Astronomia e matemática

Oficinas como atividades de enriquecimento curricular para estudantes com altas habilidades/superdotação

Palavras-chave: Altas habilidades/superdotação, Astronomia, Matemática, Enriquecimento curricular, Inclusão

Resumo

Este artigo teve como objetivo identificar as potencialidades e limitações de uma experiência didática de enriquecimento curricular por meio de oficinas de astronomia e matemática direcionadas a estudantes com altas habilidades/superdotação. Amparados pela legislação vigente, estudantes superdotados têm direito ao Atendimento Educacional Especializado. As atividades foram desenvolvidas no âmbito de uma sala de recursos em uma escola pública no Distrito Federal. Os participantes foram 16 estudantes matriculados na referida sala. Trata-se de um estudo qualitativo de cunho descritivo-exploratório ancorado no conceito de pesquisa da própria prática. Os resultados mostraram que as atividades desenvolvidas convergiram para o que se propõe como Enriquecimento do Tipo II (RENZULLI, 2018). No entanto, algumas limitações foram observadas relacionadas, essencialmente, à disponibilidade de recursos materiais e de formação continuada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Weberson Campos Ferreira, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF), Brasília, DF, Brasil; Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil.

Doutorando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Brasília (PPGE/UnB), em Brasília, DF, Brasil; mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (Modalidade Profissional) da Universidade de Brasília (PPGEMP/UnB), em Brasília, DF, Brasil; professor da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF), em Brasília, DF, Brasil. Membro do Grupo de pesquisa Dzeta Investigações em Educação Matemática (DIEM).

Geraldo Eustáquio Moreira, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil.

Doutor em Educação Matemática (PUC-SP), em São Paulo, SP, Brasil e Pós-Doutor em Educação pelo ProPEd (UERJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professor dos Programas de Pós-Graduação em Educação (Profissional e Acadêmico) da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (PPGE/UnB), em Brasília, DF, Brasil. Líder do Grupo de Pesquisa Dzeta Investigações em Educação Matemática (DIEM).

Referências

ABAD, A.; ABAD, T. M. Dotação e talento: Um olhar na teoria de Gagné. Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. e35339, 23 jul. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.15448/2179-8435.2021.1.35339. Acesso em: 12 nov. 2021.

ALENCAR, E. M. L. S.; FLEITH, D. S. Superdotados: determinantes, educação e ajustamento. 2. ed. São Paulo: EPU, 2001.

ALENCAR, E. M. L. S. Indivíduos com altas habilidades/superdotação: clarificando conceitos, desfazendo ideias errôneas. In: FLEITH, D. S. (org.). Construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007. p. 13-24.

BICKNELL, B. Who are the mathematically gifted? Student, parent and teacher perspective. Journal of the Korean Society of Mathematical Education, Daejeon, v. 13, n. 1, p. 63-73, 2009. Disponível em: http://www.koreascience.or.kr/article/JAKO200916263469682.page. Acesso em: 1 set. 2021.

ALMEIDA, G. Um método simples e intuitivo para determinar a excentricidade da órbita. Cad. Bras. Ens. Fís., Florianópolis, v. 30, n. 1, p. 165-176, abr. 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/2175-7941.2013v30n1p165/24491. Acesso em: 12 set. 2021.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 11 set. 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 12 set. 2021.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 12 set. 2021.

BRASIL. Lei n. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília: Ministério da Educação. 2001a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/L10172.pdf. Acesso em: 11 set. 2021.

BRASIL. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação. 2001b.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. MEC, SECADI, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=-16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192. Acesso em: 10 set. 2021.

BRASIL. Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília: 2011a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm. Acesso em: 13 set. 2021.

BRITO, A. A; MASSONI, N. T. Astronomia, ludicidade, enculturação científica: um projeto de extensão voltado a crianças e jovens com indicadores de altas habilidades. Alexandria Rev. de Educ. em Cienc. e Tec., Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 111-132, maio 2019. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/1982-5153.2019v12n1p111/40023. Acesso em: 11 set. 2021.

