A formação política do pedagogo e os níveis de consciência em Freire

Palavras-chave: Formação política, Pedagogia, Formação de professores, Educação.

Resumo

O objetivo deste artigo é conhecer e analisar o interesse dos/as alunos/as de um curso de Licenciatura em Pedagogia pela formação política que impacta na visão crítica de mundo a partir dos tipos/níveis de consciência identificados por Paulo Freire. A base teórica centra-se em Freire, Gohn, Simson, Fernandes, Trilla etc. É uma pesquisa de cunho qualitativo, descritiva e analítica, do tipo participante. As técnicas envolvidas na construção de dados foram: questionário e entrevistas. A amostragem é de 40 sujeitos que cursam Pedagogia, nos períodos matutino e noturno, no ano de 2018. O lócus da pesquisa foi uma instituição de ensino superior privada no interior do Estado de São Paulo. A análise dos dados foi realizada tomando como categorias os quatro tipos de consciência apontados por Freire (1980), a saber: a consciência mágica, a ingênua, a fanatizada e a crítica. Os resultados veiculados apontam para a necessária e cuidadosa formação profissional de pedagogos em tempos de crise, que sejam conscientes e críticos, participativos e ativos, que se entendam e assumam como sujeitos políticos e capazes de transformação social, pela via pessoal e dos coletivos e quando da participação na formação crítica de crianças, jovens e adultos, no campo da educação formal e não formal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Sieiro Fernandes, Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL), Americana, SP.

Pedagoga, mestre, doutora e pós-doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, Campinas, SP, Brasil), docente no programa de Mestrado em Educação e na Graduação em Pedagogia do Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL, Americana, SP, campus Maria Auxiliadora).

Michele Cristina Batista Barbado, Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL), Americana, SP.

Graduada em Comunicação Social pela Faculdade de Americana (FAM, Americana, SP, Brasil), licencianda em Pedagogia pelo Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL, Americana, SP, campus Maria Auxiliadora, Brasil).

Referências

CORREIA, Wilson; BONFIM, Cláudia. Práxis pedagógica na filosofia de Paulo freire: um estudo dos estádios da consciência. Trilhas Filosóficas, Revista Acadêmica de Filosofia, Caicó-RN, ano 1, no. 1, jan/jun, 2008, p. 55-6.

FERNANDES, Renata Sieiro. A música acontecendo pela educação informal e não formal: como se vai aprendendo a escuta da música e a fazer música. In: SOUZA, Eduardo Conegundes de (org.). De experiências e aprendizagens: educação não formal, música e cultura popular. São Carlos: EdUFSCar, 2013, p. 29-50.

FREIRE, Paulo. Política e Educação. São Paulo: Cortez Editora, 2003.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação – uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Cortez & Moraes, 1980.

FREITAS, Luiz C. de. Disponível em: < https://avaliacaoeducacional.com/2017/04/07/bncc-uma-base-para-o-gerencialismo-populista/>. Acesso em: 07 jan. 2019.

GOHN, Maria da Gloria. Educação não formal e cultura política. 3ª. Ed. São Paulo: Cortez. 2005. 101 p.

GOHN, Maria da Gloria. Educação não formal, aprendizagens e saberes em processos participativos e cultura política.Investigar em Educação - II ª Série, Número 1, 2014.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: n-1 edições, 2018.

O ESTADO DE S. PAULO. Disponível em: http://infograficos.estadao.com.br/focas/por-minha-conta/materia/numero-jovens-filiados-partidos-politicos-cai-anos. Acesso em: 07 jan. 2019.

PATEMAN, Carole, Participação e teoria democrática. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

SIMSON, Olga R.; de M. von; PARK, Margareth B; FERNANDES, Renata S. (orgs). Introdução. Educação não formal: cenários da criação. Campinas: Ed. UNICAMP, 2001.

TRILLA BERNET, Jaume. A educación non formal e a cidade educadora. Dúas perspectivas (unha analítica e outra globalizadora) do universo da educación. Revista Galega do Ensino, Especial: A educación no século XX, n° 24, setembro 1999, p. 199-221.

TRILLA BERNET, Jaume. Introducions. In. Cidades Educadoras. Maria Amélia Sabbag Zaink (org) Avi Schawartz (et al). Curitiba: Ed UFPR. 1997, p. 13-34.

Publicado
2020-01-20
Como Citar
Sieiro Fernandes, R., & Batista Barbado, M. C. (2020). A formação política do pedagogo e os níveis de consciência em Freire. Educação Por Escrito, 11(1), e32948. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2020.1.32948
Seção
Artigos