“Meu corpo, minhas regras”

A luta do movimento LGBTQIA+ em busca da garantia dos direitos sexuais mediante a educação em direitos humanos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/2179-8435.2022.1.41258

Palavras-chave:

Direitos Humanos, Direitos LGBTQIA, Identidades de gênero, Educação

Resumo

Os Direitos Humanos constituem-se em um conjunto de direitos fundamentais básicos que servem para proteger e assegurar a dignidade da pessoa humana, fundamentado nos princípios da liberdade, justiça, equidade e paz social. Dentro dessa perspectiva, este trabalho tem como objetivos discutir e refletir sobre os Direitos Sexuais como parte dos Direitos Humanos e a luta do movimento LGBTQIA+ para garantir direitos igualitários, as diferentes expressões da sexualidade e a (re)construção de identidades. Para tanto, fundamentamos nosso estudo nas reflexões de Furlani (2016), Valadares e Almeida (2018), Facchini (2005), Green et al. (2018), entre outros(as), de maneira que possamos identificar alguns avanços, retrocessos e compreender a importância de tais direitos na promoção do respeito às diferenças e convívio harmônico entre os sujeitos. O caminho metodológico para a elaboração do artigo partiu da inspiração vinda da reflexividade da experiência como docentes, pesquisadores(as) e estudantes (LARROSA, 2011). Vale enaltecer que este trabalho se justifica pela urgente necessidade de pensarmos sobre as conjunturas governamentais da atualidade que tencionam invisibilizar aqueles(as) que expressam identidades de gênero e orientações afetivossexuais que diferem do padrão binário heterossexista hegemônico. Assim, desejamos que esse estudo possa contribuir, a partir das suas ponderações, para possíveis mudanças no comportamento dos indivíduos, levando-os a ampliar suas percepções acerca das diferenças e, possivelmente, lutar contra qualquer tipo de violência que afete à dignidade da pessoa humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josinaldo Monteiro da Silva, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.

Especialista em Gênero e Diversidade na Escola pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa, PB, Brasil; graduado em Letras pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em Guarabira, PB, Brasil. Professor da Prefeitura Municipal de Sapé (PMS), em Sapé, PB, Brasil.

Ewerton Marinho de Aguiar, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.

Especialista em Educação Étnico-racial na Educação Infantil pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em Guarabira, PB, Brasil; graduado em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em Guarabira, PB, Brasil; Professor da Prefeitura Municipal de Guarabira (PMG), em Guarabira, PB, Brasil.

Joseval dos Reis Miranda, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB, Brasil.

Doutor e Mestre em Educação pela Universidade de Brasília (UnB), em Brasília-DF, Brasil. Professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa, PB, Brasil.

Referências

AUAD, Daniela. Educar meninas e meninos: relações de gênero na escola. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2019.

BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico. 56ª ed. rev. e amp. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos anticoncepcionais. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/direitos_sexuais_reprodutivos_metodos_anticoncepcionais.pdf. Acesso em: 26 dez. 2019.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Medida cautelar na reclamação 38.782 Rio de Janeiro. Disponível em: http://ujucasp.org.br/site/wpcontent/uploads/2020/01/LiminarToffoli.pdf. Acesso em: 25 set. 2019.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Medida cautelar na suspensão de liminar 1.248 Rio de Janeiro. Disponível em: https://dotti.adv.br/wpcontent/uploads/2019/11/SL1248-MEDIDA-CAUTELAR.pdf. Acesso em: 27 set. 2019.

BRASIL. Presidência da República. Decreto Nº 8.727, de 28 de abril de 2016. Brasília, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/decreto/d8727.htm. Acesso em: 29 dez. 2019.

CAMARGOS, Moacir Lopes de. O surgimento das Paradas LGBT no Brasil. In: GREEN, James Naylor; et al. História do Movimento LGBT no Brasil. São Paulo: Almeida, 2018. P. 421-434.

