Aonde o sentir nos leva

embodiment, ekphrasis, descrição e epifania no Livro do desassossego, de Fernando Pessoa

Palavras-chave: Literatura, Sentir, Pensar, Leitura, Modernidade

Resumo

A centralidade do sentir no Livro do desassossego, de Fernando Pessoa, convida-nos a lê-lo como um dispositivo do sentir que produz efeitos sensíveis e cognitivos em seu público. Busca-se olhar de perto o embodiment, a ekphrasis, a descrição e a epifania como técnicas literárias que, aliadas ao fragmento, nos fazem sentir o Livro e pensar sobre ele. A obra é pensada em suas relações com a visão e a fotografia, sob à luz de teorias diversas, em uma tentativa de circunscrevê-la em uma estética moderna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Rodrigues Freitas, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil

Mestre em Comunicação, Cultura e Cidadania pela Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, GO, Brasil. Doutoranda em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB), em Brasília, DF, Brasil, com período sanduíche na Universidade de Brown, em Providence, RI, Estados Unidos. Graduada em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), em Goiânia, GO, Brasil.

Referências

AHERN, Stephen. Introduction: a fell for the text. In: AHERN, Stephen. Affect theory and literary critical practice: a feel for the text. Wolfville: Acadia University, 2019. https://doi.org/10.1007/978-3-319-97268-8

ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna. Tradução de Denise Boetman e Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BAUDELAIRE, Charles. Sobre a modernidade: o pintor da vida moderna. Organizador Teixeira Coelho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

BARTHES, Roland. O efeito de real. In: BARTHES, Roland. O rumor da língua. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004. p. 181-190.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. In: GRÜNNEWALD, José. A ideia do cinema. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969. p. 55-95.

BENJAMIN, Walter. Obra escolhidas: magia e técnica, arte e política. 3. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

BRINKEMA, Eugenie. The form of the affects. London: Duke University Press, 2014. https://doi.org/10.2307/j.ctv1220hgn

CUNHA, Teresa S. Prefácio. Livro do desassossego. Lisboa: Relógio D’ Água, 2008.

DELEUZE, Gilles. Cinema II: a imagem-tempo. Tradução de Eloisa Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2013.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia?. São Paulo: Editora 34, 2007.

DELEUZE, Gilles. Literature and life. Translate by Daniel W. Smith and Michael A. Greco. Critical Inquiry, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 225-230, 1997. https://doi.org/10.1086/448827

GIL, José. Cansaço, tédio, desassossego. Lisboa: Relógio D’Água, 2013.

GIL, José. Fernando Pessoa ou a metafísica das sensações. Lisboa: Relógio D’Água, 1986.

HANSEN, Miriam. Benjamin, cinema e experiência: a flor azul na terra da tecnologia. In: BENJAMIN, Walter et al. Benjamin e a obra de arte: técnica, imagem, percepção. Tradução de Marijane Lisboa e Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. p. 205-255.

KROIS, John Michael et al. Embodiment in cognition and culture. Phildelphia: John Benjamins Publishing Company, 2007.

MAFFESOLI, Michel. Elogio da razão sensível. Tradução de Albert Christophe Migueis Stuckenbruck. Petropólis: Vozes, 1998.

MARTINS, Fernando C. Introdução aos estudos de Fernando Pessoa. Lisboa: Porto Editora, 2014.

MEDEIROS, Paulo de. Pessoa´s geometry of the abyss modernity and the book of disquiet. London: Legenda, 2013.

MEDEIROS, Paulo de. O silêncio das sereias: ensaio sobre o Livro do Desasssossego. Lisboa: Tinta-da-china, 2015.

MITCHELL, W. J. T. Ekphrasis and the other. In: MITCHELL, W. J. T. Picture theory. Chicago: University of Chicago Press, 1994.

LUCKÁS, Georg. Narrar ou descrever. In: LUCKÁS, Georg. Ensaios sobre a literatura. 2. ed. São Paulo: Civilização Brasileira, 1968.

PESSOA, Fernando. A teoria da heteronímia. Lisboa: Porto Editora, 2012.

PESSOA, Fernando. Livro do desassossego. São Paulo: Mediafashion, 2016.

PIZARRO, Jerónimo. Pessoa existe?. São Paulo: Ática, 2012.

ROMERO, Raúl; GARAY, René. Epifanía y poema em prosa el Livro do Desassossego de Fernando Pessoa/Bernardo Soares. Revista do Centro de Estudos Portugueses, Belo Horizonte, v. 25, n. 34, p. 13-22, 2005. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/cesp/article/view/6654/5653. Acesso em: 6 dez. 2019. https://doi.org/10.17851/2359-0076.25.34.13-22

SIMMEL, Georg. A escultura de Rodin e a direção espiritual do presente (1902). In: SOUZA, Jessé; OELZE, Berthoid. Simmel e a modernidade. 2. ed. Brasília: UnB, 1998. p.153-160.

SPINOZA, Baruch. Ética. Tradução de Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

WEBER, Max. A ciência como vocação. In: WEBER, Max. Três tipos de poder e outros escritos. Lisboa: Tribuna da História, 2005.

WIMSATT JR., W. K.; BEARDSLEY, M. C. The Affective fallacy. The Sewanee Review, Sewanee, v. 57, n. 1, p. 31-55, 1949.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Freitas, C. R. (2020). Aonde o sentir nos leva: embodiment, ekphrasis, descrição e epifania no Livro do desassossego, de Fernando Pessoa. Navegações, 13(2), e37025. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2020.2.37025
Seção
Ensaios