 2021.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2007.

GOMES, A. F. et al. Ensino remoto da área técnica de administração para a conversão do conhecimento: relato de experiência de ensino, durante a pandemia, nos cursos técnicos em administração do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - campus Teixeira de Freitas. In: SILVA, C. R. M. (org.). Administração: ciência e tecnologia, estratégia, administração pública e estudos organizacionais. Ponta Grossa: Atena, 2021. DOI: 10.22533/at.ed.84721100318. Disponível em: https://www.finersistemas.com/atenaeditora/index.php/admin/api/ebookPDF/3904. Acesso em: 21 mar. 2021.

GONÇALVES, N. G. Constituição histórica da educação no Brasil. Curitiba: Intersaberes, 2012.

IBGE. Feira de Santana. In: Cidades IBGE. [S. l.], 2021. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/feira-de-santana/panorama. Acesso em: 22 mar. 2021.

INEP. Censo da educação superior. In: Gov.br. [S. l.], 2019. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-da-educacao-superior/resultados. Acesso em: 24 mar. 2021.

LOPES, L. F.; FARIA, A. A. O que e o quem da EaD: história e fundamentos. Curitiba: Intersaberes, 2013.

MARTINS, P. L. O. Didática. Curitiba: Intersaberes, 2012

MORAN, J. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C. A. de; MORALES, O. E. T. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. 2015. v. II. p. 15-33. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/mudando_moran.pdf. Acesso em: 20 mar. 2021.

PETERES, O. Didática do ensino a distância. São Leopoldo: Unisinos, 2009.

QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L. Manual de investigação em ciências sociais: trajectos. 5. ed. Lisboa: Gradiva, 2008.

SALVAGNI, J.; WOJCICHOSKI, N.; GUERIN, M. Desafios à implementação do ensino remoto no ensino superior brasileiro em um contexto de pandemia. Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 11, n. 2, e38898, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.15448/2179-8435.2020.2.38898. Acesso em: 23 mar. 2022.

SANTOS, A. P. et al. (2019). Sala de aula invertida e rotação por estações: aplicação do projeto social Grupo Bizu de Prova. EmRede Revista de educação a distância, [S. l.], v. 6, n. 2, 2019. Disponível em: https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/465. Acesso em: 23 mar. 2021.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 10. ed. Campinas: Autores Associados, 2010.

SILVA, C. S. (2017). Interiorização do ensino superior na Bahia: um olhar para os cursos de licenciatura em história nas estaduais. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 29., 2017. Anais [...]. Disponível em: https://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1502851614_ARQUIVO_InteriorizacaodoEnsinoSuperiornaBahiaanpuh1.pdf. Acesso em: 24 mar. 2021.

SOARES, K. C.; SOARES, M. A. Sistemas de ensino: legislação e política educacional para a educação básica. Curitiba: Intersaberes, 2017.

SUNAGA, A.; CARVALHO, C. S. As tecnologias digitais no ensino híbrido. In: BACICH, L.; MORAN, J. Ensino híbrido: uma inovação disruptiva. Porto Alegre: Penso, 2015.

Publicado
2022-09-16
Como Citar
Gomes, A. F., Ayres, E. M. S. J., Bispo, J. da S., & Anjos, J. R. N. dos. (2022). Estratégias didáticas na educação a distância e no ensino híbrido para engajamento dos discentes: Modelos adotados pelas Instituições de Ensino Superior de Feira de Santana – Bahia, Brasil. Educação Por Escrito, 13(1), e42452. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2022.1.42452