O conceito de formação e a dinâmica do seu sentido no curso da história

Palavras-chave: Formação. Pensamento Ocidental. Educação.

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar o sentido atribuído ao conceito de formação ao longo do tempo, no curso da história. Ao pesquisar a formação, deparamo-nos, inevitavelmente, com a simplicidade de uma temática com a qual lidamos cotidianamente em nossas vidas, como também com o caráter complexo proveniente das características singulares que a humanidade, no decorrer da sua trajetória, ajudou a constituir, em seus diferentes espaços e tempos, a respeito desse conceito. Vem desse movimento, a necessidade de tecermos um olhar cuidadoso para as nuances que estão compondo a ideia de formação, sobretudo, no campo da educação. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa, que tem como aporte metodológico a pesquisa bibliográfica. Para composição do seu referencial teórico instrumentalizamo-nos com a leitura de: Rousseau, Kant, Gadamer, Jaeger e Hermann. Dessa forma, apresenta como resultado um resgate histórico do pensamento ocidental, evidenciando o sentido do que os gregos denominaram paideia, os latinos, humanitas, os alemães, bildung e que hoje chamamos formação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anthony Fábio Torres Santana, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS.

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, Porto Alegre, RS).

Dinamara Garcia Feldens, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, SE.

Doutora em Educação pela UNISINOS. Professora da Universidade Federal de Sergipe (UFS, São Cristóvão, SE).

Lucas de Oliveira Carvalho, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão, SE.

Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe (UFS, São Cristóvão, SE).

Referências

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e Método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução de Flávio Paulo Meurer. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

GALLO, Anita Adas. A noção de cidadania em Anísio Teixeira. In: 24ª Reunião anual da ANPED – Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação. Caxambu: 2001. Disponível em: < http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt02_13.pdf >. Acesso em: 12/01/2019.

GOERGEN, Pedro. Formação ontem e hoje. In: Sobre filosofia e educação: racionalidade, diversidade e formação pedagógica. CENCI, Ângelo Vitório; DALBOSCO, Cláudio Almir; MÜHL, Eldon Henrique (Orgs.). Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2009.

HERMANN. Nadja Mara Amilibia. Autocriação e horizonte comum: ensaios sobre educação ético-estética. Ijuí: Ed. Unijuí, 2010.

JAEGER, Werner. Paideia: a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

KANT, Immanuel. Resposta à pergunta: o que é o Esclarecimento? Traduzido por Luiz Paulo Rouanet. Disponível em: <http://coral.ufsm.br/gpforma/2senafe/PDF/b47.pdf>. Acesso em: 05/11/2018.

______. Sobre a Pedagogia. Tradução de Francisco Cock Fontanella. Piracicaba: Editora UNIMEP, 2004.

MELLO, Denis S. de; DONATO, Manuella Riane. O pensamento iluminista e o desencantamento do mundo: Modernidade e a Revolução Francesa como marco paradigmático. Revista Crítica Histórica. Maceió: ano II, nº4, julho/dezembro, 2011. Disponível em: <http://www.revista.ufal.br/criticahistorica/attachments/article/118/O%20Pensamento%20Iluminista%20e%20o%20Desencantamento%20do%20Mundo.pdf>. Acesso em: 05/08/2018.

PRESTES, Nadja Mara Hermann. Educação e racionalidade: conexões e possibilidades de uma razão comunicativa na escola. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da educação. Tradução por Sérgio Milliet. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

Publicado
2020-01-20
Como Citar
Torres Santana, A. F., Feldens, D. G., & Carvalho, L. de O. (2020). O conceito de formação e a dinâmica do seu sentido no curso da história. Educação Por Escrito, 11(1), e33337. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2020.1.33337
Seção
Artigos