A influência da formação docente na aprendizagem de estudantes com deficiência intelectual no ensino de química

Um estudo de caso

Palavras-chave: Ensino de Química, Inclusão, Mediação

Resumo

A atuação do professor de química como mediador no processo de ensino aprendizagem para estudantes com deficiência intelectual (DI) exige a utilização de procedimentos didáticos necessários para um bom planejamento da aula. Assim, o presente trabalho tem por finalidade relatar de forma crítica e reflexiva uma pesquisa qualitativa, do tipo estudo de caso, desenvolvido em uma escola da rede estadual de ensino, no município de São Mateus – ES. Tal pesquisa objetivou analisar a importância da formação docente no processo de ensino aprendizagem de estudantes com deficiência intelectual. Nessa perspectiva, a análise procedeu-se mediante uma entrevista semiestruturada realizada com dois professores da disciplina de química, no ensino médio. Diante dos resultados obtidos neste trabalho, percebemos que há uma precariedade na oferta de formação de professores de química no campo da deficiência intelectual e outras deficiências, mas que apesar disso, existem outros fatores atrelados a formação acadêmica que interferem positivamente no processo de ensino aprendizagem destes estudantes, tais como: proposta pedagógica da escola, trabalho colaborativo, acolhimento com os discentes etc.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna de Oliveira Bonomo, Pesquisadora Autônoma, São Mateus, ES, Brasil.

Mestre em Ensino na Educação Básica pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino na Educação Básica da Universidade Federal do Espírito Santo (PPGEEB), em São Mateus, ES, Brasil.

Ana Nery Furlan Mendes, Centro Universitário Norte Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), São Mateus, ES, Brasil.

Doutora em Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil, com período sanduíche na Universitat Autónoma de Barcelona (UAB), em Barcelona, Espanha; professora da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), em São Mateus, ES, Brasil.

Referências

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. O que é um estudo de caso qualitativo em educação? Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 22, n. 40, p. 95-103, jul./dez. 2013. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/8267. Acesso em: 10 out. 2020.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: 70, 1977.

BASTOS, Amélia Rota Borges de. MÓL, Gerson. Desenvolvimento de práticas inclusivas: aportes teórico-práticos para o apoio aos estudantes em estágio de docência. In: MÓL, Gerson (org.). O ensino de Ciências na escola inclusiva. Campos dos Goytacazes, RJ: Brasil Multicultural, 2019.

BERNI, Regiane Ibanhez Gimenes. Mediação: o conceito vygotskyano e suas implicações na prática pedagógica. São Paulo: LAEL /PUC – SP. 2006. Disponível em: http://www.filologia.org.br/ileel/artigos/artigo_334.pdf. Acesso em: 15 nov. 2019.

BITENCOURT, T. V. DE; ARAÚJO, A. P. Inclusão escolar e ressignificação da formação docente: possibilidades e desafios a partir das contribuições de Gadamer. Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 41-50, 26 jun. 2014.

BRASIL. Instituto Nacional De Estudos E Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Resumo Técnico do Estado do Espírito Santo: Censo da Educação Básica Estadual 2019. Brasília, DF: 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Deficiência a mental – (Atendimento Educacional Especializado). Brasília: MEC/SEESP, 2007.

BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/defmental.pdf. Acesso em: 28 abr. 2020.

BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência comentada. Brasília: CORDE, 2008.

BRASIL. Instituto Nacional De Estudos E Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Básica 2019. Brasília, DF: INEP. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/censo-escolar. Acesso em: 10 abr. 2020.

CRISTOFOLETI, Rita de Cassia; NUNES, Isabel Matos. A prática Pedagógica e a deficiência intelectual: produção de recursos didáticos. In: PEROVANO, Laís Perpetuo MELO, Douglas Christian Ferrari de (org.). Saberes, estratégias e recursos didáticos. Rio de Janeiro: Brasil Multicultural, 2019. p. 37-51.

CUNHA, Antônio Eugênio. Práticas Pedagógicas para a inclusão e diversidade. 2 ed. Rio de Janeiro: Wark Editora, 2012.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Educação inclusiva como direito. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 3.; SEMINÁRIO CAPIXABA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA, 14., 2014, Vitória. Anais [...]. Vitória: UFES, 2014. v. 1. p. 1-15.

