(Semi)formação, BNCC e escolarização

Qual é a base para a educação?

Palavras-chave: BNCC, Escola, Teoria crítica, Formação

Resumo

Este artigo trata do tema (semi)formação, Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e escolarização. É resultado de reflexões e problematizações oriundas da disciplina de Currículo e Escola por mim ministrada junto aos cursos de licenciatura de uma universidade do estado de São Paulo. Tem-se como objetivo geral refletir criticamente sobre as influências que a BNCC traz às políticas de formação docente na atualidade. Além do suporte bibliográfico educacional específico, o artigo ampara-se nas discussões teóricas desenvolvidas por Theodor Adorno em seus textos filosófico-educacionais, discorrendo sobre o conceito de (semi)formação e educação. A análise proposta conclui que a BNCC poderá transformar a estrutura curricular brasileira não pelo caminho da formação cultural (Bildung), mas pelos interesses mercadológicos baseados em aspectos como competitividade, produtividade e empreendedorismo, reduzindo as possibilidades de crítica. Assim, a crítica adorniana à sociedade instrumental emerge como um referencial teórico que contempla a possibilidade de desenvolver em bases diferentes a análise do processo social em que se insere a educação escolar e seus vínculos com a semiformação (Halbbildung).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ademir Henrique Manfré, Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), Presidente Prudente, SP, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), em Presidente Prudente, SP, Brasil. Professor da Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE), em Presidente Prudente, SP, Brasil.

Referências

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução de Guido Antônio de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

SILVA, Mônica R. Tecnologia, trabalho e formação na reforma curricular do ensino médio. Cadernos de Pesquisa, São Luís do Maranhão, v. 39, n. 137, p. 411-430, maio/ago. 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/BjJqyGb3c6xqgSvbf3Cm9WD/?lang=pt&-format=pdf. Acesso em: 9 set. 2021.

ADORNO, Theodor W.; HORKHEIMER, Max. Teoria da Semicultura. Tradução de Newton Ramos-De-Oliveira; Bruno Pucci; Cláudia B. M. Abreu. Educação e Sociedade, Campinas, n. 56, p. 388-441, dez. 1996.

AFONSO, Almerindo. Avaliação educacional: regulação e emancipação para uma sociologia das políticas avaliativas contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2009.

BALL, Stephen. Performatividades e fabricações na economia educacional: rumo a uma sociedade performativa. Educação e Realidade, v. 2, n. 35, p. 37-55, maio/ago. 2010. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/15865. Acesso em: 1 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC/CONSED/UNDIME/MPB, 2017. Versão final.

CALIXTO, Cláudia. Querer, obedecer e empreender: o governo de si e dos outros nos discursos pedagógicos (final séc. XVIII e início séc. XIX). 2013. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

CHAUÍ, Marilena. Contra o discurso competente. In: ROCHA, André (org.). Escritos de Marilena Chauí. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2014. p. 113-115.

CURY, Carlos R; REIS, Magali; ZANARDI, Teodoro. Base Nacional Comum Curricular: dilemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2018.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. São Paulo: Cortez, 1996.

DIAS, Juciele; NOGUEIRA, Luciana. O político-ideológico na (nova) Base nacional Comum Curricular: uma análise discursiva das competências e habilidades. In: Seminário de Estudos em Análise de Discurso. O político na análise do discurso: contradição, silenciamento, resistência, 8., 2017, Recife. Anais [...]. Recife: UFPE, 2017. p. 1-10. Disponível em: http://www.sead.com.br. Acesso em: 12 nov. 2018.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Comum para currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educação e Sociedade, Campinas, v. 36, n. 133, p. 891-908, out./dez. 2015.

MORENO FILHO, José W. N. Cultura do empreendedorismo: modo de vida e microfascismo contemporâneo. In: Simpósio Internacional em Educação e Filosofia, 6., 2015, Presidente Prudente. Anais [...]. Presidente Prudente: Universidade Estadual Paulista, 2015. p. 651-66.

MOVIMENTO PELA BASE NACIONAL COMUM. A Base. [S. l.], 2016. Disponível em: http://basenacionalcomum.org.br/a-base. Acesso em: 2 nov. 2016.

MOVIMENTO PELA BASE NACIONAL COMUM. Necessidade e construção de uma Base nacional Comum. [S. l.], 2015. Disponível em: http://basenacionalcomum.org.br. Acesso em: 29 set. 2018.

NOSELLA, Paulo. A atual política para a educação no Brasil: a escola e a cultura do desempenho. Revista Faz Ciência, Francisco Beltrão, v. 12, n. 16, p. 37-56, jul./dez. 2010. Disponível em: http://www.e-revista.unioeste.brindex.phpfazcienciaarticle.download. Acesso em: 23 out. 2020

ORTEGA, André. R.; HOLLERBACH, Joana. D. G. Os discursos oficiais sobre as leis 5.692/71 e 13.415/17: a defesa de uma educação a serviço do capital. Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 11, n. 2, e31592, 3 nov. 2020. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2020.2.31592.

PAGNI, Pedro A.; SILVA, Divino J. A crítica da cultura e os desafios da Educação após Auschwitz: uma leitura a partir da Teoria Crítica da Escola de Frankfurt. In: PAGNI, Pedro A.; SILVA, Divino J. (org.). Introdução à Filosofia da Educação: temas contemporâneos e história. São Paulo: Avercamp, 2007. p. 243-271.

PUCCI, Bruno. A teoria da semicultura e suas contribuições para a Teoria Crítica da educação. In: ZUIN, Antônio A. S.; PUCCI, Bruno; RAMOS-DE-OLIVEIRA, Newton (org.). A educação danificada: contribuições à Teoria Crítica da Educação. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1999. p. 89-113.

PUCCI, Bruno; ZUIN, Antônio A. S.; RAMOS-DE-OLIVEIRA, Newton. Adorno: o poder educativo do pensamento crítico. Petrópolis, Rio de janeiro: Vozes, 1994.

RIBEIRO, Willian; ROCHA, Simony. Sentidos de currículo e de Base nacional Comum Curricular: disputas discursivas em um curso de formação de professores. Revista de Educação, Ciências e Matemática, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, maio/ago. 2017, p. 4-23.

SANTOS, Jane. Política de avaliações externas: a ênfase na questão das competências. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2015.

SANTOS, Lucíola. Formação de professores na cultura do desempenho: Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1145-1157, set./dez 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S01013302004000400004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 12 jun. 2020.

SILVA, Mônica R. Currículo, ensino médio e BNCC: um cenário em disputas. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 367-379, jul./dez. 2015. Disponível em: http//:www.esforce.org.br. Acesso em: 2 dez. 2018.

VILLELA, Cláudia. Empreendedorismo na escola. São Paulo: Artmed, 2005.

Publicado
2021-09-16
Como Citar
Manfré, A. H. (2021). (Semi)formação, BNCC e escolarização: Qual é a base para a educação?. Educação Por Escrito, 12(1), e33173. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2021.1.33173