Entre a realidade e o absurdo

Uma análise literária sobre os apontamentos críticos de As Intermitência da Morte, de José Saramago

Palavras-chave: José Saramago, As Intermitências da Morte, Mundo às avessas, Crítica Social

Resumo

Este artigo tem como objetivo identificar alguns aspectos críticos, representados por meio do topos do mundo às avessas, em As intermitências da morte, de José Saramago. A narrativa do romance apresenta um fato inusitado: o desaparecimento da morte. Diante deste acontecimento absurdo, as personagens apresentam um estado enérgico e eufórico com a perspectiva de viverem na eternidade, entretanto, é neste momento que as expectativas narradas na obra são fraturadas, visto que se depararam com a continuidade dos aspectos problemáticos inerentes ao ser humano: a velhice, a doença, a omissão das instituições e, por último, o caráter narcísico do homem. Em consideração a isso, a realização da análise literária deste estudo foi subsidiada pelo diálogo teórico com os autores: Ariès (2012), Becker (1973), Bloom (2005), Berman (1986), Berrini (1998), Calbucci (1999), Gerth (1977), Hodgart (1969), Huizinga (2015) e Soethe (1998). Em suma, a investigação deste estudo sugere como resultado a utilização de recursos particularmente expressivos, como o mundo às avessas, para os comentários críticos na construção da narrativa saramaguiana, com vistas a realizar denúncias sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Kanashiro de Medeiras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/ FCL de Assis), Assis, SP, Brasil.

Graduada em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/ FCL de Assis), em Assis, SP, Brasil. Mestranda em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/FCL de Assis), em Assis, SP, Brasil.

Referências

ARIÈS, Philippe. História da morte no ocidente: Da idade média aos nossos dias. Tradução de Priscila Viana de Siqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

BECKER, Ernest. A negação da morte. Tradução de Luiz Carlos do Nascimento Silva. Rio de Janeiro: Record, 1973.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar: A aventura da modernidade. Tradução de Carlos Felipe Moisés e Ana Maria L. Ioriatti. 1. ed. São Paulo: Schwarcz, 1986.

BERRINI, Beatriz. Ler Saramago: O Romance. 2. ed. Lisboa: Caminho, 1998.

BLOOM, Harold. Bloom’s modern critical reviews: José Saramago. Chelsea House Publishers, 1986.

CALBUCCI, Eduardo. Saramago: um roteiro para os romances. Cotia: Ateliê, 1999.

GERTH, Klaus. Satire. Tradução de Aluizia Hanisch e Álvaro S. Simões Jr. Praxis Deutsch, [S. l.], v. 22. p. 83-86, 1977.

HODGART, Matthew. La Satira [Satire]. Tradução de Angel Guillén. Madrid: Ediciones Guadarrama, 1969.

HUIZINGA, Johan. O outono da idade média. Tradução de Francis Petra Janssen. 4. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

SARAMAGO, José. As intermitências da morte. 4. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

SOETHE, Paulo Astor. Sobre a sátira: contribuições da teoria alemã na década de 60. Fragmentos. Revista de Língua e Literatura Estrangeiras da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, v. 7, p. 7-27, 1988.

Publicado
2022-07-11
Como Citar
Medeiras, N. K. de. (2022). Entre a realidade e o absurdo: Uma análise literária sobre os apontamentos críticos de As Intermitência da Morte, de José Saramago. Navegações, 15(1), e42974. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2022.1.42974