O mato e a cidade angolanos, o subúrbio e a zona sul cariocas

A construção do espaço em “O feto”, de João Melo, e em “Monólogo de Tuquinha Batista”, de Aníbal Machado

Palavras-chave: Literaturas de língua portuguesa, João Melo, Aníbal Machado, Espaço, Subjetividade

Resumo

Neste artigo, analisamos a construção do espaço em duas narrativas das literaturas de língua portuguesa – “O feto”, do autor angolano João Melo, e “Monólogo de Tuquinha Batista”, do autor brasileiro Aníbal Machado –, com ênfase na composição das zonas rural e urbana de Angola, no primeiro caso, e do subúrbio e zona sul da cidade do Rio de Janeiro, no segundo. Nossa hipótese é que esses espaços, tal como tecidos pelo trabalho autoral nos olhares e vozes das narradoras de cada conto, apresentam-se como diametralmente opostos: por um lado, o mato e o subúrbio seriam considerados de modos inteiramente positivos pelas referidas enunciadoras; por outro, a cidade e a zona sul seriam tratadas de formas completamente negativas pelas mesmas personagens. Para verificar se essa suposição interpretativa se sustenta ou não, recorremos, como referencial analítico específico, ao conceito de espaço como focalização, ponto de vista ou perspectiva, e ressaltamos, como princípios analíticos gerais, a condição das narradoras enquanto sujeitos literários e a natureza estética dos espaços em destaque.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Almeida Passos, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Mestre em Literaturas de Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC
Minas), em Belo Horizonte, MG, Brasil; doutorando em Literaturas de Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), em Belo Horizonte, MG, Brasil; bolsista da Coordenação de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Referências

BENVENISTE, Émile. Problemas de lingüística geral I. Tradução de Maria da Glória Novak e Maria Luisa Neri. Revisão de Isaac Nicolau Salum. 5. ed. Campinas: Pontes Editores, 2005.

BRANDÃO, Luis Alberto. Teorias do espaço literário. São Paulo; Belo Horizonte: Perspectiva; FAPEMIG, 2013. (Estudos, 314).

CARVALHAL, Tania Franco. Literatura comparada. 4. ed. rev. e ampl. São Paulo: Ática, 2006. (Princípios, 58).

COELHO, Márcia Azevedo. Entre a pedra e o vento: uma análise dos contos de Aníbal Machado. 2009. 238 f. Tese (Doutorado em Literatura Brasileira) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8149/tde-30042010-111317/pt-br.php. Acesso em: 27 maio 2021.

COSTA LIMA, Luiz. A análise sociológica da literatura. In: COSTA LIMA, Luiz (org.). Teoria da literatura em suas fontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. v. 2. p. 659-687.

DIOGO, Sarah Maria Forte; SCARPELLI, Marli Fantini. Do sonho ao chão: análise das narrativas "Monólogo de Tuquinha Batista" e "O telegrama de Ataxerxes" de Aníbal Machado. Recorte, Universidade Vale do Rio Verde, v. 8, n. 2, p. 1-14, 2011. Disponível em: http://periodicos.unincor.br/index.php/recorte/article/view/324. Acesso em: 27 maio 2021.

ISER, Wolfgang. O jogo do texto. In: JAUSS, Hans Robert et al. A Literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Seleção, coordenação e tradução de Luiz Costa Lima. 2. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002. p. 105-118.

LACERDA, Andréa Maria de Araújo. O espaço ficcional em contos de Aníbal Machado. 2013. 198 f. Tese (Doutorado em Letras) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2013. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/6230. Acesso em: 27 maio 2021.

MACHADO, Aníbal. Monólogo de Tuquinha Batista. In: MACHADO, Aníbal. A morte da porta-estandarte e Tati, a garota e outras histórias. Introdução de M. Cavalcanti Proença. 5. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973. (Sagarana, 19). p. 106-112.

MANTOLVANI, Rosangela Manhas. A Pátria de João Melo: um Estado multicultural. Revista Crioula, São Paulo, n. 2, p. 1-10, nov. 2007. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2007.53572. Acesso em: 27 maio 2021.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política da especialidade. Tradução de Hilda Pareto Maciel e Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MELO, João. O feto. In: MELO, João. Filhos da pátria. Rio de Janeiro: Editora Record, 2008. p. 147-155.

PELLEGRINO, Hélio. Édipo e a paixão. In: CARDOSO, Sérgio et al. Os sentidos da paixão. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. p. 317-321.

RANCIÈRE, Jacques. O fio perdido: ensaios sobre a ficção moderna. Tradução de Marcelo Mori. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

RIBEIRO, Roberto Carlos. João Melo: Filhos da pátria. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 43, n. 4, p. 99-112, out./dez. 2008. Resenha da obra de: MELO, João. Filhos da pátria. Rio de Janeiro: Record, 2008. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/5638. Acesso em: 19 jun. 2021.

SANTOS, Luis Alberto Brandão; OLIVEIRA, Silvana Pessôa de. Sujeito, tempo e espaço ficcionais: introdução à teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 2001. (Texto e linguagem).

TEIXEIRA PORTO, Ana Paula. Contística pós-independência da dor e da violência: notas sobre Filhos da pátria, de João Melo. Nonada: Letras em Revista, Porto Alegre, v. 1, n. 22, p. 1-15, maio/set. 2014. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=512451668007 . Acesso em: 27 maio 2021.

TÔRRES, Márcio Célio Freire. O discurso do oprimido opressor sobre si mesmo: uma leitura de "O feto". In: SANTOS, Simone Cabral Marinho dos et al. SINAFRO – I Simpósio Internacional de Ensino e Culturas Afro-Brasileiras e Lusitanas. Campina Grande: Realize Editora, 2018. Disponível em: http://www.editorarealize.com.br/publicacao/detalhes/52. Acesso em: 27 maio 2021.

TOTOLI, Aline. A relação entre texto e contexto literário em Filhos da Pátria de João Melo. Humanidades em Diálogo, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 265-269, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.1982-7547.hd.2012.106224 . Acesso em: 27 maio 2021.

VALE, Luiza Vilma Pires. Concepções estéticas em Aníbal Machado. 2011. 246 f. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2011. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/37443. Acesso em: 27 maio 2021.

Publicado
2021-12-16
Como Citar
Passos, A. A. . (2021). O mato e a cidade angolanos, o subúrbio e a zona sul cariocas: A construção do espaço em “O feto”, de João Melo, e em “Monólogo de Tuquinha Batista”, de Aníbal Machado. Navegações, 14(2), e41146. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2021.2.41146
Seção
Ensaios