DELOU, C. M. C. Educação do aluno com altas habilidades/superdotação: legislação e políticas educacionais para a inclusão. In: FLEITH, D. S. (org.). A Construção de Práticas Educacionais para Alunos com Altas Habilidades/ Superdotação: Orientação a Professores. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007. v. 1.

DISTRITO FEDERAL. Orientação Pedagógica – Educação Especial. Brasília: Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal, 2010. Disponível em: http://www.cre.se.df.gov.br/ascom/documentos/subeb/ed_especial/orient_pedag_ed_especial2010.pdf. Acesso em: 6 jul. 2019.

FERREIRA, W. C. Altas Habilidades/Superdotação em matemática e o enriquecimento curricular: o uso da robótica com sucata. In: FERRER, F. C. S.; CAMINHA, V. M. (org.). Ensino: pluralidade e tendências. 1. ed. Brasília: Editora Projeção, 2019. v. 1, p. 113-128.

FERREIRA, W. C. Altas habilidades/superdotação em matemática e inclusão: um estudo com professores no Distrito Federal. 2020. 157 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2020.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HOLLOW, R. Engaging gifted science students through astronomy. In: PASACHOFF, J.; PERCY, J. (org.). Teaching and learning astronomy: effective strategies for educators Worldwide. Cambridge: Cambridge Press, 2005. p. 27-33.

LIMA, C. N. M. F.; NACARATO, A. M. A investigação da própria prática: mobilização e apropriação de saberes profissionais em matemática. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 2, p. 241-266, ago. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/edur/a/3GtWTMrHnk5mnVg5KvWJpLk/abstract/?lang=pt. Acesso em: 29 set. 2021.

MOREIRA, G. E. Perfeccionismo em adolescentes superdotados em Matemática: Uma característica socioemocional a ser compreendida. In: MANRIQUE, A. L.; MARANHÃO, M. C. S. A.; MOREIRA, G. E. Desafios da Educação Matemática Inclusiva: Práticas. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2016a. v. 2, p. 157-178.

MOREIRA, G. E. mestrado profissional e a formação interdisciplinar no ensino de Matemática: do disciplinar ao transdisciplinar. In: FERREIRA, J. R. R.; PORTO, M. D.; SANTOS, M. L. (org.). Os desafios do ensino de Ciências no século XXI e a formação de professores para a Educação Básica. Curitiba: CRV, 2016b. p. 217-231.

MOREIRA, G. E.; FERREIRA, W. C.; SANTOS, K. V. G. Formação de professores que ensinam Matemática e o contexto das Altas Habilidades/Superdotação: Explorando o Tangram. In: MOREIRA, G. E. (org.). Práticas de ensino de Matemática em cursos de Licenciatura em Pedagogia: oficinas como instrumento de aprendizagem. 1. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2020. v. 1, p. 107-12.

MORI, N. N. R.; BRANDÃO, S. H. A. O atendimento em salas de recursos para alunos com altas habilidades/superdotação: o caso do Paraná. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 15, n. 3, p. 485-498, set./dez. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbee/a/753gd8JP3Qkvwg4K7YQk9xj/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 15 set. 2021.

NOGUEIRA, S. Astronomia: ensino fundamental e médio. 1. ed. Brasília: MEC, SEB; MCT: AEB, 2009.

PAVIANI, N. M. S.; FONTANA, N. M. Oficinas pedagógicas: relato de uma experiência. Conjectura, Caxias do Sul, v. 14, n. 2, p. 77-88, maio/ago. 2009. Disponível em: http://ucs.br/etc/revistas/index.php/conjectura/article/view/16/15. Acesso em: 28 ago. 2021.

