Dialética, subjetividades e história, ou uma leitura de A lata de lixo da história de Roberto Schwarz

Palavras-chave: Roberto Schwarz, Machado de Assis, Brecht, Dialética, Escravismo

Resumo

Escrita no fim dos anos 1960, a peça A lata de lixo da história se insere num momento da maior importância da vida social brasileira e, igualmente, da de seu autor, Roberto Schwarz. Seu contexto de produção foi, do ponto de vista nacional, de acirramento repressivo da ditadura civil-militar brasileira e, do ponto de vista pessoal de Schwarz, de sedimentação de uma virada crítica bastante significativa. Nesse sentido, é interesse deste trabalho analisar a peça à luz das transformações pelas quais passava o país em articulação com uma certa sedimentação de derrota histórica da ideia de formação nacional que ia se afigurando ao jovem Roberto Schwarz. No centro de nossa análise está a noção de dialética, tão central ao ponto de vista materialista de Schwarz. A despeito de variados estudos que têm sido feitos a respeito de sua obra, pouco tem se discutido, a não ser em chave celebratória, sobre o modo como a dialética se opera em seu trabalho. Refiro-me, sobretudo, ao modo como a luta de classes em sua acepção brasileira é figurada pelo crítico, levando em conta, sobretudo, sua visão sobre a margem de arbítrio praticamente absoluto das elites brasileiras e uma noção algo estática das relações escravistas. A escolha pela peça se deu justamente porque ela cristaliza uma convivência de temporalidades contraditórias que revela um certo sentimento de época diante do que significava a ascensão dos militares ao poder em 1964, bem como elucida aspectos contraditórios da produção schwarziana pouco comentados em sua fortuna crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Cambauva Breda, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, Brasil.

Mestre em Teoria e História Literária pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), em Campinas, SP, Brasil.

Referências

ARANTES, Paulo. Sentimento da Dialética. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

ARANTES, Paulo. Providências de um crítico literário. In: ARANTES, Paulo; ARANTES, Otília. Sentidos da formação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997. p. 7-66.

ARANTES, Paulo. Zero à esquerda. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.

ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento; VILLARINO, Leandro Vizin. O conceito de formação em tempos críticos: esboço de reflexão. In: 40º ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS. Anais [...]. São Paulo: ANPOCS, 2016. Disponível em: http://www.anpocs.com/index.php/encontros/papers/40-encontro-anual-da-anpocs/st-10/st22-6/10363-o-conceito-de-formacao-em-tempos-criticos-esboco-de-reflexao. Acesso em: 10 fev. 2021.

BERGAMINI, Atílio; TIBURSKI, Eliete Lucia; BITTENCOURT, Icaro. Entrevista com Sidney Chalhoub. AEDOS, Porto Alegre, v. 1, n. 1, 2009. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/aedos/article/view/9823/5628. Acesso em: 10 fev. 2021.

BRECHT, Bertolt. Estudos sobre teatro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.

BUCK-MORSS, Susan. Hegel e Haiti. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, v. 30, n. 2, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/nec/a/Rms6hs73V39nPnYsv44Z93n/?lang=pt. Acesso em: 10 fev. 2021.

CARDOSO, Fernando Henrique. Empresário industrial e desenvolvimento econômico. São Paulo: Difel, 1964.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis historiador. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

DEBATE A lata de lixo da história (Roberto Schwarz). [S. l.: s. n.], 2014. 1 vídeo (118 min). Publicado pelo canal César Marins. A LATA DE LIXO DA HISTÓRIA (ROBERTO SCHWARZ), 06/08/2014, São Paulo, USP. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=1B47KRaJIJ0&ab_channel=CésarMarins. Acesso em: 20 jul. 2021.

GILROY, Paul. O Atlántico negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

MOURA, Clóvis. Rebeliões da Senzala. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

MUSSE, Ricardo. Poeta, o lado quase desconhecido do crítico literário Roberto Schwarz. Folha de S.Paulo, São Paulo, ano 97, n. 32.258, 28 jul. 2017. Caderno Ilustríssima. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2017/07/1905026-poeta-o-lado-quase-desconhecido-do-critico-literario-roberto-schwarz.shtml. Acesso em: 12 jul. 2021.

PASTA, José Antonio. Pensamento e ficção em Paulo Emílio. In: GOMES, Paulo Emílio Sales. Três mulheres de três PPPês. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

QUERIDO, F. M. Nacional por negação: ensaio e “crítica independente” no último Roberto Schwarz. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, [S. l.], n. 74, p. 233-249, 2019. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/164971. Acesso em: 20 jul. 2021.

REIMBERG, Maurício. A crítica de Roberto Schwarz (1958-1968). São Paulo, 2019. Tese (Doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

ROBERTO Schwarz em 1968: A lata de lixo da história. [S. l.: s. n.], 2014. 1 vídeo (152 min). Publicado pelo canal STI FFLCH USP. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=m_nt51WgT-0&ab_channel=STIFFLCHUSP. Acesso em: 20 jul. 2021.

RODRIGUES, José Albertino. Sindicato e Desenvolvimento no Brasil. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1968.

SAFATLE, Vladimir. Dar corpo ao impossível. São Paulo: Autêntica, 2019.

SCHWARZ, Roberto. A lata de lixo da história: farsa. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1977.

SCHWARZ, Roberto. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1978.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SCHWARZ, Roberto. Que horas são? São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SCHWARZ, Roberto. Dialética da formação. In: PUCCI, B. et al. Experiência formativa e emancipação. São Paulo: Nankin, 2009.

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas. São Paulo: Duas cidades: Editora 34, 2012.

SCHWARZ, Roberto. Martinha versus Lucrécia. São Paulo: Cia. das Letras, 2012a.

SCHWARZ, Roberto. Sequências brasileiras. São Paulo: Companhia das Letras, 2014a.

SCHWARZ, Roberto. A lata de lixo da história: chanchada política. São Paulo: Companhia das Letras, 2014b.

SCHWARZ, Roberto. A LATA DE LIXO DA HISTÓRIA Prefácio inédito a uma chanchada de 1968. Revista Piauí. v. 91, p. 68-69, abril 2014c. Disponível em: https://piaui.folha.uol.com.br/materia/a-lata-de-lixo-da-historia. Acesso em: 20 jul. 2021.

SCHWARZ, Roberto. A Lata de Lixo da História: Chanchada Política Conversa com Roberto Schwarz. Revista terceira margem, Rio de Janeiro, v. 18, n. 30, ano XVIII, jul./dez. 2014d. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/tm/article/view/9757/7574. Acesso em: 20 jul. 2021.

SÜSSEKIND, Flora. Papéis colados. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1993.

TEIXEIRA, Ivan. Irônica invenção do mundo: uma leitura de O Alienista. Revista USP, São Paulo, n. 77, p. 149-169, 2008. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13663. Acesso em: 26 jul. 2021.

TELLES, Renata. A colaboração de Roberto Schwarz em Almanaque. Boletim de Pesquisa NELIC, Florianópolis, v. 3, p. 15-20, 1998.

TELLES, Renata. Roberto Schwarz vai ao cinema: imagem, tempo e política. Tese (Doutorado em Teoria Literária). UFSC, Florianópolis, 2005.

Publicado
2021-12-16
Como Citar
Breda, F. C. (2021). Dialética, subjetividades e história, ou uma leitura de A lata de lixo da história de Roberto Schwarz. Navegações, 14(2), e41611. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2021.2.41611
Seção
Ensaios