Terra e Resistência na poesia de Alda Espírito Santo

Palavras-chave: Memória., Terra, Resistência

Resumo

Por meio da análise de alguns poemas de Alda Espírito Santo, o trabalho procura elucidar os pontos em que a participação feminina convoca e alerta o africano para uma resistência diante das situações opressoras impostas pelo regime colonialista. A poetisa, além de ter integrado a Casa dos Estudantes do Império, teve uma participação eficaz e decisiva no andamento das negociações da libertação do arquipélago de São Tomé e Príncipe. Ela mantém, em seus poemas, um compromisso histórico, fazendo, assim, com que seus leitores tenham consiência política e social. Por meio do sujeito poético e a partir da presença feminina, Alda Espírito Santo pontua e se coloca ao par de seu povo e convoca o africano de todo o continente e o negro da diáspora, despertando o Pan-africanismo e desconstruindo a imagem do colonizador. O trabalho busca, também, mostrar a representação da terra como pertença e sua valorização no imaginário africano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Sergio Gonçalves, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Licenciado em Letras – Português e Inglês pela SECAL/ PR; Mestre em Letras pela UFRGS/RS, doutorando em
Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil), linha de pesquisa Pós-colonialismo e Identidades. Professor de Antropologia e Sociedade, Comunicação Contemporânea, Língua Portuguesa e Redação Instrumental da Faculdade Estácio de Sá de Porto Alegre, RS.

 

Referências

BACHELARD, Gaston. Vida e Obra. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora Ltda, 1993. (Coleção Os Pensadores). Tradução de Antônio da Costa Leal e Lídia do Valle Santos Leal.

BOSI, Alfredo. Narrativa e Resistência. Revista Itinerários, Araraquara, n. 10, p.11-27, 1996.

ESPÍRITO SANTO, Alda. É Nosso o Solo Sagrado da Terra: Poesia de protesto e luta. Lisboa: Editora Ulmeiro, 1978. (Colecção Vozes das Ilhas)

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S/a, 1968. (Série Política). Tradução de José Laurênio de Mello.

GOLDSTEIN, Norma. Versos, sons, ritmos. 6. ed. São Paulo: Ática, 1990. (Princípios).

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais Ltda, 1968. (Vértice). Tradução de Laurent Léon Schaffter.

MARGARIDO, Alfredo. Estudo sobre Literaturas das Nações Africanas de Língua Portuguesa. Lisboa: Sociedade Industrial Gráfica Telles da Silva Ltda, 1980. (Série: A regra do jogo).

MATA, Inocência. Diálogo com as Ilhas: Sobre Cultura e Literatura de São Tomé e Príncipe. Lisboa: Edições Colibri, 1998.

______________. Endurecer-se sem perder a ternura. In: MATA, Inocência; PADILHA, Laura Cavalcante (Comp.). A Poesia e a Vida: Homenagem a Alda Espírito Santo. Lisboa: Edições Colibri, 2006. p. 11-19. Coordenação de Inocência Mata.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo Editorial, 2005. Tradução de Álvaro Pina.

MONTEIRO, Maria Rosa da Rocha Valente Sil. C.E.I. Celeiro do Sonho: Geração da “Mensagem”. 2001. 365 f. Tese (Doutorado) - Curso de Letras e Ciências Humanas, Instituto de Letras e Ciências Humanas da Universidade do Minho, Universidade do Minho - Portugal, Braga, 2001.

NEVES, Alda. Marcas de nacionalismo na poesia de Alda Espírito Santo. Revista Comunidades Imaginadas: Nação e Nacionalismos em África, [s.l.], p.219-225, 2008. Imprensa da Universidade de Coimbra. http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0339-1_16. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10316.2/32166>. Acesso em: 23 jan. 1018.

PADILHA, Laura Cavalcante. Uma voz insubordinada e solidária. In: MATA, Inocência; PADILHA, Laura Cavalcante (Comp.). A Poesia e a Vida: Homenagem a Alda Espírito Santo. Lisboa: Edições Colibri, 2006. p. 21-27. Coordenação de Inocência Mata.

RICOUER, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007. Tradução de Alain François [et al.].

SALGADO, Maria Teresa. Francisco José Tenreiro: ambiguidade e ironia a favor da poesia. In: SECCO, Carmen Lucia Tindó; SALGADO, Maria Teresa; JORGE, Silvio Renato (Org.). Pensando África: Literatura, Arte, Cultura e Ensino. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2010. p. 198-205.

TUTIKIAN, Jane. O Poema Porta Aberta Tocha Acesa de Conceição Lima. Abril: Revista do Núcleo de Estudos de Literatura Portuguesa e Africana da UFF, Rio de Janeiro, v. 5, n. 9, p.79-92, 2012.

Publicado
2020-07-27
Como Citar
Gonçalves, P. S. (2020). Terra e Resistência na poesia de Alda Espírito Santo. Navegações, 13(1), e36810. https://doi.org/10.15448/1983-4276.2020.1.36810
Seção
Artigos