Atendimento Educacional Especializado para estudantes com transtorno do espectro autista na Associação Pestalozzi de Goiânia – Unidade Renascer

Palavras-chave: Atendimento Educacional Especializado, Transtorno do Espectro Autista, Inclusão escolar, Sala de Recursos Multifuncionais

Resumo

Este estudo, de cunho qualitativo, objetiva compreender como se dá o Atendimento Educacional Especializado (AEE) para alunos com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) na Associação Pestalozzi de Goiânia - Unidade Renascer. Participou da pesquisa uma professora do Atendimento Educacional Especializado da referida instituição, que trabalha com alunos com TEA. Para coleta de dados, foram aplicadas entrevistas semiestruturadas e realizada uma análise documental do Projeto Político Pedagógico da instituição. Os dados foram transcritos e analisados a partir da técnica de análise de conteúdo de Bardin (2011). Os resultados obtidos desvelam questões importantes sobre os objetivos do AEE a serem alcançados pelas crianças com autismo, bem como aos planos de intervenções desenvolvidos tomando como base suas necessidades. Além de descrever a organização dos atendimentos e as práticas pedagógicas desenvolvidas pela docente preconizadas pela metodologia TEACCH (Tratamento e Educação para Autistas e Crianças com Limitações), buscou-se compreender a adequação do comportamento e o processo de socialização para favorecer a construção da autonomia, de acordo com suas particularidades. Ademais, a presente investigação evidencia a relação entre professor do AEE, professor da rede regular de ensino e família da criança com TEA, e também os materiais pedagógicos e recursos multifuncionais utilizados nos atendimentos. Por fim, conclui-se que o trabalho pedagógico desenvolvido pela docente na sala do AEE está em consonância com os documentos nacionais que preconizam a inclusão, portanto decorrem da tentativa de romper as barreiras impeditivas à construção do conhecimento e à ocorrência de relações dialógicas e alteritárias entre os indivíduos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

M´árcia Sacramento Rocha, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO, Brasil

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal de Goiás Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, Goiás, Brasil; mestranda em Antropologia Social pelo PPGAS em mesma instituição.

Ana Flávia Teodoro de Mendonça Oliveira, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO, Brasil

Doutora e mestra em Educação pela UniversidadeFederal de Pernambuco (UFPE); graduada em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC GO); professora do magistério superior na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, Goiás, Brasil. Coordenadora do Núcleo de Acessibilidade na FE/UFG.

Michell Pedruzzi Mendes Araújo, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO, Brasil

Doutor e mestre em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes); licenciado em Pedagogia pelo Centro Universitário de Maringá-PR (Cesumar) e em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes); professor do magistério superior na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, Goiás, Brasil.

Referências

ATTWOOD, Tony. Tudo sobre a síndrome de Asperger. Lisboa: Babel, 2010.

Bardin, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL, Ministério da Educação. Saberes e práticas da inclusão: dificuldades acentuadas de aprendizagem, autismo. Brasília, DF: MEC, 2004.

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília, DF, 17 nov. 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm Acesso em: 17 set. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes operacionais da educação especial para o atendimento educacional especializado (AEE) na educação básica. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2008a.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2008b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 10 set. 2021.

CRUZ, Talita. Autismo e inclusão: experiências no ensino regular. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

FONSECA, Maria Elisa Granchi; CIOLA, Juliana de Cássia Baptistella. Vejo e aprendo. Fundamentos do Programa TEACCH: o ensino estruturado para pessoas com autismo. 2. ed. Ribeirão Preto, SP: Book T3oy, 2014.

GOIÂNIA. Secretaria Municipal de Educação. Projeto Político Pedagógico da Associação Pestalozzi de Goiânia - Unidade Renascer: Centro de Atendimento Especializado Renascer. Goiânia: Secretaria Municipal de Educação, 2019.

LEON, Viviane Costa de. Práticas baseadas em experiências para aplicação do TEACCH nos Transtornos do Espectro do Autismo. São Paulo: Ed. Memmon, 2016.

MALEVAL, Jean-Claude. O autista e a sua voz. São Paulo: Blucher, 2017.

NUNES, Débora Regina de Paula. Comunicação alternativa e ampliada para pessoas com autismo. In: SCHMIDT, Carlo (org.). Autismo, educação e transdisciplinaridade. Campinas: Papirus, 2013. p. 145-164.

OLIVEIRA, Ana Flávia Teodoro de Mendonça; Costa, Maria Lúcia Gurgel da; SILVA, Katleen Côrtes da. Contribuições para se compreender a linguagem das pessoas com transtorno do Espectro do Autismo (TEA): uma análise da autobiografia de Nicolas Brito. Revista Educação Especial em debate, Vitória/ES, v. 4, p. 40-58, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/reed/article/view/26518. Acesso em: 29 set. 2021.

SILVA, Aline Maira da; MENDES, Enicéia Gonçalves. Família de crianças com deficiência e profissionais: componentes da parceria colaborativa na escola. Revista Brasileira de Educação Especial, Bauru/SP, v. 14, p. 217-234, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbee/ a/XCsMXPGwSndbZYprkdjRfmn/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 8 set. 2021.

SILVA FILHO, Raimundo. B. DA; BARBOSA, Elma S. C. Educação Especial: da prática pedagógica à perspectiva da inclusão. Educação Por Escrito, Porto Alegre/ RS, v. 6, n. 2, p. 353-368, 17 ago. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.15448/2179-8435.2015.2.20575 Acesso em: 12 nov. 2021.

SOUZA, Renata Ferreira de; NUNES, Débora Regina de Paula. Transtornos do processamento sensorial no autismo: algumas considerações. Revista Educação Especial, Santa Maria, RS, v. 32, p. 1-17, 2019. Disponível em: https://www.redalyc.org/jatsRepo/3131/313158902022/ 313158902022.pdf. Acesso em: 30 set. 2021.

TAMMET, Daniel. Nascido em um dia azul: por dentro da mente de um autista extraordinário. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2007.

VARGAS, Rosanita Moschini; SCHMIDT, Carlo. Envolvimento parental e a inclusão de alunos com autismo. Acta Scientiarum. Education, Maringá, PR, v. 39, n. 2, p. 207-217, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.4025/actascieduc.v39i2.26423. Acesso em: 20 set. 2021.

WILLIAMS, Chris; WRIGH, Barry. Convivendo com autismo e síndrome de Asperger: estratégias práticas para pais e profissionais. São Paulo: M. Books do Brasil, 2008.

WILLIAMS, Donna. Meu mundo misterioso: testemunho excepcional de uma jovem autista. Tradução de Terezinha Braga Santos. Brasília: Thesaurus, 2012.

Publicado
2021-12-22
Como Citar
Rocha, M. S., Oliveira, A. F. T. de M., & Araújo, M. P. M. (2021). Atendimento Educacional Especializado para estudantes com transtorno do espectro autista na Associação Pestalozzi de Goiânia – Unidade Renascer. Educação Por Escrito, 12(1), e41901. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2021.1.41901
Seção
Dossiê: A Formação de professores e a educação inclusiva: avanços, desafios