CARVALHO, Maria Eulina Pessoa de; et al. Direitos Humanos das mulheres e das pessoas LGBTQI: inclusão da perspectiva da diversidade sexual e de gênero na educação e na formação docente. João Pessoa: Editora da UFPB, 2016.

CASTILHO, Ricardo. Direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2011. (Coleção sinopses jurídicas, v. 30).

D’AGOSTINO, Rosane. Lei do DF sobre políticas públicas para famílias deve incluir uniões homoafetivas, decide STF. G1, 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/df/distrito-federal/noticia/2019/09/16/lei-do-df-sobre-politicas-publicas-para-familias-deve-incluir-unioes-homoafetivas-decide-stf.ghtml. Acesso em: 23 set. 2019.

DIEHL, Alessanda et al. A CID-11 não reconhecerá possibilidades de patologização da homossexualidade. Debates em Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 4, n. 5, p. 20–25, 2014. Disponível em: https://revistardp.org.br/revista/article/view/256. Acesso em: 9 fev. 2022. Disponível em: https://revistardp.org.br/revista/article/view/256/231. Acesso em: 28 dez. 2019.

FACCHINI, Regina. Sopa de letrinhas? Movimento homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 90. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

FURLANI, Jimena. Educação sexual na escola: relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. 1. ed. 1. reimp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

GOELLNER, Silvana Vilodre. A produção cultural do corpo. In: LOURO, Guacira et al. (org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 9 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. p. 30-42.

GREEN, James Naylor et al. História do Movimento LGBT no Brasil. São Paulo: Almeida, 2018.

LARROSA, Jorge. Experiência e Alteridade em Educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 19, n. 2, p. 4-27, jul./dez., 2011.

LIMA, Luciana. Celso de Mello diz que censura a livros da Bienal é “fato gravíssimo”. Metrópoles, 2019. Disponível em: https://www.metropoles.com/brasil/direitos-humanos-br/celso-de-mello-diz-que-censura-a-livros-da-bienal-e-fato-gravissimo. Acesso em: 29 set. 2019.

'MENINO veste azul e menina veste rosa', diz Damares Alves. Folha de S.Paulo, 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/01/menino-veste-azul-e-menina-veste-rosa-diz-damares.shtml. Acesso em: 28 set. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris: ONU, 1948.

REIS, Toni. Avanços e desafios para os direitos humanos da comunidade LGBT no Brasil. 2017. Disponível em:

http://www.ibdfam.org.br/assets/upload/anais/288.pdf. Acesso em: 26 dez. 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez, 2006.

SIMÕES, Júlio; FACCHINI, Regina. Na trilha do arco-íris: do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2009.

STF criminaliza homofobia e transfobia com aplicação por analogia à Lei do Racismo. IBDFAM, 2019. Disponível em: https://ibdfam.org.br/noticias/6971/STF+criminaliza+homofobia+e+transfobia+com+aplica%C3%A7%C3%A3o+por+analogia+%C3%A0+Lei+do+Racismo. Acesso em: 18 set. 2019.

VALADARES, Gustavo; ALMEIDA, João Paulo Rodrigues. Direito Constitucional: A LGBTfobia como resultado do discurso de ódio. In: DESLANDES, Keila (coord.). Homotransfobia e direitos sexuais: debates e embates contemporâneos. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018. p. 53-66.

VARELLA. Dráuzio. Homossexualidade - "Que diferença faz pra você se seu vizinho dorme com outro homem?", 20 set. 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=-_Ux5ksUh6E. Acesso em: 9 fev. 2022.

Downloads

Publicado

2022-02-16

Como Citar

Silva, J. M. da, Aguiar, E. M. de, & Miranda, J. dos R. (2022). “Meu corpo, minhas regras”: A luta do movimento LGBTQIA+ em busca da garantia dos direitos sexuais mediante a educação em direitos humanos. Educação Por Escrito, 13(1), e41258. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2022.1.41258