DUARTE, Márcia. Síndrome de Down: situação escolar no ensino fundamental e médio da cidade de Araraquara-São Paulo. Orientadora: Professora Drª. Luci Pastor Manzoli. 2008. 83 f. Tese (Doutorado em Letras) - Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara. São Paulo: UNESP, 2008. Disponível em: http://wwws.fclar.unesp.br/agenda-pos/educacao_escolar/1404.pdf. Acesso em: 4 fev. 2020.

FRANCO, Maria Amélia do Rosário Santoro. Pedagogia e prática docente. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

FERRI, Cássia; HOSTINS, Regina Célia Linhares. Práticas de seleção e organização do Conhecimento de escolas regulares e especiais. Revista Educação e Realidade, Rio Grande do Sul, v. 33, n. 2, p. 22, jul./ dez. 2008. ISSN 2175-6236. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/7074. Acesso em: 10 jan. 2021.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

MALDANER, Otavio Aloisio. A formação inicial de professores de química professor pesquisador. 3. ed. Ijuí: Unijuí, 2006.

MALHEIROS, Bruno Taranto. Metodologia da Pesquisa em educação. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

MANTOAN, Maria Teresa Egler. Inclusão Escolar: o que é? Por quê? Como fazer? 1. ed. São Paulo: Moderna, 2003.

MINAYO, Maria Cecilia de Souza; DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES, Romeu. Pesquisa social: Teoria, Método e Criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

MÓL, Gerson de Souza. SILVA, Keilla Christina Desidério. Professores regentes de Ciências da Natureza na sala de aula inclusiva. In: MÓL, Gerson (org.). O ensino de Ciências na Escola Inclusiva. Campos dos Goytacazes, RJ: Brasil Multicultural, 2019. p. 117-131.

PADILHA, Anna Maria Lunardi. Alunos com deficiência intelectual: reflexões sobre o conceito de desenvolvimento das funções psíquicas superiores e o papel da educação escolar na perspectiva histórico cultural da escola de Lev Vigotski. Horizontes, [S. I.], v. 36, p. 62-73, set./dez. 2018.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores – saberes da docência e identidade do professor. São Paulo: Nuances, 1997. v. 3.

PLETSCH, Márcia Denise. OLIVEIRA, Mariana Corrêa Pitanga de. A escolarização de pessoas com deficiência intelectual na contemporaneidade: análise das práticas pedagógicas e dos processos de ensino e aprendizagem. In: CAIADO, Kátia Regina Moreno. BAPTISTA, Cláudio Roberto. JESU, Denise Meyrelles de (org.). Deficiência Mental e Deficiência intelectual em debate. 1. ed. Uberlândia: Navegando Publicações, 2017. p. 265-285.

RODRIGUES, David. Os desafios da Equidade e da Inclusão na Formação de Professores. In: OLIVEIRA, Ivone Martins de; RODRIGUES, David, JESUS, Denise Meyrelles de. Formação de Professores, práticas pedagógicas e inclusão escolar: perspectivas luso-brasileiras. Vitória: EDUFES, 2017. p. 23-47.

SANTOS, Rogério Alves dos. MAGALHHÃES, Rita de Cássia Barbosa Paiva. Vozes de estudantes com deficiência intelectual: construção identitária e estigma. Campos de Goytacazes, RJ: Brasil Multicultural, 2019.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Currículo Básico Escola Estadual Ensino Médio: Área de Ciências da Natureza. Vitoria: SEDU, 2009. v. 2. Disponível em: https://sedu.es.gov.br/Media/sedu/pdf%20e%20Arquivos/Ensino%20M%C3%A9dio%20-%20Volume%2002%20-%20Ci%C3%AAncias%20da%20Natureza.pdf. Acesso em: 10 nov. 2020.

SCHNETZLER, Roseli Pacheco. A Pesquisa no Ensino de química e a Importância da Química Nova na Escola. Química Nova, Piracicaba, n. 20, p. 49-54, 2004. Disponível em: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc20/v20a09.pdf. Acesso em: 20 jan. 2020.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. Tratado de Defectologia. Havana: Pueblo Y Educación, 1995. (Obras Completas, t. 5).

VYGOTSKY, Lev Semenovich. Fundamentos de Defectologia. Havana: Editorial Pueblo y Educación, 1997. (Obras completas, t. 5).

Publicado
2021-12-17
Como Citar
Bonomo, B. de O., & Mendes, A. N. F. (2021). A influência da formação docente na aprendizagem de estudantes com deficiência intelectual no ensino de química: Um estudo de caso. Educação Por Escrito, 12(1), e41803. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2021.1.41803
Seção
Dossiê: A Formação de professores e a educação inclusiva: avanços, desafios