Cena e obsceno em O beijo no asfalto, de Nelson Rodrigues

Palavras-chave: O beijo no asfalto, Nelson Rodrigues, Cena, Obsceno, Teatro

Resumo

Este artigo propõe uma análise da peça O beijo no asfalto, de Nelson Rodrigues, sob a ótica dos conceitos de cena e de obscenidade. Essa peça se estrutura em torno de um escândalo causado pelo fato de o personagem Arandir beijar um homem que agonizava no asfalto após ser atropelado, o que feria os códigos morais instituídos à época. Contudo, observa-se que, na peça, esse escândalo não está relacionado apenas com a transgressão moral, mas principalmente com a própria encenação. Nesse sentido, nota-se que a peça agencia diversas encenações, as quais são apresentadas como elementos constituintes da ordem social. Assim, a obscenidade advinda das diversas encenações que se sobrepõem parecem colocar em jogo o fato de se estar dentro/fora de cena, ou do acúmulo de representações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jonatas Aparecido Guimarães, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM), Patrocínio, MG, Brasil

Professor efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM). Dedica-se aos estudos do personagem, do sujeito e da máscara nas literaturas modernas e contemporâneas.

Referências

CAMPOS, Érica Cristina Procópio. Do obsceno à cena. Disponível em: http://www.facom.ufjf.br/documentos/downloads/projetos/2sem_2005/pdf/ECampos.pdf. Acesso em: 12 jan. 2020.

COSTA LIMA, Luiz. Persona e sujeito ficcional. In: Pensando nos trópicos (dispersa demanda II). Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

ELMIR, Cláudio Pereira. A ficção e o maravilhoso no discurso jornalístico. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 127-147, jul./dez. 2009. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2009.2.5350.

FERREIRA, Sérgio. O beijo no asfalto e as estruturas de apelo. Disponível em: http://www.facos.edu.br/galeria/129102010021301.pdf. Acesso em: 12 jan. 2020.

HUSTON, Nancy. A espécie fabuladora. Tradução Ilana Heineberg. Porto Alegre: L&PM, 2010.

PAULINO, Graça; WALTY, Ivete. Leitura literária: enunciação e encenação. In: MARI, Hugo; WALTY, Ivete; VERSIANI, Zélia. (org.). Ensaios sobre leitura. Belo Horizonte: PUC Minas, 2005. v., p. 138-154.

PELLEGRINO, Hélio. A obra e o beijo no asfalto. O beijo no asfalto. In: RODRIGUES, Nelson. Teatro completo:

tragédias cariocas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004. p. 262-272.

PENA, Ondina Pereira; MARTINELLI, Verônica. O Real é Morto: Baudrillard e Lacan, dissidentes da comunicação. Revista Mal-estar e Subjetividade, Fortaleza, Universidade de Fortaleza, v. 10, n. 4, p. 1221-1243, dez. 2010.

QUARESMA, José Francisco. O beijo no asfalto: linguagem, personagens, gênero. Terra roxa e outras terras, Curitiba, v. 14, p. 56-65, dez. 2008.

REIS, Carlos. Pessoas de livro: estudos sobre a personagem. 2. ed. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2016. https://doi.org/10.14195/978-989-26-1212-6.

RODRIGUES, Nelson. O beijo no asfalto. In: Teatro completo: tragédias cariocas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004. p. 51-104.

SALOMÃO, Irã. Nelson, feminino e masculino. Rio de Janeiro: 7 letras, 2000.

VASCONCELOS, Iris Helena Guedes de. Do Universal ao Nacional: Aspectos da Dramaturgia de Nelson Rodrigues. In: MALUF, Sheila Diab; AQUINO, Ricardo Bigi de. (org.). Dramaturgia em cena. Maceió: EDUFAL, 2006

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Guimarães, J. A. (2020). Cena e obsceno em O beijo no asfalto, de Nelson Rodrigues. Navegações, 13(2), e36995. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2020.2.36995
Seção
Artigos