Do exílio e do retorno ao útero materno

A simbologia da Grande Mãe na poesia nacionalista de Casimiro de Abreu

Palavras-chave: Casimiro de Abreu, Poesia nacionalista, Arquétipo da Grande Mãe, Berço-túmulo, Simbolismo da intimidade

Resumo

A poesia nacionalista de Casimiro de Abreu, influenciada pela 1ª geração romântica, configura-se numa linguagem simbólica em torno da terra natal, estabelecendo mitos e arquétipos que possibilitam representar o sentimento de “regresso ao lar”, entrevisto na sua produção lírica de exaltação “matriótica”, termo semanticamente mais adequado para ilustrar o nacionalismo. Este sentimento, instituído na tensão entre o inconsciente pessoal e o inconsciente coletivo, funda a imagem da Grande Mãe benfazeja como isomorfa à nação. Desde as primeiras recordações da infância sublimada pela imagem do berço, até o findar da existência, estabelecida pela imagem do sepulcro, os valores de intimidade maternal povoam o imaginário lírico de Casimiro de Abreu. Tais imagens, além de fortalecer o símbolo da Grande Mãe, também apontam uma reflexão de que a terra natal (isomorficamente materna) transmite paz ao sujeito lírico, tornando-se a cavidade uterina para onde voltará os seus despojos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Moisés Carlos de Amorim, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT, Brasil.

Doutor em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá, MT, Brasil; professor da Secretaria de Estado de Educação em Mato Grosso (SEDUC — MT).

María Emilia Landaeta Silva, Universidade Federal de Uberlândia, em Uberlândia, MG, Brasil.

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em Uberlândia, MG, Brasil; estudante e bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Referências

ABREU, Casimiro. As Primaveras. – Goiânia: Kelps, 2009.

AMORIM, M; SOUSA, D. Arquétipo do paraíso: imagens do espaço sagrado na poética de Gonçalves Dias. Travessias, Cascavel, v. 13, n. 3, p. 199-213, set./dez. 2019. Disponível em:

http://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/22953. Acesso em 25 mar. 2021.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Tradução Antonio de Pádua Danesi. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, selo Martins, 2008. (Coleção Tópicos)

BANDEIRA, Manuel. Seleta de Prosa. – Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

CITELLI, Adilson. Romantismo. 4. ed. – São Paulo: Ática, 2007.

DIAS, Antonio Gonçalves. Poesias Escolhidas. São Paulo: Editora Ática, 2008.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Tradução Eliane Fittipaldi Pereira. – São Paulo: Cultrix, Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. Tradução Hélder Godinho. – 3ª ed. – São Paulo: Martins Fontes, 2002. – (Coleção biblioteca universal)

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. Tradução Rogério Fernandes. – 3ª. ed. – São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010. – (Biblioteca do pensamento moderno)

JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Tradução Maria Luiza Appy, Dora Mariana R. Ferreira da Silva. – 9. ed.- Petropólis, RJ: Vozes, 2012.

JUNG, Carl Gustav. Símbolos da transformação: análise dos prelúdios de uma esquizofrenia. Tradução de Eva Stern; revisão técnica Jette Bonaventure. 9. ed. – Petrópolis, Vozes, 2013.

QUASIMODO, Salvatore. Poesias escolhidas. Tradução Sílvio Castro. – Rio de Janeiro: Editora Ópera Mundi, 1971.

SCHWARCZ, Lilia K. Moritz. A natureza como paisagem: imagem e representação no Segundo Reinado. Revista USP, São Paulo, nº 58, p. 6-29, junho/agosto 2003. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i58p6-29

Publicado
2021-12-16
Como Citar
Amorim, M. C. de, & Silva, M. E. L. (2021). Do exílio e do retorno ao útero materno: A simbologia da Grande Mãe na poesia nacionalista de Casimiro de Abreu. Navegações, 14(2), e40620. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2021.2.40620
Seção
Ensaios