PÉREZ, S. G. P. B. Altas habilidades/superdotação e a política educacional: uma cronologia da história de letras no papel e omissões na prática. In: VIRGOLIM, A. (org.). Altas habilidades/superdotação: processos criativos, afetivos e desenvolvimento de potenciais. 1. ed. Curitiba: Juruá, 2018. p. 307-332.

RENZULLI, J. S. O que é esta coisa chamada superdotação, e como a desenvolvemos? Uma retrospectiva de vinte e cinco anos. Educação, Porto Alegre/RS, v. 27, n. 1, p. 75- 131, jan./abr. 2004. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/375/272. Acesso em: 9 set. 2021.

RENZULLI, J. S. Reexaminando o papel da educação para superdotados e o desenvolvimento de talentos para o século XXI: uma abordagem teórica em quatro partes. In: VIRGOLIM, A. (org.). Altas habilidades/superdotação: processos criativos, afetivos e desenvolvimento de potenciais. Curitiba: Juruá, 2018. p. 19-42.

REPOSSI, D. M. B.; SOUZA, E. M.; SABINO, F. C.; GONÇALVES, P. P. R. Ensino de astronomia para crianças com altas habilidades. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA, 1., 2011, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: http://snea2011.vitis.uspnet.usp.br/sites/default/files/SNEA2011_TCP42.pdf. Acesso em: 2 set. 2019.

ROS, R. M. Astronomy and mathematics education. In: PASACHOFF, J.; PERCY, J. (org.). Teaching and learning astronomy: effective strategies for educators worldwide. Cambridge: Cambridge Press, 2005. p. 14-24.

SANTOS, K. V. G. Práticas pedagógicas de professores das salas de recursos de Altas Habilidades/ Superdotação do Distrito Federal segundo a teoria de Joseph Renzulli. 2020. 152 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2020.

SANTOS, M. N.; GUSMÃO, D. M. L.; FERNANDES, F. C. R. Oficinas de astronomia para alunos com altas habilidades em parceria com o programa decolar. In: ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 17., 2013, São José dos Campos. Anais [...]. São José dos Campos: Universidade do Vale do Paraíba, 2013. Disponível em: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2013/anais/arquivos/0204_0065_01.pdf. Acesso em: 2 set. 2019.

SINGER, F. M.; SHEFFIELD, L. J.; FREIMAN, V.; BRANDL, M. Research on and activities for mathematically gifted students. 1. ed. Hamburgo: SpringerOpen, 2016.

SUBASI, M.; AND, S. A.; KOCAK, G. Gifted students’ perceptions on basic astronomy concepts. Journal of Emerging Trends in Educational Research and Policy Studies (JETERAPS), Manchester, v. 6, n. 6, p. 444-451, 2015. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/305689722_Gifted_Students’_Perceptions_on_Basic_Astronomy_Concepts#fullTextFileContent. Acesso em: 10 set. 2021.

TEIXEIRA, C. J.; FERREIRA, W. C.; FRAZ, J. N.; MOREIRA, G. E. Tecnologias e trabalho remoto em tempos de pandemia: concepções, desafios e perspectivas de professores que ensinam matemática. Devir Educação, Lavras, p. 118-140, 2021. Edição Especial. Disponível em: https://doi.org/10.30905/rde.v0i0.402. Acesso em: 30 set. 2021.

VIRGOLIM, A. M. R. A contribuição dos instrumentos de investigação de Joseph Renzulli para a identificação de estudantes com Altas Habilidades/Superdotação. Rev. Educ. Esp., Santa Maria, v. 27, n. 50, p. 581-609, set./dez. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial/article/view/14281/pdf. Acesso em: 2 abr. 2020.

Publicado
2021-12-22
Como Citar
Ferreira, W. C., & Moreira, G. E. (2021). Astronomia e matemática: Oficinas como atividades de enriquecimento curricular para estudantes com altas habilidades/superdotação. Educação Por Escrito, 12(1), e41888. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2021.1.41888
Seção
Dossiê: A Formação de professores e a educação inclusiva: avanços, desafios